Arquivo de etiquetas: pára

Pára!

Pára.

Olha para mim

E diz que me amas.

Não olhes para trás

Enquanto a chamas.

Pára.

Pega-me na mão

Leva-me numa viagem celestial.

Não pegues na mão dela

Nem a leves numa viagem angelical.

Pára.

Ouve o que te digo

E perceberás.

Não oiças o que ela diz

E feliz serás.

Pára.

Diz a verdade

Diz que comigo a vida é bela.

Não digas mentiras

E que precisas dela.

Pára.

Pensa em mim

E nos bons momentos.

Não penses nela

Nem nos seus sentimentos.

Pára.

Sorri para mim

Ilumina-me o coração.

Não sorrias para ela

Destruindo a paixão.

Pára.

Lê o que escrevo

E tudo mudará.

Não leias o que ela escreve

Pois só mentiras verás.

Pára.

Lembra-te do meu toque

E de como te aconchega.

Não te lembres do seu toque

Nem da sua incerteza.

Pára.

Vem abraçar-me com força

Deixa-me sentir o teu coração.

Não aceites o abraço dela

Pois é só uma ilusão.

Pára.

Dá-me a certeza

Da tua paixão por mim.

Não mates a esperança

Não olhes para ela assim.

© Fox 2017 #69Letras

Não somos ejaculadores precoces

image

Não somos ejaculadores precoces, somos amantes dedicados gostamos de fazer amor por tempo indeterminado. Amar à pressa com prazo de acabar não é para nós. Brincamos com as sensações e prolongamos o prazer num pára e recomeça, acelera e trava sem tempo de acabar. Acabar. Nunca chegamos a acabar estamos sempre a renovar os gemidos e o suor. Pedimos sempre mais, mais um beijo mais um amasso mais um bocado que se transforma em horas  úmidas em cima do chão que já escorrega da condensação que sai dos nossos corpos. Quanto mais ofegantes, quanto mais desgastados, quanto mais doridos, mais a vontade cresce e estamos horas na brincadeira em plena comunhão com o nosso prazer. Sou eu tua és tu meu e nada mais existe ao nosso redor. Se as paredes falassem falariam de amor, se o sofá se excitasse vir-se-ia pelo cenário que apresentamos, luxuria desenfreada e ternura nos segundos em que o nosso olhar se encontra, nesses pedaços de tempo, os meus peitos arfam nos contra oa teus e escorro ainda mais ao sentir o teu respirar, louco e desejoso para retomar… e lá vamos nós, mais um bocado, e com tantos bocados, passa-se uma tarde e mais uma noite. Somos assim doidos pelo prazer um do outro, ouvir-te gemer e ser maestra dos teus. Expludo quanto te vejo contorcer debaixo de mim, queres agarrar, não deixo, és meu e minha vontade. São meus os teus orgasmos, és tu dono dos meus.

A Vizinha