Arquivo de etiquetas: pele

É caso para pedir: Um quarto por favor!

image

Corpos que se desejam na inocência de um café.
Tardes quentes.
Um café cheio de sombras e um canto lá ao fundo a aguardar por nós.
Sentados frente a frente a partilhar vidas, a minha vida assumiu a rebeldia do desejo.
No cantinho daquele café e na inocência do diálogo, a minha mente agitava-se comandada pela vontade de ti.
O meu corpo sossegado naquele café, ganhou vida dentro da minha cabeça, lá, livre-me das roupas sem pudor, despi-te e descobri a textura da tua pele.
Suei com o simples movimento dos teus lábios.
A tua boca.
Chamou-me!
Provocou-me!
Exigiu-me!
Na minha mente subi para cima da mesa e atirei-me para o teu beijo, na realidade, troquei de lugar e sentei-me ao teu lado, e sussurrei os meus desejos e histórias no teu ouvido.
Embeveceste-me com o teu perfume junto com o calor que emites. Que pânico. Eu engoli em seco, eu respirei pausadamente, tudo para assumir o controlo deste desejo por ti.
O teu rosto marcado pelo desejo é a tentação que me vai levar ao purgatório.
É caso para pedir:
Um quarto por favor!!

Art Fabiano Perez

?A vizinha #69Letras

Acordaste-me e estou sedenta…

image

Tocaste-me.
A pele.
A alma.
Desde que me tocaste que despertei.
Sabia lá eu o era sentir desejo ou ter tesão por alguém até me amaldiçoares com o teu toque implacável.
Este desejo por ti, está tão vivo que sofro a urgência de o sossegar em todo o lado.
Tocaste-me!
Ainda sinto o teu suor na minha pele e o teu sexo a foder a minha alma.
Acordaste-me e estou sedenta.
Onde é que estás?

?A vizinha #69Letras

um lugar que ninguém vai ocupar.

image

Sentada no canto deste quarto onde nos devorámos em infinitos momentos, revivo-nos.
Memórias tão fortes, que me trazem o cheiro familiar da nossa paixão.
Sinto falta de ver o teu desejo crescer, com um simples movimento do meu corpo.
Deitada nesta cama, já à muito sem os lençóis que contaminamos de tesão, dezenas foram os filmes com que gravaste cada imperfeição do meu corpo, cada sinal que me pinta, cada cicatriz que me foi aberta.
Quantas noites de conchinha tivemos o privilégio de ter?
Conhecias o meu dormir. Sabias quando descansava com os anjos, ou quando precisava do teu aconchego para expulsar os diabinhos que tentavam estragar o meu sono de beleza.
Despertar com o teu toque a derreter-se na minha pele, era o melhor início de dia. Todos os dias, começávamos com o pequeno almoço dos deuses, o teu sabor em mim, o meu em ti. Líquidos cheios de açúcar.
Vício.
A tua mão a embalar os meus cabelos e a intensidade do teu beijo, trazem-me saudade….
Espero voltar a ver-te nos meus sonhos…o único lugar onde ainda existes, um lugar que ninguém vai ocupar.

?A vizinha #69Letras

Não tenho pressa de chegar ao fim.

Aqui, te confesso que seduziste a minha pele e deste um novo despertar ao meu corpo.

 

Sim, ele aclama pelo teu corpo, despido, no meu.
Aquela noite que subtilmente lançávamos ao vento o desejo de acontecer, teve, finalmente direito ao primeiro episódio.
Sei que tu, estejas onde estiveres, estejas a fazer o que quer que seja, estás a inventar os episódios que se seguem assim como eu… Mas sabes? Não tenho pressa de chegar ao fim.
Duas almas como as nossas necessitam de degustar o s3xo em toda a sua dimensão.
Vou descortinar, contrariar, confundir e dominar os teus cinco sentidos.
Iniciámos esta viagem que só irá terminar quando os nossos corpos se incendiarem pela fricção da nossa química enquanto saciamos o desejo carnal da mente e da alma.

 

 

Até lá… Exploramos….

Para já … Quero ver-te de novo.

 

Cátia Teixeira, Vizinha 69Letras® 2013