Arquivo de etiquetas: vidas banais

A vida é tão grandiosa!

Debitamos sexo por todos os poros, é a nossa essência, falamos de amor como quem muda de roupa, como amar durante o sexo. Prazeres mundanos e pequenos, segundos de paixão e tesão por horas de agonia, o homem ou melhor avaliam-se pelas derrotas vencidas ao longo da vida, é não pelos prazeres mundanos dessa forma obtidos.

Não existe simplicidade, não existem palavras que nos consigam levantar a moral quando o mundo desaparece debaixo dos pés. Não existe sexo que cure o mal, não existe amor tão forte assim que nos alivie aquela dor que nos mata, que nos sufoca alma, que nos aperta o coração e nos leva a pensar:
 
“Que merda andamos aqui a fazer?”
Desabafa que desabafar faz bem, mas num mundo onde as amizades são efémeras, afinal os homens têm amigas…
Para as comer, ou então para irem comprar lingerie com elas, pese embora alguns desses homens gostem tanto de homens como elas. Uma partilha saudável desde que não existe amor, esse sentimento afoito capaz de grandes asneiras, mas ainda assim, não são essas amizades que nos fazem sair da penumbra, a vida.
A vida é tão grandiosa.

Por vezes vivemos dando tudo por garantido, e quando assim o é, as chapadas caem do céu a velocidades diabólicas, quando se dá tudo por garantido, eis… que chega a chapada de luva branca, dada com tal violência que o mundo parece que acaba. E, aqui começa a prova de resistência, da luta para se manter de pé mais um dia, de resistir mais um dia, de mentalizar por dentro que somos o que somos e a ninguém o temos a provar, excepto talvez há luva branca…

Agora, quero todo o sexo do mundo, o meu mundo é vil, tarado e eu adoro que assim o seja, quero “meter ela de quatro e possui-la à bruta”, quero esse prazer vil, mundano, e por fim, quero aquela réstia de prazer, aqueles segundos mundanos em que se tem o orgasmo, simples, banal…
A vida pode ser tão fácil de ser vivida… Excepto…
Quando não a vivemos…
©NMauFeitio #69Letras