Arquivo de etiquetas: sociedade

A liberdade de um número

Nem todos são dados à bela matemática, assim como são poucos os que morrem de amores pelos números mas hoje espero sinceramente mudar a vossa opinião para com um número em particular. 

Que poder tem o número 69?

Número de dois dígitos, precede e antecede a outros números. Até aqui nada de especial.

Mas o caso muda de figura quando as pessoas se deparam com o tal número no seu quotidiano. Têm as reacções mais diversas. 

Umas coram, outras ficam à toa, a umas desperta prazer, a outras curiosidade e a outros causa um mau estar terrível capaz de voltar costas e ignorar. 

Ainda muitos associam a pornografia descarada e cheia de promiscuidade. Outros vão até mais longe, “que nojice pegada, vais apanhar alguma doença.” 

Triste não é?

Minha querida sociedade portuguesa cheia de mitos e ditos, ACORDEM! 

É um número! Não vos vai conspurcar a alma! A não ser que assim o desejem, se for esse o caso nem precisam do número tão pouco. 

69, TEM O SIGNIFICADO QUE CADA UM DE NÓS INDIVIDUALMENTE LHE DER! 

69, é um número livre! Isento de opiniões feitas! 69,tem liberdade no seu todo! 

69, não tem cor nem religião mas no entanto é colorido e não desvia ninguém do seu caminho religioso! 

69 para nós autores é liberdade de expressão, extensão do nosso imaginário, complementar ao nosso ser. 

Nas 69letras nos libertamos sobre os mais diversos temas e estilos de escrita. Sonhamos em voz alta, atiramos à cara da sociedade as verdades desconfortáveis. Somos NÓS. Somos parte de vocês, sociedade ousada em crescer e tornar-se mais aberta. 

69letras é o nosso refúgio da hipocrisia de um mundo que se rege por contos do tempo da Maria carqueja.

Fica o meu conselho, a próxima vez que vir este número, esteja atenta/o. LEIA COM ATENÇÃO!  Nas nossas 69letras também se aprende, se ajuda, se apoia. TRATE COM CUIDADO. FRÁGIL. Lidamos com vidas humanas, sentimentos pessoais, experiências de vida testemunhadas na primeira pessoa para ajudar outros. 

©Miss Steel 69letras 2017 


Obtém 10% de desconto em todas as tuas encomendas! 69 novas formas de prazer!

Regista-te em www.aubaci/69letras

Sê nua ao olhos de quem não é cego

Humanidade pobre, tanto tempo à procura da felicidade em futilidades,
Quando tens um corpo quente e uma alma carinhosa em casa.
Casa?
É onde deixaste um sonho, um desabafo, um choro.
Onde todos os dias depositas um pouco de ti.
A entrega dura e crua numa realidade simplista, vivida da melhor forma.
Não precisas de aceitação de alheios,
Procura o amor…
Dispensa sacos cheios
Sê nua ao olhos de quem não é cego,
Ilumina o caminho de quem na realidade vê,
Esse animal selvagem que vive em ti.
Entrega-te como és, sem medos de represálias de uma sociedade que vive de falsas aparências.
© Krishna 2017 #69Letras

Mulher e sua sexualidade

No século em que vivemos, já não deveria de haver preconceitos por parte das mulheres sobre a sua vida sexual e a forma como expressam.
Mas infelizmente, ainda existem muitas mulheres que tem dificuldade de se expressar e revelar os seus problemas sexuais, o que acaba por prejudicar as suas relações.
Pois uma relação não se vive só de amor e paixão, tem de haver sexo, comunicação, cumplicidade e parceria.
Posso afirmar que, em todas as situações que irei enumerar mais à frente, tem tudo haver com o ambiente familiar em que foram criadas, a educação que lhes foi incutida e por último os rótulos da sociedade.
Existem vários tipos mulheres e a sua forma de agir sexualmente, irei enumerar alguns, os mais comuns, embora existam muito mais.
Mulheres Frívolas Mulheres que para elas sexo e intimidade nada lhes diz. Não é algo que achem necessário numa relação. Tem sentimentos como qualquer uma, mas de forma peculiar. Para muitas de nos pode parecer sarcasmo, frieza.
Mulheres cépticas é o género de mulher que foi criada segundo os padrões da religião, e ter relações sexuais é só para procriação. Não são dadas a fantasias, mas não quer dizer que não as tenham. Só que ficam relutantes de exprimirem o que querem ao companheiro. Não alteram a rotina, tem hora e dia para o fazer. 
Mulheres carentes São mulheres que necessitam de carinho, ternura para se poderem sentir desejadas. Um gesto afectuoso pode ser o despertar dos sentidos delas. A rampa de lançamento para o acto do amor, em si. Estão disponíveis para qualquer fantasia dentro da normalidade. Impõe limites.
Mulheres emancipadas é o tipo de mulher casada, bem sucedida na vida. Casada com alguém bem mais velho que ela, que lhe dá a estabilidade e status. Mas ao mesmo tempo tem um amante para as suas escapadinhas exóticas ou profissionais. Para estas mulheres este tipo de sexualidade, intimidade é normalíssimo.
Actualmente, algumas coisas alteraram e este género de mulheres só se encontra na alta sociedade, porque na classe média as mulheres são solteiras, divorciadas ou viúvas e tendem a não querer ter relações fixas. Escolhem-nos por uma noite, ou semana e depois descartam-nos.
Mulheres Ninfomaníacas São mulheres que não conseguem controlar o seu apetite sexual e não se contentam com um só acto. Com uma imaginação muito fértil para fantasias
É considerado um vicio sexual compulsivo.
Nestes casos as mulheres tendem a ter vários actos sexuais até atingirem o orgasmo. Poderão fazê-lo só com um parceiro ou com vários, mas infelizmente nunca se sentirá satisfeita.
Este vicio por vezes prejudica a vida afectiva, mas actualmente existe tratamento para este caso especifico.
Sei que muitas se irão identificar, mas também muitas irão negar. Também sei que algumas irão dizer que os homens são iguais.
Sim, são. Mas não em todos os aspectos.
Como mulher, digo-vos, reflictam sobre os vossos actos, sobre a vossa postura perante os vossos companheiros. Tentem se colocar na outra posição.
 Se ainda não estiver perdido, reergam as vossas relações, deixem as vossas fantasias que só existem em pensamento, vir à tona.
Sejam altruístas.
Sejam felizes de novo.
©Lola 2017 #69Letras

Lições do Bastardo

Que me importa
Que me importa que sejas alta, baixa ou o meu tamanho ideal?
Que  tenhas cabelos longos,curtos, os médios?
Que  me interessa a sua cor?
Que  me importa se tens o peito pequeno, grande, demasiado grande ou idealmente que encha a mão na perfeição?
Que  sejas magra, gorda ou normal ou atlética?
Que  me importa a côr da tua pele?
Se és linda ou não, ou simplesmente não te sentes bonita.
Porque para mim todas as mulheres são belas, todas têm algo de maravilhoso?
O que realmente me importa é o teu olhar, independente da cor.
Quero que me seduza, que me mostres a tua alma,
Nem que sejas tímida, têm que ter brilho, fome, que a tua pele seja quente, suave, macia
e que estremeças e te arrepies quando te toco,
O que me importa, é que o teu beijo seja de entrega total, inteiro, esfomeado.
O que quero, é que os teus mamilos independentemente do tamanho endureçam ao meu toque,
se retesem na minha boca e no massajar da minha língua,
O que realmente me importa, é o teu gemer e respiração ofegante enquanto percorro o teu corpo,
O que me importa, é sentir-te húmida nas minhas mãos quando te acaricio o sexo,
sentir-te pronta a provar toda a tesão e ereção descontrolada que em mim criaste,
O que me importa, é que te venhas no meu membro enquanto te penetro em velocidades e profundidades escolhidas por ti,
pela reacção do teu corpo ao meu, da tua alma e a minha unidas por momentos.
O que realmente me importa, é que não me esqueças, podes não lembrar o meu nome, com o tempo a minha cara desvanece-se,
mas o que importa, é que não vais esquecer o que o teu corpo sentiu, a liberdade que provou.
 Naquele momento tudo o que tiveste foi porque o desejaste,
O que me importa, é que até pode não ser o meu corpo que vais usar novamente, mas vais procurar sempre aquele clímax,
porque tudo o que é inesquecível queremos que seja repetido.
Se só por si te inspirei confiança para acreditar, que  o maior amor começa no amor próprio,
que a beleza essencial é aquela que pulsa por dentro, a exterior é, e será sempre efémera,
que o desejo e o prazer começa em ti, na capacidade de ceder às vontades.
E, no fundo é só isso que importa.
Bastardo #69Letras

Nossa vida poderia dar um livro..

A nossa vida poderia dar um livro.
Poderíamos floreá-la com beleza e perfeição
Mas seria a realidade?
Haverá vidas perfeitas?
Não! Há vidas remediadas.
Vidas com muito sofrimento e luta ou vidas fáceis, em que as coisas lhes caem
no colo, num piscar de olhos, ou então aquelas vidas que roubam aos outros,
com atitudes sádicas, mesquinhas, ignóbeis.

Em qual delas poderemos dizer que vivemos de cabeça erguida, de consciência limpa.
Em qual podemos afirmar que fomos e continuamos a ser altruístas.
E mesmo assim, a vida apresenta-nos buracos no nosso coração, pedras no nosso caminho.
E, o nosso olhar dividido entre a tristeza e alegria.

Mas não podemos deixar de ser quem somos.
Reais, convictos do que queremos e fieis a nós próprios.

LOLA ‪#‎69Letras‬

Expressa-te

Nunca fui de seguir regras!

Não dou a mínima importância ao que a sociedade impõe e muito pouco me importa a linha do decoro e bons costumes.

Eu quero viver! Perceberam? VIVER!

E se isso significa rir no meio da rua sem razão nenhuma aparente, que seja! Se me apetecer andar de tótós no cabelo e meias até ao joelho, qual é o problema? E se me apetecer tatuar o meu rosto com uma caveira, quem tem alguma coisa a dizer? NINGUÉM!

Quero dançar até não ter mais forças para tal! Quero rir-me às gargalhadas até perder o fôlego! Quero amar e sentir-me amada até que o meu corpo permita! Quero ser EU! Sem que nenhum EU me olhe de lado critique.

Descarreguem as vossas próprias frustrações , tristezas e inseguranças numa pista de dança e não na minha felicidade e alegria! Não passamos de seres humanos afinal de contas!

Dedicado à grande mulher de 68 anos que me convidou para ir com ela, confessar os meus pecados à igreja após me apanhar a dançar na rua com uma colega de trabalho. Deus a abençoe!

© Miss Steel 69Letras 2017 

 

Mulheres… e porque está a chegar a época da “dieta”;

b9d585bce5cb658ec6dffee0c2f93404

Fotografia: Via Pinterest

_as Mulheres, e de uma vez por todas, devem assumir-se inteiramente como são, porque o são, perfeitas em todas as suas assimetrias, porque são únicas, porque são o útero do mundo humano, porque são o portal de ligação ao divino entre tantas outras coisas…
Amar e assumir o seu próprio corpo, é um acto revolucionário, um acto politico, num mundo “másculo”, numa sociedade toda ela “masculina”.
A sociedade desde há milénios procura tornar quase invisível a Mulher, que, segundo essa mesma sociedade, deve ser o mais pequena possível, porque uma mulher “magra” com medidas pequenas, ocupa o menor espaço e consequentemente terá menor visibilidade.
Uma mulher grande (gorda) é uma afronta física e mental para a sociedade, que pretende que a mulher ocupe o menor espaço possível.
Todas as mulheres são divinas, maravilhosas, todas, sem exceção e não deveriam permitir que a industria as monopolize de forma cruel e desumana.
Uma mulher que ame inteiramente o seu próprio corpo, é uma mulher livre, é uma mulher insubmissa à sociedade, porque uma mulher inteiramente em conexão com o seu próprio corpo detém um poder incrível, a liberdade, e isso, afronta todos os impérios do “homem”, a sociedade teme todas as mulheres livres, em especial as que prescindem dela enquanto autoridade…

teria muito mais para dizer,

Luísa Demétrio Raposo

 

Estamos no facebook… segue-nos…!