Arquivo de etiquetas: sexo

Sessão de Cinema

TEXTO ERÓTICO| M18A  󾬥 󾬥  󾬥 󾬥  󾬥 󾬥
Ultima sessão, apeteceu-me ir ao cinema sozinha.
Ultima fila para poder ter a perspectiva toda da sala.
Meia dúzia de pessoas para ir ver um filme erótico-romântico.
As luzes diminuíram… e senti um casal sentar-se ao meu lado.
Pensei..,- Fogo queria estar só!!
O filme começou.

Continuar a lerSessão de Cinema

Aniversário II

Aniversário II

A loucura que foi deixar-me ficar aqueles segundos em que ela por lá ficou…
Sugando um pouco mais…
Suavemente…
Como que me deixando aninhar na sua boca…
E continuou acariciando… Continuar a lerAniversário II

O(s) meu(s) Orgasmo(s)

Texto explícito | M18 

Pediram-me uma visão do orgasmo, do meu orgasmo… Não consigo. Não consigo descrever uma sensação, um sentimento, um tipo único… Todos os orgasmos são diferentes…

Continuar a lerO(s) meu(s) Orgasmo(s)

Eis a questão…

TEXTO M|18Anos

 

F@der é amar? …

Eis a questão!…

Com certeza amar é f@der… simples assim quem ama f@de…

Mas quem f@de pode perfeitamente não amar…

ou será que o facto de partilhar corpos significa de alguma forma que se ama aquela pessoa?

Até que pode ser perfeitamente aceitável, se colocarmos o amor no seu devido lugar, ora vejamos, se dissermos que amar é tudo menos prejudicar ou magoar alguém.

Então f@der é amar!

Para mim só faz sentido desta forma… sendo verdadeiro… e intenso!

Pouco me importa as tuas intenções… se vibro contigo é porque de alguma forma estamos na mesma “frequência”… podendo ou não, estar sincronizada correctamente.

Eu decido com quem f@der… e se eu te escolho a ti é porque te amo!

©Musa 2017 #69Letras

 

Quando os meus olhos se fecham….

Quando a noite cai e os meus olhos se fecham, vejo-te a correr livremente pelo meu pensamento, de cabelo solto ao vento, feliz como as chitas de Shamwari.
Vagueias em mim de pés descalços, de seios despidos, de sorriso rasgado e com o sol a clarear esse teu corpo de menina feito mulher.
Teimas em chapinar nas poças das minhas ilusões, baralhas-me a razão e excitas-me com o teu perfume de flores silvestres e águas bravas de Niagara.
Sinto-me teu, tão teu, que chego a tocar o teu corpo imaginado, a beber dos teus seios, a morder a tua vulva selvagem.
Perco-me nos teus cabelos. Agarro-os com força, quase tanta quanta a força que abuso do teu quadril.
Beijo-te o ventre, deslizo a minha língua descontrolada pelo teu corpo, acaricio-te o rosto, sorris, para por fim beber do mel que jorra de ti.
Sou teu, sabias?
#PSassetti 26.06.2017
#69Letras

Rendição de Lilith, parte 2

M18/Texto erótico 

A ponta da língua que brinca com os meus mamilos, vergastadas de um flogger no meu estômago ao de leve, um Strap entalado em mim que se manifesta inesperadamente em estocadas cada vez mais profundas e rápidas e um pénis enfiado na minha boca sôfrega e desesperada. Uma autêntica orgia nos meus 5 sentidos!

Continuar a lerRendição de Lilith, parte 2

Eu, tu e uma dúzia de gaivotas…

Deslizo os meus dedos macios pela tua pele eriçada, como que numa dança de cereais maduros nos longos campos livres da Califórnia do Sul, à mercê do vento e com sabor a maresia. Aprecio o teu tremor.  Demoro-me.
Dedilho calmamente o teu dorso como numa valsa de Viena, sem pressas, e empenho-me na descoberta incessante do estimulo dos teus sentidos.
Perco-me livremente pelos teus sinais, deixo-me conduzir por eles, percorro-te sem destino.
Provo dos teus lábios molhados de sal em beijos demorados com sabor a pecado e a ternura, enquanto que afago o teu cabelo contra o meu peito.
Ao longe, o sol demora a esconder-se. A praia está deserta, estamos apenas nós a contemplar o momento, abraçados, longe de tudo, com o coração cheio de emoção e mais uma dúzia de gaivotas.
Os nossos corpos abraçam-se, entrelaçam-se, fundem-se. Penetro-te, sinto-me a deslizar calmamente pela tua vulva que me chama. Contorces-te. Aconchego-te. Percorro o teu pescoço sem pressas com o meu arfar quente, já agitado. Suspiras, soltas um gemido mais forte, afugentas as gaivotas. Despertas em mim o meu lado secreto, adormecido. Sinto-me empolgado. Sinto-me teu, neste fim de tarde, onde abraçados a ver o pôrdo sol, quiseste ser minha.