Arquivo de etiquetas: wolf

Quero o teu olhar…

received_10208212198161582

Sabes o quanto gosto de ver esse teu olhar quando me vês, sentir-te o prazer nos olhos quando os semi-cerras de tanto desejo, o teu olhar não mente.
E ver-nos, sabes tão bem como gosto disso, de nos ver juntos, entrelaçados e rendidos de corpo e alma, como se o amanhã não fosse chegar.
Deliro quando te aproximas por trás de mim de mansinho em frente ao espelho e me despes a roupa de viver, lentamente, deixando o meu corpo nu, tal como sou, ao abandono das tuas mãos, e a alma mais nua ainda.
Conheces-me bem, posso ver essas mãos no espelho vaguearem por mim, com destino incerto, só para meu prazer, e ao mesmo tempo ver o teu olhar. Oh, esse olhar que me cativa, me incendeia, me diz tanto e me deixa completamente rendida.
Incrível como cada toque teu me faz voar, sair de mim e deste meu mundo que passo a ignorar. Nada mais importa, nada faz sentido sem esse toque que me trás à vida e me faz sentir.
E vejo, vejo através do espelho, consigo ver esse sentir, meu e teu. Por tudo isso quero tanto o teu olhar…

-Dizem que os olhos são o espelho da alma, e é assim que te deixo ver a minha, através do nosso olhar que se cruza no reflexo do espelho, no olhar que aprecia o teu corpo, o olhar que sente o teu desejo.
E os nossos olhares fundem-se num só enquanto acompanham as minhas mãos que te tocam, as mãos que percorrem a curva dos teus seios, que tocam o teu ventre liso, que descem e sentem o teu querer.
E assim, com os nossos olhares fixos no espelho possuo-te lentamente, vemos os nossos corpos suados os movimentos lentos e ritmados e sinto aquilo que adoro, o teu prazer, sabes bem como o adoro, como me sinto realizado e penso que a imagem devia ficar imortalizada, que este momento tão perfeito devia durar para sempre…

 

Miss Kitty & Sir Wolf

Wolf

13230089_1697883507124046_1249485590268816702_n

Há dias que só me apetece sentir, não sei bem o quê nem porquê, mas sentir… Sentir-me qualquer coisa, sentir-me viva… E sentir-te… É isso que mais quero, agora que sei como és, sentir-te…
É nesses dias que este meu lado negro se revela, se evidencia… Este meu lado que conheces tão bem e que despertaste em mim por seres como és, igual a mim, e que se encontrava escondido de tudo e todos… Esse lado de fêmea com o cio que quer desfrutar dos prazeres mais insanos e intensos que ainda não conhece mas que mexem tanto com ela…
Esse lado que também tens, conheço bem e que amo por ser tão devasso, tão sentido… O lado que faz de ti o meu lobo e eu tua presa, a tua fêmea acima de todas as outras, ao qual me rendo, me submeto, numa submissão consentida onde não há regras para atingir o prazer…
É nessa altura, em que os nossos anjos e demónios andam em guerra e o lado mais negro vence, que me reclamas como tua, que nos possuímos como loucos, sem pudores nem limites, pois o único limite é o prazer.
Esse prazer que não conseguimos negar, de dois lados escuros que se completam de forma carnal, animal, de lobo quando sente o cheiro da presa, mas ao mesmo tempo tão terno, instintivo e protector da sua fêmea, que me deixa á tua mercê, rendida. E nessa tua caça, neste jogo de sedução, a que me entrego, deixo de ser eu como me mostro e passo a ser eu como sou, como só tu me conheces, e sabes satisfazer.
Deixo-te usar os teus instintos, sentires-me poro a poro, cheiro a cheiro, gosto a gosto. Abro-me para ti, deixo-te provares-me e provocares-me até não suportar, e como só tu sabes fazer, fodes-me com a língua enquanto me tocas até me vir vezes sem conta e te deixar saciado do meu néctar que sorves avidamente.
E entre carícias e beijos, estás tão pronto quanto eu, tão duro e ansioso, que comprovo e reforço sentindo o teu gosto salgado na minha boca até quase não aguentares e prontamente entrares dentro de mim, lentamente, para me dares o prazer de te ver possuíres-me, desapareceres em mim, e fazer parte de ti.
Com movimentos descompassados e urgentes, tocas-me fundo e peço mais, quero tudo de ti, por desejo, por instinto, por amor, e não é preciso muito para explodirmos num orgasmo assombroso, quando os nossos lados escuros e sombrios se fundem num só, e com o poder do prazer se conseguem iluminar.
E cada vez que nos saciamos tornamo-nos um pouco menos sombrios…

© Miss Kitty 2016 #69Letras

A Verdadeira História do Capuchinho Vermelho

 

modern_little_red_riding_hood_and_the_wolf

Naquele dia o que ela mais queria era fazer-se mulher nas mãos daquele predador.
Nada do que sucedeu nesse dia, foi por acaso, aquela menina inocente premeditara tudo.
Com a casa da avó livre como cenário Capuchinho fez-se à estrada.
Colocou um leve vestido branco rendado na aldeia onde vivia, e nesse dia fez questão de poupar a mãe, coitada que trabalha tanto, e foi ela mesma quem preparou a cesta onde muito obedientemente levava o lanchinho à avó que vive no bosque todos os santos dias. Capuchinho rejubilava quando chegava a hora de se fazer à estrada e hoje não seria diferente.
A linda menina de lábios inocentes da cor do pecado seguiu sem olhar para trás em direcção à casa vazia da avó envolta na capa encarnada que sua mãe costurara para si.
Imaginem só aquela doce menina de pele clara, lábios pequenos e pureza espelhada no olhar a correr no bosque sozinha nervosa e ansiosa!
Pousou na mesa do chá o bolo e o pote de mel e do fundo da cesta tirou o que tanto escondeu da mãe.
TOC TOC!
Com o peito aos saltos, o corpo a tremer, e a ansiedade nas faces rosadas, Capuchinho Vermelho abre a porta em lingerie da cor da paixão, cabelos caídos nas costas, e atira-se para os braços do seu lobo.
Conhecera-o no dia em que trouxe pela primeira vez o lanchinho para a sua querida avó, e desde aí, fez questão de ser incumbida dessa função.
Capuchinho Vermelho foi arrebatada por aquele 69 do bosque que a fez derreter com o seu sedutor olhar.
Os passeios pelo bosque, os pés descalços no rio de aguas límpidas e cristalinas, as flores exóticas que juntos apanhavam, deixaram de ser suficientes. Foi ela, aquele doce menina, que quis tornar-se dele! E foi naquele dia, que o predador dos bosques, comeu a virgem da capa de vermelho e a tornou sua mulher sob a dança do corpo esculpido pelas horas de trabalho como lenhador naquele bosque.
Quanto à avó, que terá ela ido fazer para não estar em casa no dia em que a sua neta planeou deixar de ser menina? (esta será outra história)

 

A Vizinha

Fotografia: Via google