Desistir de sentir

Ela não sentia. Apesar das marcas evidentes no rosto e do rasto de sangue que seu corpo involuntáriamente denuncia. Anestesiada e sem fôlego. Encolhida num canto de um quarto qualquer. Onde o espaço lhe é[…]

Continue reading …

Beija-me

Beija-me Como se o amanhã Não fosse chegar E hoje fosse o derradeiro dia Para me amar.

Continue reading …

Perfume…

Hoje não sou eu… Também tenho os meus momentos de insanidade controlada que me descontrola.

Continue reading …

Quando os meus olhos se fecham….

Quando a noite cai e os meus olhos se fecham, vejo-te a correr livremente pelo meu pensamento, de cabelo solto ao vento, feliz como as chitas de Shamwari. Vagueias em mim de pés descalços, de[…]

Continue reading …

Eu, tu e uma dúzia de gaivotas…

Deslizo os meus dedos macios pela tua pele eriçada, como que numa dança de cereais maduros nos longos campos livres da Califórnia do Sul, à mercê do vento e com sabor a maresia. Aprecio o teu tremor.  Demoro-me. Dedilho calmamente o teu[…]

Continue reading …

Era um beijo teu…

Aquele toque no meu ombro …. Era um beijo teu … tão bom de sentir…

Continue reading …

Como nunca

Mostra-me o que nunca vi. Olha-me como nunca me olhaste. Escreve-me a carta que nunca li. Beija-me como nunca me beijaste. Sorri como eu sorrio para ti. Toca-me como nunca me tocaste. Sente-me como nunca[…]

Continue reading …