Arquivo de etiquetas: vulva

Assinaturas “a quente”

M18/Texto erótico 

 

Feira do livro de Lisboa. 12-06-2017. Encontro-me no stand da minha editora a fazer promoção do meu mais recente livro “A sangue quente”. Está um calor infernal e o tédio instala-se. Preparo-me para me deslocar até à minha roulote para fazer uma pausa e usufruir do ar condicionado por um bocado.

Quando me levanto ouço alguém dizer: “importa-se de assinar o meu livro?”. Viro-me e ali está ela completamente ofegante, cansada e a arder de calor mas com um sorriso de esperança de quem andou quilómetros a pé apenas para comprar o meu livro. Acedo imediatamente. Pergunto a quem devo dedicar o autógrafo. “Maria, apenas”, responde. Começo a escrever e ela sussurra: “Que pena ser apenas um simples autógrafo. Perdoe a ousadia mas os seus livros deixam-me desinibida e esperava poder ter algo inolvidável seu”.

Convido-a a acompanhar-me até à roulote para conversarmos e bebermos um copo de espumante bem fresco. Entramos. Pergunta-me se tenho WC e dirige-se a ela. Diz que está a arder de calor e que necessita de se refrescar.

Quando sai, vem completamente nua. O seu corpo delicioso revela a maturidade dos anos, contudo sensual e muito apetecível. Desvio o olhar e pergunto se quer beber algo, enquanto lhe ofereço a flute já cheia de espumante. Ela não responde e senta-se em frente a mim abrindo ligeiramente as pernas revelando uma vulva que brilha de humidade.

Levanto-me e dirijo-me a ela com um olhar penetrante. Sem nada dizer, ajoelho-me à sua frente e mergulho a minha cabeça entre as suas pernas. Devoro-a. Ouço os seus gemidos e intensifico os movimentos da minha língua no seu clitóris. Não demora muito tempo até que se venha num orgasmo infindável.

Levanto-me e volto a sentar-me no meu lugar. Acabo o autógrafo que tinha começado no stand, terminando beijando a página deixando o seu sabor na mesma. De um só trago bebo o meu espumante.

Digo-lhe: “Fica à vontade e o tempo que quiseres. Espero que o autógrafo tenha sido do teu total agrado e satisfação”. Saio para voltar ao stand onde me espera a canícula e uma fila de leitores que aguarda pelo meu autógrafo”. Quanto tempo será que ela vai ali ficar?…

THE DARK MASTER OF INCUBUS 

Enormes em nós

Texto Erótico [M18]

Sou aquela que desvenda o desejo no olhar dos homens, que passam por mim na rua.

Dos que estão sentados na mesa do café.

Dos que viajam no metro, em hora de ponta, com o corpo quase colado ao meu.

Consigo sentir-lhes o cheiro do tesão, o querer sem poder sob a forma de imaginação…

Sinto-me viva quando os seus desejos recaem sobre mim.

SIM…

 Quando me expões , no cimo de um banco, para quem esteja a ver…

Sem roupa interior, eles olham directamente para a minha vulva… 

Pulsante.  Húmida.

Elas também olham, também a querem possuir….

É tudo um jogo, do melhor que há…

Ao teu sinal aproximam-se … insinuam-se…  subtilmente tocam-me…

Provocando-nos aos dois.

Inflamando o desejo contido, de viagens semanais, sem entrega alguma, até aquele preciso momento.

Sinto-me poderosa.

Adulada, como uma deusa grega.

Sinto-me viva através do teu desejo que absorve o meu, tornando-os num só.

Os corpos que passam por nós…

As bocas que nos possuem..

Nada disso nos faz desapegar o olhar um do outro.

É de uma simbiose tão bela…

Este nosso amor de alma, que se fortalece de pedaços de outros

e nos torna enormes em nós mesmos…

                            ©The Oyster 2017 #69Letras

A culpa é tua. Não tinhas nada de trazer esse vestido transparente

Texto Erótico|M18

“- Adoro as tuas transparências…
– Eu sempre fui transparente. Não gosto de iludir as pessoas.
– E nunca o fizeste mas hoje estás mais transparente que nunca.
– Gostas deste vestido?
– Adoro! Quando estavas a caminho da casa de banho o Engº Antunes parou no corredor e ficou de olhar lascivo e entesoado. E eu só não fiquei de boca aberta pois conheço bem cada curva do teu corpo, cada sinal, cada estria.
– A sério? Ai! Não trago mais este vestido! Ainda sou despedida por distrair os colegas.
– Ou então fazes com que eles sejam despedidos por assédio sexual. Bem me recordo da primeira vez que te abordei. Estava a tremer pois não sabia qual seria a tua reação, mas agora não estou nada arrependido.
– Ainda bem que vieste ter comigo, estava mortinha para te pôr as mãos!
– Hum… Se soubesses o que me apetece agora…
– Diz-me ao ouvido…
– Não. Logo depois do pessoal sair todo. Venho ter contigo… ok?
– Mal posso esperar… até logo!

Estonteante! Não há melhor adjetivo para classificar a colega do gabinete 6. No alto do seu 1,78mt, pele tom de café com leite com um brilho encantador, cabelo negro longo e encaracolado. Seus olhos são negros, tão belos, tão puros. E o Sorriso? É o mais belo, o mais perfeito, o mais lindo que vi. Não adianta ser bonita se não sabe sorrir! E o corpo? É melhor descrever enquanto o saboreio…

No final do dia subi ao piso 1, gabinete 6. De óculos e concentrada no último mail do dia, lá estava ela. Os últimos raios de sol entravam pela janela, iluminando-a. Fiquei à porta apreciando a forma como ela digita o texto, como se concentra de forma séria no ecrã do computador… Que pensamentos pecaminosos estes que me invadem a imaginação. Aproximo-me lentamente, desfazendo o nó a gravata e desabotoando a camisa. Passo o dedo indicador desde a mão até ao seu ombro, abrindo a mão e apanhando o seu longo cabelo. Com um elástico prendo-o, deixando ao descoberto o seu belo e cheiroso pescoço… Hum, que belo e intenso aroma é o seu. Com um beijo faço-a arrepiar e suspirar, e relaxadamente ela se encosta à cadeira. Tiro a gravata e faço dela uma venda, deixando-a assim com o coração aos saltos de expectativa.
“- Que me vais fazer?” pergunta-me.
“- Relaxa e aprecia…” respondo.
Com um beijo no pescoço faço-a libertar um longo e intenso gemido, descendo lentamente os lábios até ao ombro direito onde lhe retiro a alça do vestido, e com a mão esquerda a alça esquerda. Peço-lhe que se levante e o vestido cai. Como é bela e sedutora de conjunto de sutiã e cueca rendado branco na sua pele morena… Com um beijo doce envolve-me nos seus braços obrigando-me a encostar meu corpo ao seu. O calor do seu desejo e a doçura dos seus lábios deixa-me em completo tesão e vontade de a possuir ali mesmo, em cima da sua secretária. Habilmente abro o seu sutiã, deixando descobertos o seus belos seios e seus rijos e apetitosos mamilos. Enquanto a beijo vai me despindo a camisa e desapertando o cinto das calças, sentando-me de seguida na sua cadeira para me tirar a as calças juntamente com os boxers. De joelhos, debruça-se sobre a minha cintura e coloca todo o meu tesão na sua boca, fazendo-o desaparecer todo lá dentro, sugando-o… Deito a cabeça para trás gemendo. Um arrepio invade-me a espinha deixando os restantes sentidos completamente entorpecidos. Olha-me no olhos enquanto habilmente me chupa, o que me deixa ainda mais entesoado. Que delicia! Que mulher, que língua e boca mágicas! Contenho-me para não me vir no momento pois não o quero já. Debruço-me sobre ela e beijo-lhe suavemente, levantando-a para lhe retirar as cuecas. O odor da sua vagina invade-me as narinas, abrindo o apetite á minha boca. Com um abraço e um beijo longo invertemos os papeis, ficando eu de joelhos e ela sentada na cadeira. Uma perna para um lado, outra para o outro assim fica, toda aberta para mim esperando ansiosamente pela minha língua. Desde o joelho vou percorrendo um longo e extasiante caminho até ao interior das suas coxas, onde me espera uma linda e apetecível vulva, assim como um rijo clitóris. Desde a abertura da vagina até ao Monte de Vénus minha língua percorre vagarosa e prazerosamente, descendo até ao clitóris onde dispenso a atenção dos meus lábios e da minha língua… Com a mão direita subo seu corpo, desde o umbigo até á sua boca, passando pelos seus voluptuosos e perfeitos seios, acariciando seus mamilos e dando de seguida meu dedo para sua boca o chupar. Com dedo do meio da mão esquerda penetro-a, e enquanto lhe chupo clitóris, atinge um intenso orgasmo, sentindo-o a jorrar na minha boca, quente e saboroso… Pego-a pelos braços, beijando-a, e deito-a em cima da secretária. Retira a venda e diz-me:
“- Fode-me!”
De olhar fixo um no outro, intenso e lascivo, com as suas longas e perfeitas pernas enroladas a apertar-me contra si, obriga-me a uma deliciosa e profunda penetração.
“- Tão quente e húmida que és.
– Tão duro e gostoso que estás!”
Que delicia de mulher! Que maravilha de serão!
“- Fode-me por trás! Quero me vir contigo dessa forma!”
Rapidamente vira o seu belo, rijo e perfeito rabo para mim. Fecho-lhe as pernas, empino-lhe o rabo, deixando a sua bela “ameijoa” exposta para mim. Com a mão esquerda agarro-a pela cintura e penetro violentamente, deixando de seguida a marca da mão direita na sua nádega. Com estocadas certas e fortes, e puxando-a pelo seu rabo de cavalo, fodo-a mesmo ali, em cima da sua secretária, elevando-nos ao nosso belo, intenso e mutuo orgasmo!
“- A culpa é tua. Não tinhas nada de trazer esse vestido transparente.” – digo-lhe a recuperar a respiração.
“- Agora que sei que adoras vou o vestir mais vezes…” – diz-me ela com o seu olhar safado e tesudo.
“- Veste, já sabes o que te acontece de seguida…
– Um saboroso e intenso castigo…
– Gostas pouco gostas…”

 

O Vizinho #69Letras

 


Da próxima calças tu as botas…

c8939bb0d109339d9516649b5d8bcf14

Texto Erótico|M18. Sim vamos portar-nos bem… é só um copo…
E ao fim do segundo gole no cocktail que escolhi já as pernas estavam entrelaçadas debaixo da mesa e as mãos aparentemente perdidas na gesticulação tocavam-se ocasionalmente aumentando a temperatura…
Já saímos do bar meio às pressas e ainda antes de chegar ao carro prendeste-me pela cintura e mergulhaste a tua língua na minha boca… senti a tua tesão contra a minha barriga e comecei a navegar o teu corpo toda eu mãos… meteste a mão já ansiosa por dentro das minhas calças e percebeste que algo não estava… apesar de já me conheceres um pouco olhaste para mim com resquícios de choque mas rapidamente aproveitaste para apalpar terreno e mergulhar um dedo em mim que já jorrava em antecipação… abriste as calças e mostraste o efeito que te causava aquela exacerbação no meio da rua… foi a minha vez de ficar chocada! Cega pela tesão, passei do choque a agarrar o teu membro e apertar sentindo o quão duro estava… pronto para entrar na perdição… caindo em mim achei por bem irmos para um sitio mais recatado e foi num pulo que me vi de soutien e botas altas a ser fodida por ti… encostada à parede, presa por cabelos e anca enquanto investias com força e uma tesão grotesca que me aproximava de um orgasmo violento… foi de bom grado que deixei que me pusesses de 4. Sugaste com uma boca gulosa o néctar que me escorria da vulva ansiosa por mais e voltaste a entrar em mim… consenti que me usasses e também eu aproveitei quando explodi mais uma vez à volta do teu caralho que pulsava num orgasmo longo e intenso…
Scarlett

Conto – Parte 3

Texto Erótico|M18

O vestido cai e ele fica deslumbrado com o que avista… Um corpo sensual, fartos seios envolvidos no sutiã e na cueca rendada. Aquela roupa interior vermelha torna a menina inocente numa mulher segura e muito sensual. As poucas tatuagens que cobrem aquele corpo tornam tudo ainda mais fascinante. Ele está deslumbrado e adora o que vê. Uma menina tão inocente e insegura agora se mostra como uma mulher poderosa e muito segura de si própria. Avançando na sua direção percorre todo o seu corpo com sua língua e boca… Ele começa pela sua boca que tanto prazer lhe proporcionou, vira-a de costas e segue pelo pescoço, arrepiando-a e enchendo-a ainda de mais desejo. Suas mãos envolvem seus seios, apertando e massajando, provoca-lhe sensações que desconhecia. Estando cheia de desejos ela começa a roçar o seu rabo magnífico na sua tesão. Rapidamente a encosta de costas contra a parede do quarto, e percorrendo seu corpo, do pescoço até as coxas com a língua, provoca-lhe arrepios intensos. Puxando a cueca para o lado começa a beijar a sua vulva… Os beijos intensificam e sua língua entra em jogo com movimentos rápidos começando a passar a língua no clitóris. Um dedo, dois dedos entram e provocam-lhe sensações ótimas. Seu corpo estremece e ela é envolvida num orgasmo intenso. Ele coloca-se de pé e segura nela enquanto recupera o fôlego. Um beijo com língua á mistura e ela está de novo virada contra a parede. Ele encosta sua tesão no seu rabo e geme-lhe ao ouvido: “Espero que estejas preparada. Vou-te foder aqui mesmo.” Sem dar tempo para uma resposta enterra seu pénis duro dentro dela. Um gemido alto, seguido de uma respiração acelerada… Devagar sai de dentro e volta a entrar todo. Começando devagar e tornando suas investidas sempre mais rápidas, agarra o cabelo ondulado que lhe cai sobre as costas e puxa sua cabeça para trás. As investidas são cada vez mais rápidas e ela geme de prazer. Querendo sempre mais começa a girar as ancas. Ele sente o corpo a volta do seu pénis a estremecer e sabe que seu orgasmo chegou. “Grita meu amor. Sente o meu desejo.” e também ele geme com o prazer proporcionado. Os dois deixam-se cair contra a parede tentando acalmar suas respirações. Saindo de dentro dela, ela solta um gemido. “Estás bem?” pergunta enquanto passa seu polegar pela sua face. Ela anua e sorri.

“Vem” diz enquanto pega na sua mão e a conduz para o quarto de banho. Abre a água, tira a roupa e entra para o duche. Ela faz o mesmo e segue-o. A água esta quente mas ela aguenta o calor que sente na pele. Encostando seu corpo nele sente sua tesão crescendo novamente. Ela olha primeiro para o pénis que acabou de sair de dentro dela e depois para os seus olhos que brilham de desejo. “Sim, eu vou-te foder aqui mesmo também! Vira-te de costas para mim e inclina-te para a frente”, diz enquanto massaja seu pénis. Ela sem dizer nada faz o que lhe mandam e sente a água quente a cair-lhe pelas costas abaixo. Seu pénis endurece ainda mais com a vista que lhe é proporcionada e rapidamente investe com força segurando-a pela cinta. Investidas rápidas e fortes que lhe proporcionam mais um orgasmo. Recuperando o fôlego ele sai de dentro dela. Tendo em conta que ele ainda cintila de desejo, ela ajoelha-se a sua frente e envolve todo o seu pénis com sua boca. Com movimentos acertados ela vai-lhe proporcionando prazer intenso… O liquido desconhecido e quente invade-lhe a boca, ela engole e chupa até não restar uma gota. “Humm, que bom” diz enquanto se lambuza com os restos. Sendo já tarde ele lava-lhe o corpo, massajando suas partes favoritas com um gel de banho de aroma floral. Após o banho tomado, ele seca-lhe o corpo com a tolha e diz “Linda menina. Adorei foder-te, mas agora vamos dormir que amanhã precisamos de nos levantar cedo.” Ela exausta rapidamente adormece.

De manhã ela acorda com imensa tesão e apercebe-se que está molhada por estar a ser chupada. Sem tardar muito é envolvida por um orgasmo intenso. “Quero-te foder uma última vez antes de irmos embora.” diz-lhe antes de se enterrar dentro dela. Com movimentos fortes os dois atingem um orgasmo profundo… Após um saboroso pequeno almoço e se ter despedido do mar, seguem estrada fora em direção a casa. À porta da sua casa ele despede-se com um beijo e segue caminho. Já ela apercebe-se que se apaixonou por aquele homem e fica desejosa de um próximo encontro. Porém ela desilude-se quando ele não mostra ter tempo para estar novamente com ela. O desejo é imenso tanto ou mais que o caminho que os separa mas o tempo vai passando…

… E quando todo seu cheiro e toda a vontade, saudade e amor desapareceu – pensava ela ter desaparecido – é quando ele aparece novamente e vira seu mundo do avesso mais uma vez.

FIM – ou não?

Peregrinus #69Letras