Arquivo de etiquetas: sentidos

Depois do Adeus

Depois do adeus…
Fica o vazio, a tortura,
O que ficou por dizer…
Ou o que foi dito em momentos de raiva
Dos quais não há volta a dar.
Partiu-se tudo em cacos,
Olhas mas não sabes por que ponta pegar
Dás um passo atrás na esperança de voltar
Atrás..
Mas o passado não volta, não se redime.
Vives um presente distorcido, tudo à tua volta parece desmoronar-se.
Perdeste o norte e o sul do teu caminho.
A estrela que te iluminava perdeu o brilho,
E ficas cega e não vês tantas outras que brilham
e que te podem redireccionar de novo.
Acorda!! Reage!
Esse amor, essa dor não é a primeira, nem vai ser a última.
Luta!
Vai de novo à busca do que te faz feliz,
Conquista de novo esse buraco no teu peito.
Respira!
Não deixes os teus sentidos morrerem,
Deixa-os despertos, atentos às novas conquistas.
Se o passado regressar, e te magoar de novo, 
Joga-o a um canto.
Diz-lhe que o tempo dele é passado e que queres viver um presente radioso, sem mágoas
©Lola 2017 #69Letras

A minha SOLIDÃO tão minha

Hoje para variar um pouco vou-vos abrir a minha alma, parte dela pelo menos.
Aqui há pouco tempo, alguém que nos segue na página e conhece a minha verdadeira identidade, pessoa que muito estimo questionou-me se não me sentia Só.
Quem me lê com alguma regularidade deve-me achar um tarado ou pervertido, quem me conhece intimamente sabe que apesar de florear algumas situações e, nunca mencionar nomes todas elas são biográficas e realmente aconteceram em algum momento da minha vida.
Posto isto passo a responder à questão.
A solidão para mim é uma escolha felizmente, não o resultado de algo nefasto ou cruel, como é óbvio.
Não nasci Bastardo.
Desde muito cedo que me sinto um homem de paixões, ou era tudo ou nada, entreguei-me sem restrições nem limites a todos os amores que tive fosse de forma inocente ou deliberada, tentava aprender com os erros anteriores e fazer melhor.
Todos nós sabemos que acabamos involuntariamente por cair nas mesmas armadilhas, nas repetições mais ou menos dissimuladas mas com igual resultado. Mágoa, dor, isolamento, incompreensão, perda de confiança.
Depois do meu último divórcio resultado da minha incontrolável libido e excesso de traições coloquei um basta. Fiz celibato durante perto de um ano e, resolvi renascer para mim próprio, Comecei por isolar o meu coração da mágoa, não falo em erguer muros e paredes que mais cedo ou tarde vão fracturar e cair. Refiro-me exclusivamente à parte dolorosa, alimento o meu coração com as amizades verdadeiras que me têm nutrido o espírito. Com novas amizades como as que descobri neste grupo, que me recebeu de braços abertos a mim e à minha mente devassa.
Alimento-me dos seres magníficos com os quais vou cruzando ao longo do dia a dia e que me mostram, que a humanidade não está totalmente perdida, perguntam-me.
E as mulheres?
As mulheres para mim são algo de maravilhoso, único, amo cada uma intensamente, a minha intenção é, e será sempre o seu prazer e dedico-me com todo o meu ser a esse objectivo, seja uma loura de manhã e uma ruiva ou morena há tarde ou à noite.
E…, não! Não é qualquer uma!
Essa fase passou-me logo aos vinte anos, agora no presente, têm que ter algo que me atice. Seja o olhar ou o sorriso, o cheiro ou o som da sua voz, a malícia ou provocação dos seus trejeitos.
Em dias de sorte tudo isto combinado com o órgão mais sexy que conheço e penso, que as meninas concordaram comigo.
O cérebro.
Vibro com a inteligência, excita-me a incrível capacidade que elas têm de dialogar quase sem falar, a forma delicada do olhar e a expressão corporal que quase inconscientemente me seduz.
É divinal!, Na verdade nem sozinho me sinto só, em casa tenho imensos diálogos unilaterais.
A minha loira de 4 patas ora concorda com os meus desabafos lambendo-me a cara efusivamente ora, discorda e dá-me pequenas marradinhas no toutiço, enquanto observo a imensidão da lua ou plenitude do oceano e absorvo deles a sua energia e paz.
Na verdade, sou uma mente plena de sentidos como todos nós mas no meu caso, meu corpo é uma prostituta de Elite que se dá, não por dinheiro mas algo muito mais valioso.
O prazer de dar prazer.
Grato por me aturarem.
©Bastardo 2017 #69Letras

Respiro-te…

Respiro o teu silêncio, encanto-me com a tua voz, num desejo que se tornou atroz, de sentir na ponta dos dedos, os lábios que revelam segredos, a pele que com a minha comunica e o desejo que se intensifica.

Respiro cada momento, simples mas cheio de sentimento, cada palavra que escreves, não dizes pois não te atreves, mas leio-as nas entrelinhas, tão tuas mas no fundo muito minhas, neste meu querer tão sentido, onde nada é falso ou fingido.

Respiro a cor do teu olhar, o perfume do teu tocar, as palavras cheias de magia, que parecem feitiçaria, me envolvem e me encantam, e amiúde me espantam, num casamento perfeito, entre corpo, Alma e esse teu jeito, que me seduz e cativa, prende mas liberta e de nada me priva.

Respiro o tamanho do espaço, que um dia foi de cansaço, entre os teu lábios e os meus, que mesmo longe se tornaram teus, hoje voltaram ter vida, lentamente sarou uma ferida, com esta forma de te respirar, sem a qual não faria sentido amar.

© Miss Kitty 2017 #69Letras

Texto Erótico | M18 ?????

A mesa de jantar estava na varanda, ao pé da janela. Eu, encostada ao parapeito, as minhas costas para ti. Sempre gostaste das minhas costas, suponho que tenha sido então a primeira vez que reparavas nelas. Os teus dentes chegaram de rompante e cravaram-se no meu pescoço como se já me estivessem a sentir o gosto mesmo antes de me tocar. As tuas mãos assaltaram o meu corpo e não deram espaço para permitir menos do que a minha entrega.

Eu derreti, como gelado no verão. E tu sentiste. E foi isso que tu mais gostaste.

Continuar a ler

Listas

Da carne…

Que ferve, que espera, que nunca se satisfaz. Queima no toque certo, convida e se duvida, mostra-se, suplica.

Dos desejos…

Presentes, latentes, intrínsecos à carne e também à alma, dos que se conhecem, dos que se querem conhecer, infinitos Continuar a lerListas

Cinco sentidos…

Oiço serenatas intermináveis, de notas memoráveis, que ecoam no meu ser, de prazeres indomáveis, altamente condenáveis, que me encantam os ouvidos, e tantos outros sentidos, com suave melodia, que alimenta corpo e alma, me embala e arrepia, e quem sabe talvez por magia, me possa devolver a almejada calma.

Tudo que ouso pensar, não consigo esconder no olhar, límpido e transparente, por vezes sombrio e descrente, de azul da cor do céu, ou cinzento e tão ausente, que revela tudo o que sinto, vê o mundo como o pinto, com cores inexistentes, que ao arco-íris fazem inveja, e tantos desejos prementes, pois com o olhar eu não minto.

Exalo cheiro a coco e jasmim, em constante Primavera florida, que me cobre desse inebriante aroma, enfeitiça até os Deuses de Roma, e o cheiro do desejo, doce e suave como um beijo, que corta a respiração, embriaga todos os sentidos, aflora desejos reprimidos e é pecado sem absolvição.

Tenho gosto suave doce e salgado, de mar no meu corpo amarado, que toda a minha intimidade inunda, transborda e preenche recantos, de néctar dos Deuses e encantos, mistérios por desvendar, doce mel que faz suspirar, adoçando todo este meu mar, que de sentidos me faz despertar.

O meu toque é de seda mais fina e pura, cada poro é fio que se entrelaça, numa pele que ao toque se deslaça, sucumbe a sensações e à ternura, dado com carinho e com candura, numa inocência que se desgraça, de botão de flor ainda por abrir, que espera o tempo certo de florir, a cada centímetro que o toque na pele passa.

 

Miss Kitty #69Letras

OLHOS VENDADOS!

13237643_1697816233797440_1501549144220513706_n

Hoje vou vendar-te os olhos, não quero saber se chamas o meu nome ou se pensas noutro,
deixei de me importar com os factos.
Hoje só te quero possuir, entrar em ti e fazer-te vir, levar-te à loucura,
mesmo que não seja eu no teu pensamento.
Quero-te encostar na parede e deixar-te sem fuga possível,
arrepiar-te o corpo, humedecer-te por dentro, fazer parte de ti.
Quero ver os teus joelhos fraquejarem a cada investida minha,
e enquanto tu imaginas de olhos vendados, nem sabes como gosto de ver parte de mim dentro de ti, a desaparecer.
Adoro ver-te a cravar as unhas no lençol, adoro ver-te morder a almofada tentando sufocar o grito do prazer…
Deixo-te louca e eu fico louco e é somente um jogo, sem vencedores ou vencidos,
apenas os nossos odores, onde praticámos nossos vícios.
Viciei-me em ti e no teu corpo que me liberta o prazer, ao mesmo tempo que o teu corpo suado Liberta espasmos e gemidos.
Exausta, quase perdes os sentidos…
Tiro-te a venda, olho-te nos olhos e digo-te:
“Não sei com quem fodeste mas sei que fodi contigo”…
Olhaste-me e sorriste…
“Não importa o teu nome ou quem és, só quero repetir tudo outra vez”…

Poeta Solitário