A cada dia perde-se mais um pedaço…

Parece que trago o mar prisioneiro dentro de mim e que esta pele já não o consegue conter por muito mais tempo. Às vezes, não sei se o liberte ou se luto contra ele… Abrir as comportas para ele sossegar é libertar-me da dor de te ter perdido. Mas aliviar esta dor, é afastar-te de…

viver sem a tua presença

  Que saudades eu tenho de me quando me embriagava com o teu sorriso entorpecia com os teus beijos e enlouquecia com os nossos desejos. Um ano se passou e como uma alcoólatra ainda me encontro em fase de recuperação. Está difícil sobreviver ou melhor viver sem a tua presença. Muitos são os momentos que…

Brincadeira de mau gosto

Tem momentos em que a saudade aperta. Ainda tudo parece uma brincadeira de mau gosto sem data de terminar. Mas estive lá, vi que não foi brincadeira mas mesmo assim continua a ser surreal de mais para ser verdade. Se eu não tivesse lá estado, poderia achar que tudo isto não passa de um equivoco,…

Copo meio cheio ou meio vazio.

  Acordei em sobressalto ansiosa e agitada quase que a sufocar. A minha primeira reação assim que acalmei a respiração, foi chorar, não desalmadamente, mas conformada. Senti as lágrimas a nascer e a empurrarem-se umas às outras como que a libertarem-se… prisioneiras da minha dor. Desceram lentamente pelo rosto, fazendo comichão na pele prestes a…

Lembrar-me de ti faz-me sentir forte!

A tua morte dói, mas tem dias, que lembrar-me de ti, dos nossos momentos, me faz sentir forte, tão forte como o nosso amor foi! Talvez devesse lembrar-te menos vezes, mas continuo a teimar na doce tortura que é recordar-me de ti… perco-me vezes sem conta na memória do teu sorriso, o sorriso mais fantástico…

Devolve-me…!

Fotografia: Louise Coghill Photography Segue-nos no facebook Foste-te embora com a força de um vendaval! Tal como o vento que varre tudo à sua passagem, também tu partiste, e levaste a minha pele, o meu sangue, a minha pulsação, o meu coração… não precisas de voltar, devolve apenas o que levaste.

Represento.

Ilustração: Adara Sanchez Anguia Como eu consigo? Não consigo. Visto cores alegres para esconder a alma, e uso falsos sorrisos sinceros para ajudar nesta farsa. Ao fim de várias repetições vai-se tornando mais fácil fingir que não tenho saudades tuas, e que não choro a tua partida. Como eu consigo? Não consigo. Represento.