Arquivo de etiquetas: repetir

Numa praia qualquer

Texto Erótico|M18

No quarto de hotel as coisas aqueceram, começou por me beijar a boca. Sugava os meu lábios, a minha língua… A boca dele preenchia a minha por completo. Estava um dia maravilhoso de praia, mas nos só queríamos acabar o que a tanto desejávamos. Ele foi deslizando com a boca para o meu pescoço e descendo para o meu peito. Puxou-me a camisola por cima da cabeça. Deslizou as suas mãos para dentro das copas do meu sutiã e endurecendo com o seu toque os meus mamilos, continuava por me beijar pelo peito fora. Senti um leve sopro e depois um sugar no mamilo direito. Aquilo me deixava louca de tesão. Tive de me deitar.

Já em cima da cama, puxou de uma vez os calções e o fato de banho. “Humm…”, dizia ele. Antes de se abocanhar entre as minhas pernas. Lambeu, sugou, soprou e penetrou-me com os dedos vezes sem conta. Já tinha perdido a conta dos meus orgasmos quando o seu telemóvel tocou. “Tenho de atender”, desculpou-se ele antes de se levantar e sair do quarto.

Ali estendida e exposta comecei por me sentir mal. Mal conhecia aquele homem, mas tinha tido mais prazer do que com qualquer outro antes. Ele entrou e disse-me que teria de ir me embora. Fiquei parva a olhar para ele. Ainda agora estava ele a lamber-me e agora mandava-me embora? Foi ai que veio a explicação chocante dele. “A minha namorada esta a chegar. Ela não te pode ver.” Em choque com o que tinha acabado de ouvir, levantei-me e vesti-me o mais rápido que pude. Estava a sair porta fora quando ele me puxou e me beijou uma ultima vez. “”Adorei e quero repetir.” Foram essas as ultimas palavras dele antes de eu sair.

Mas será que eu vou querer repetir? Ele namora… Mas eu adorei estar com ele. Bem, veremos como corem o resto das férias.

Peregrinus #69Letras

Fotógrafo: Helder Mendes Photography

Modelo: Sarah Schwarzenbach

A bailarina

Texto Erótico|M18

A música pára e eu acabo na formação que tantas vezes repeti. Estou cansada. Dancei o dia para a competição de ballet. Pego nas minhas coisas e sigo para os banheiros. A roupa cai no chão. Ligo o chuveiro… A água está bem quente. Hum, que relaxante. Os meus olhos estão fechados e estou virada contra a parede. A água escorre pelo meu corpo abaixo. Sinto uma mão envolver o meu seio direito. O que é isto? Abro os olhos e tento virar-me, mas a mão que ainda agora envolvia um seio agora me agarra e puxa contra um corpo musculado. Sinto um pénis duro contra o meu rabo… Fico cheia de desejo. Ouço um sussurrar no meu ouvido. É o meu treinador! Com uma mão envolve o bico do seio esquerdo e com a mão direita desce até a minha vulva. “Hum. Estas bem molhada. Desejo-te desde o primeiro dia que entraste na minha sala.”, diz enquanto forma círculos no meu clitóris. Com uma mão agacha o meu peito enquanto agarra com a outra a minha anca. Enquanto me afasta as pernas diz: “Segura-te nas tuas pernas e relaxa.” Sem entender bem o que está acontecendo mas com um desejo enorme faço o que me disse. Sinto a ponta do seu pénis entrar na minha cona. Hummm. Ele sai e entra novamente. Fode-me é o meu único pensamento. Agarrando me bem nas ancas sai e desta vez penetra-me com força. Ainda bem que me segura, se não tinha caído para a frente. Com movimentos rápidos começa a penetrar-me bem fundo. Hum, estou a adorar. Sinto o pulsar dentro de mim e entro em êxtase. Um orgasmo profundo envolve o meu corpo assim como o dele. Depois de recuperamos o fôlego, ele sai de dentro de mim. E puxa-me para cima. Ainda de costas para ele, sussurra-me ao ouvido: “Quero repetir, mas não vai ser hoje. Isto nunca aconteceu.” Com um beijo no pescoço larga-me e desaparece. Ligo a água novamente e pergunto-me se isto terá realmente acontecido.

Peregrinus #69Letras

 

Não era para ser assim.

32d178923624d93ea52550fc9974d7e2

Fotografia: Via Pinterest

 

Não era para ser assim.
Era para chegar e quando nos olhássemos sermos apenas a lembrança de um passado.
Era para ser um “olá tudo bem” “foi bom ver-te”, e não um abraço que nos fez tremer a alma, suar a pele, e querer que aquele reencontro se tornasse suspenso por toda a eternidade.
Não era para ser assim, porque tens outro alguém.
Mas aquele reencontro tão inocente, tão certo como dois bons amigos, se tornou no pecado que tão docemente errado nos levou a transpirar na pele um do outro.
Poderia ter sido um “ola tudo bem”, meramente carnal, mas não. O sentimento à muito deixado para trás veio reivindicar o direito de voltar a ser vivido e agora todos os dias erramos e alimentamos este nosso pecado.
E este pecado embora amargo para ela, para nós é a sobremesa que não resistimos a pedir, repetir devorar e consumar.

A Vizinha

Não vale a pena estares aí e eu aqui.

78aed081444d8410ce44f1bd845844bf

Não te iludas.
O que sentiste comigo nunca mais se vai repetir noutro corpo.
A explosão nuclear que vivemos só acontece uma vez, mas se algum dia voltares a viver algo na mesma medida, liga-me, manda-me um e-mail ou sms e cala a minha presunção.
Nós dois, no mesmo espaço, fodemos a alma antes do corpo!
Basta cruzarmos o olhar que o teu sexo aperta dentro das calças e entre as minhas pernas o clima vira tropical.
Esta paixão! Ai a nossa paixão!
Confessa que morres de saudades de soltar a fúria do teu demónio no meu corpo, sem limites, quando, onde e como querias?
Lembras-te como o nosso fogo dispensa palavras?
A nossa paixão pedia,
roupas esquecidas no chão,
pele rasgada e pintada,
mãos endiabradas,
beijos de suor e fluidos,
cheiro a sexo no ar,
gemidos abafados entre almofadas.
Não vale a pena estares aí e eu aqui.
Aí não me tens.
Aí não me vês, não me tocas e não me fodes.
Vem.