Não somos eternos, nada dura para sempre

Quando de um jeito precoce, perdemos um amigo, um familiar ou um companheiro, mais cedo experienciamos o sabor amargo da condição humana.   Não somos eternos, nada dura para sempre.   Quem como eu, sentiu (e sente) a perda, passa a ser uma alma condenada a viver na eminencia que pode acontecer novamente.   Deixamos…

Lembrar-me de ti faz-me sentir forte!

A tua morte dói, mas tem dias, que lembrar-me de ti, dos nossos momentos, me faz sentir forte, tão forte como o nosso amor foi! Talvez devesse lembrar-te menos vezes, mas continuo a teimar na doce tortura que é recordar-me de ti… perco-me vezes sem conta na memória do teu sorriso, o sorriso mais fantástico…

Represento.

Ilustração: Adara Sanchez Anguia Como eu consigo? Não consigo. Visto cores alegres para esconder a alma, e uso falsos sorrisos sinceros para ajudar nesta farsa. Ao fim de várias repetições vai-se tornando mais fácil fingir que não tenho saudades tuas, e que não choro a tua partida. Como eu consigo? Não consigo. Represento.