Arquivo de etiquetas: roupas

É o que me resta de ti.

É quando a noite chega que esta vontade de gritar ao mundo que te amo, mais me consome.
O tempo vai passando mas em nada muda este encanto absurdo que tenho por ti.


Chego a pensar que isto é loucura pura.

Vai-me lá vendo isto, tenho um coração masoquista…


Onde andas tu minha rainha? Porque não é contigo que estou a partilhar a que um dia foi a nossa cama? Há muito que os meus lençóis perderam o teu cheiro e nem por isso eu o esqueci.
Por vezes sonho contigo ao meu lado mas quando acordo volto ao pesadelo que é a minha realidade sem ti.
Não sei se já te disse mas ainda guardo as tuas roupas, como se da minha maior riqueza se tratasse.
E no fundo é… É o que me resta de ti.
As tuas roupas, o teu cheiro, as nossas recordações e este amor que na minha alma se ancorou.
Tenho saudades das noites que passei acordado a ver-te dormir, tenho saudades de adormecer e acordar ao teu lado.
Tenho saudades de te dizer a toda a hora que te amo, tenho saudades de me apaixonar todos os dias, tenho saudades da nossa loucura.


Tenho saudades da minha Mulher! Tantas…!

SilentSoul #69Letras

Camisa

13177949_1695569687355428_4593070396632507168_n

Como ficarás tu…
Em camisa de dormir…
Quantos botões preciso desapertar…
Para te conseguir despir…
E debaixo dessa camisa…
Trazes mais algo vestido…
Esta dúvida que tenho…
Já se tornou castigo…
E se eu te tocasse…
Por debaixo dessa camisa…
Procurando o calor…
Que o meu corpo precisa…
E aos poucos nossas roupas…
Espalhadas pelo chão…
Nossos corpos encostados…
Sedentos de Paixão…
Arrepio-te a pele com o meu toque…
Nossas bocas, sôfregas uma da outra…
Amo-te em cima da cama…
E no chão… A nossa roupa…
E fundimos nossos corpos um no outro…
Olhas-me… Chamas-me louco…
Mas a minha loucura és só tu…
E esse teu corpo… Agora nu…

Poeta Solitário

Shiuuuuuuu, não digas nada.

 

Lancei-lhe um olá, foi tudo o que consegui dizer, mas tenho a certeza que o meu olhar lhe contou o quanto ainda a quero.
Como é que ela faz? Os anos passam, mas ela continua com aquele olhar inocente, e mesmo sabendo que não é, continua a deixar-me louco.

Como é que é possível?
Veste-se de inocência, sorri e cora com timidez, foge com o olhar quando se sente invadida, brinca com os cabelos quando a mente vagueia em sonhos e quando as roupas desaparecem da pele, veste-se de Afrodite, sorri de satisfação quando sobe para o teu colo, cora de desejo, devora-te não só com o corpo mas também com o olhar, segura nos cabelos e entrega-tos para que a tomes.
Menina que se esconde entre roupas, mulher que se revela quando se despe.
Já faz algum tempo que não te via, e durante todo este tempo é a ti que sempre quis e quero.

Eu sei que mexo contigo, e desta vez não vais fugir com desculpas, se abrires a boca é para te calar com beijos, e garanto-te, desta vez vais pegar fogo,

cede,
cai nos meus braços,
deixa-me desvendar a tua respiração,
decorar o teu cheiro,
deixa-te aquecer no meu abraço,
Shiuuuuuuu, não digas nada.

Sente, sente como os nossos corpos quando se unem giram como um furacão.

Nunca me senti assim, apenas tu, menina mulher fizeste o meu coração agitar, descompassar, podes tu agora, ceder ao invés de fugir e dares oportunidade ao amor?

 

© ?Cátia Teixeira, Vizinha 69 Letras 2015

Despi-me para ti.

11202620_943920595662868_59036442099581415_n.jpg

Fotografia: Soft Focus Productions

Despi-me pela primeira vez.

Despi-me para ti.
Não falo de roupas e acessórios. Falo-te de muros armaduras cadeados e fechaduras!
É…. um dia tinha de ser.
Como me sinto?
Na corda bamba. Como uma folha desajeitada que balança ao sopro do vento prestes a cair.
Despi-me para ti. Pela primeira vez.
A ti me lanço sem saber se me segurarás.
A ti me abro e te deixo ler tudo o que dentro de mim escrito está.
Peguei em mim e a ti me dei como presente
E desse momento em diante
Nada me garante
Que a minha nudez para ti seja importante!

 

A Vizinha

Por uma noite.

Texto escrito para a minha paixão platonica. Jared Leto.

786286555123640830718253bbca0718.jpg

Fotografia: Jared Leto

Se te tivesse por uma noite, nem tu nem eu abriríamos a porta ao João Pestana! Ai não!
Passaríamos a noite acordados, numa king size de um hotel qualquer, rodeados de almofadas de todos os tamanhos e cores, lençóis desfeitos, janelas abertas e uma corrente de ar a beijar as nossas peles…
Se te tivesse por uma noite, as roupas à muito que nos deixariam de cobrir. Corpos livres de pudores, silhuetas reveladas pela luz da lua que se intromete pelo quarto dentro, a segunda fonte de luz, porque a primeira será a dos nossos olhares um no outro ou simplesmente esquecidos nas paredes brancas daquele quarto de hotel.
Se te tivesse por uma noite, entrelaçaríamos as nossas peles numa confusão de posições e sobreposições, estaríamos tão envoltos que a dada altura já não saberíamos a quem pertence o quê. Um só.
Se te tivesse por uma noite, teríamos conversas sem fim, conversas de alma alimento e nutrição!
Se te tivesse por uma noite, não quereria o teu sexo como todas as mulheres te querem. Não! Pelo menos para já, não é isso que quero de ti.
Quero conversar contigo, olhar para ti, partilhar o mesmo espaço físico contigo, e sentir o teu silêncio neste cenário que apresento.
Se te tivesse por uma noite os relógios vestiriam-se de pressa e da janela daquele quarto de hotel o sol comandará o fim daquela que é a minha noite perfeita ao teu lado.
E antes que ele tome conta do céu, já eu terei saído por aquela porta, saciada pela presença do teu espírito, sorriso e olhar naquele quarto de hotel.

 

A Vizinha

descobri que tu és muito mais que prazer…

0ab38cb90c6c2432daa4b06dc01c22dd

Existe uma memória da ultima noite, que ficou suspensa no meu olhar.
Nós dois sentados, frente a frente, despidos de barreiras e no ar o cheiro do nosso amor.
Tu és mais que prazer.
Despidos de roupas, olho-te. Gosta tanto de olhar para ti!
Se tivesse poderes, tornava aquela noite eterna e passaria a infinidade daquele momento a desvendar os mistérios da tua pele junto com os segredos que o teu olhar esconde.
Cumplicidade.
Dois corpos felizes e encantados um com o outro.
Estes dois corpos, éramos nós!
Nós! Não eu, não tu, mas nós!
Coro com o teu olhar e desfaço-me no teu sorriso.
Tu és atrevido, mas a minha espontaneidade faz-te rejubilar!
Tiro-te o ar com o fogo da minha juventude e enfeitiço-te com o desejo que carrego de ti que te deixo sentir.
Fazes-me contorcer nas tuas mãos vis, e enfraqueces a minha voz com os gemidos que me provocar.
Na memória da nossa ultima noite está a lembrança do nosso olhar.
Olhar cúmplice.
Olhar que assiste ao sonho a tornar-se realidade!

Eu e tu somos vida…!

18c7f63b894ed34c1dd832f17be688a3

Nos teus braços, o mundo sou eu e tu.
Eu e tu, é outra vida.
É brilho nos olhos
Sorrisos sinceros
Faíscas na pele.
As roupas? Essas estorvam a comunicação entre as almas!
As pessoas? Distraem a nossa cumplicidade.
É no nosso quarto que a nossa pele festeja e a nossa alma descansa.
Na nossa cama, o tempo não nos ganha e amamo-nos sem.pressa.
Amamo-nos em
Conversas
Brincadeiras
Sexo
Conchinha.
Nos nossos lençóis os nossos corpos esgotam-se antes do desejo que só tende a aumentar.
Entrelaçados num nó invisível os olhos fecham-se mas o sorriso mantém-se… E dentro do meu peito, tu ganhas lugar.