Sento-me em ti. Encaixe perfeito.

Espreito-te pela ombreira da porta. Tu olhas-me. São eternos aqueles segundos em que nada dizemos. Sabes o que quero e porque estou ali. Desligas o telefone, afastas a cadeira da secretária, mantens-te sentado. É a minha deixa. Entro deixo a porta fechada, peça por peça espalho as roupas pelo chão do escritório e enquanto caminho…