Simpatia com a Gata Borralheira

Eu não sou aquela mulher que arregaça a saia para que lhe vejam as pernas. Nunca serei a mulher que se resigna ou que se cala por medo de ser sózinha. Adoro a solidão e prefiro-a a falsos lugares para ficar. Não sou mulher de uma noite e quando chego é para ficar a vida…

Boneca

Usa-me. Faz de mim a tua boneca de trapos. Desfaz os meus sentimentos em farrapos. Manipula-me. Faz os teus jogos de sedução. Brinca com o fogo e parte-me o coração. Usa e abusa. Deixa-me feridas abertas. Para ti sou só mais uma dessas. Abandona-me. Num canto, fraca e indefesa. Mata a tua Barbie princesa. ©…

Há algo de ti que vive em mim

Há algo de ti que vive em mim. É o teu olhar sereno Que me apanhou na sua rede E fez de mim sereia do mar Nos teus olhos a mergulhar. É o teu toque carinhoso Que me envolveu no seu véu E fez de mim deusa encantada À tua mão agarrada. É o teu…

Noite que ficou na história…

Com o luar que me ilumina, e a Lua como companheira, caminho sem destino, luto contra o meu desatino, deste sentir que me fascina, me torna tua heroína, princesa sem príncipe nem cavalo, esperando pelo meu vassalo, aquele que me faz sonhar e a felicidade alcançar. E no alto do meu reino, aguardo-te em meus…

Olá coisinha boa…

“- Olá coisinha boa! – Olá Princesa! – Tenho saudades tuas… – Oh baby… E ainda ontem estivemos juntos… – Oh, a sério? Parece que foi há uma semana! – Ainda tenho o teu baton no meu pescoço… – Ups… – Vou ficar triste… – Porquê Meu Príncipe? – Tenho que tomar um duche e…

Só tu me agradarias, me farias acordar e levantar da cama para te servir o pequeno almoço…

Neste dia em que a chuva bate nas portadas das janelas e o som aconchega-me nos meus cobertores, sinto falta de ti… Sinto falta do teu cheiro, do teu toque, do teu corpo… Este calor solitário não me convence nem me agrada, não me trás felicidade nem aconchego… Só tu me agradarias, me farias acordar…

Até breve…

Purpura princesa que a olhos vagueia, entre lobos acantonados nas cercanias, acorda de teu pesadelo que o corpo te medeia, não existem medos, nem urzes queimadas em serras vadias. Purpura princesa, de caminhos trilhados, vontades despertas em acampamentos de corpos lavrados, por essa vontade incerta de mexer em amor deitados, no suor agreste da mente…