Arquivo de etiquetas: Oral

A fome e a vontade de comer

Texto Erótico| M18 ???

O convite era para almoço… Subi as escadas sorridente e fui recebida com um sorriso largo e um beijo terno. A vista era de cortar a respiração e enquanto o olhar mergulhava no rio e na paisagem percebi que a luz entrava e aquecia toda a casa.

Foi o abraço por trás e o nariz encostado ao meu pescoço que me tiraram do transe e o jogo de luzes mudou.

Continuar a lerA fome e a vontade de comer

Como vamos voltar?

M18 | Texto erótico

“Parabéns a você, nesta data quer…”, olho-te de relance e vejo-te fazeres-me sinal para ir ter contigo. A minha voz desaparece do coro que canta os parabéns à nossa amiga, e em três tempos desapareço também eu dali.
Um pouco confusa, procuro-te no corredor. Está escuro e não te vejo em lado nenhum. Um barulho ensurdecedor vem da sala com copos a bater uns nos outros, gargalhadas, conversas em tom mais alto… Mas nada de ti.
Começo a pensar que estou a ficar louca e volto para trás, mas assim que me viro sinto o teu braço à volta do meu peito, puxando-me para uma sala escura e cheia de livros.
Fechas a porta e empurras-me logo contra uma dessas estantes atoladas de páginas e páginas de história. Beijas-me sofregamente o pescoço e começas a despir-me.
– O que é que estás a fazer?! – pergunto eu a sentir a adrenalina a correr-me pelo corpo.
– Sabes bem o que estou a fazer! – respondes-me com um sorriso triunfante.
– Está aqui muita gente, isto não é boa id… – calas-me com um beijo e a partir daí entrei no modo quero-lá-saber-dos-outros!
Pus os braços à volta do teu pescoço e as pernas à volta da tua cintura, para nos mudarmos para o sofá. Ancorada em ti, não perdemos um segundo nesse trajecto. Se já estava doida, ainda mais fiquei…
Quase como se estivesse noutro mundo, ouvia ao longe toda aquela gente a confraternizar na sala. Alguém teria dado pela nossa falta?
Não importa! Deitas-me no sofá e serves-te do meu corpo, como tu gostas. Como eu gosto. Levas-me à loucura sempre que usas os lábios, a língua e os dentes para brincar comigo. Sinto-me a ferver! Sinto-me a ressacar de ti! Desejo-te tanto que perco completamente a noção de tudo o resto.
– Fode-me! Vá lá! Pára com isso! – Imploro…
Obedeces… Mas percorres o meu corpo com pequenos beijos até alcançares os meus lábios. Sinto o meu sabor misturado com o teu e ao mesmo tempo, sinto-te a entrar em mim.
Hum… Uma imensidão de sensações novas apodera-se do meu corpo. O teu vai vem constante, passa para o modo acelerado e só não grito porque me tapas a boca. Abafas o som do meu prazer e o meu orgasmo explode quase ao mesmo tempo que o teu. Intenso, forte, libertador.
Olhamos um para o outro e estamos mesmo com ar de sexo!
Como vamos voltar para a festa?

©Raio de Sol 2017 #69Letras

Homens & Sexo oral

Porque é preciso falar de sexo, cá estou eu!

E hoje trago um tema para discutir com vocês, que me deixou quase quase chocada. Ora então, um estudo realizado por uma empresa chamada Sex Wipes, revela que 43% dos homens não gosta de fazer sexo oral à sua parceira. Isto é uma tragédia, a meu ver!
Portanto, se me está a ler e faz parte destes 43% continue a ler por favor! Os outros 57%, continuem a ler também porque vão gostar de ter noticias sobre a vossa saúde. Ah pois é!!!
Bom, continuando… As causas apontadas para não o fazerem, ou o evitarem fazer às suas companheiras, são nada mais nada menos que………. O sabor, o cheiro, os pelos, a vagina não ter uma beleza apelativa, medo de contrair doenças e até questões religiosas. Dá para acreditar nisto?
Eu cá acho que isto é tudo uma questão de comunicação e intimidade, neste caso falta de ambas!
Até porque e agora muita atenção ao que vou escrever… Outro estudo realizado por um grupo de investigadores da State University of New York, nos Estados Unidos, revela que fazer sexo oral faz bem à saúde!!!! Tanto de quem recebe como de quem o faz! Isto é quase como que juntar o melhor de dois mundos, ou não é?!
Reduz o stress, a ansiedade, relaxa, melhora a qualidade do sono e claro, da intimidade também! Isto acontece porque são libertadas hormonas que fazem maravilhas pelo nosso corpo e segundo consta vão até prevenir algumas doenças.

É preciso mais razões para fazerem sexo oral às vossas princesas?

Sejam saudáveis!!!

Kiss kiss, Aphrodite

Fonte: https://catracalivre.com.br

Há dias em que eu preciso de (ph)oder…

Texto Erótico|M18

Mesmo que tente não pensar nisso, não sei porquê, não sei se é da lua, ou das hormonas, não sei, só sei que há dias que me sinto com febre… Febre de sexo, uma sede insaciável de me sentir extasiada em orgasmos, de transbordar, sede de sexo…
Preciso de foder. Oooh meu deus, como preciso de foder… E não é coisa que se diga, que se anuncie, não é, mas esta luxúria que me consome, absurda, que me faz sentir a pele ferver e nada basta, não basta que me toque, não basta qualquer coisa ….. Preciso de ser possuída por umas mãos fortes, que me apertem com vontade, preciso de um guerreiro em riste que me conquiste de dentro para fora, que me enlouqueça, que me sufoque, me marque, me morda, me sinta numa vaga quente inundar-lhe o pau duro com que me trespassa…………………..
Momentos loucos….. Loucura pura….
Mas eu preciso.

Marie #69Letras


Obtém 10% de desconto com o teu cartão cliente 69 Letras.
Regista-te em www.aubaci/69letras

Cigarro partilhado

Entre as reentrâncias e saliências, do Bairro Alto
Encontrei-te…
No olhar a volúpia,
No corpo, o ar de quem se dá a pecar…
Aquele pecado, de sabor vadio,
Como o fado cantado na tasca do lado.

Olhavas-me com vontade de ouvir o mesmo fado
Encostadas, fizemos companhia uma à outra
Um cigarro partilhado
Bolas de fumo cruzadas, no ar
Uma ginjinha de se abrir a vontade

A parede, por detrás, é decadente
Todo o cenário chama por depravação
Sinto-o em cada poro, que me celebra a pele
Não desvio o olhar dos teus lábios vermelhos
Imagino-os já esborratados, marcando-me
Sugando os meus, vermelhos também…

Sempre que passas por mim, marcas a diferença
Não serás tu, obra do pecado que se cruza no meu caminho?
Gosto do teu aspecto!
O teu ar de Maria  rapaz…
All stars e collants de vidro.

Tu ao contrário,
Vestido  justo aos anos cinquenta
Saltos altos e jóias douradas
Decote profundo, provocativo…
Estar perto de ti, exorciza-me de mim mesma
Estar perto de ti, faz-me querer pecar …
Contigo ….

Uma espécie de fado vadio, fado de rua…
Fazemos o nosso destino
Esta noite seremos duas Amálias.
O início tem sempre uma grande música…
Numa rua escura da capital
Beijas-me.
Tudo começa agora ….

The Oyster #69Letras
Maria dos Collants #69Letras

“Apetecia-me tanto portar-me mal” (…) “Anda, porta-te mal… estou completamente relaxada”

Texto Erótico|M18

A resposta de Mrs Smith

Depois daquele primeiro beijo maravilhoso outros tantos sucederam-se… por fim ele segurando as minhas duas mãos e sem nunca desviar os seus olhos dos meus encaminha-me para a cama onde nos sentamos. Ajeita uma madeixa de cabelo minha atrás da orelha e, olhando-me bem fundo da pupila, pergunta: “Isto está a ser demasiado rápido?”. Aceno com a cabeça num gesto de aprovação mas apenas para não aparentar desespero, porque na verdade não achava. Sentia que já o conhecia bem pois durante dias tivemos longas e aprofundadas conversas… conta como se tivéssemos vários dates, não?

Ele volta a beijar-me com mais intensidade e aí eu perco o controlo total (se é que alguma vez o tive). Ele inclina-se sobre mim e os nossos corpos deitam-se lentamente naquela cama acolhedora onde permanecemos um bom tempo apenas a beijar e a acariciar. É vibrante a vontade que os nossos corpos têm em se unirem num só!

Eu começo novamente a tremer, um tremer de desejo… ele apercebendo-se disso coloca-se de joelhos na cama à minha frente e, sem tirar os olhos dos meus, começa a desabotoar a camisa com mestria. O meu desejo aumenta à medida que vou observando o seu tronco definido a desnudar-se.  Nesse momento tomo a decisão de me despir também e apresso-me a libertar-me daquele obstáculo desnecessário… queria senti-lo… pele com pele!

Na cama deitados e apenas em roupa interior, os nossos corpos aproximam-se novamente e o calor do corpo dele apazigua e relaxa o meu como se de um banho de emersão com água quente se tratasse. À medida que as suas mãos acariciam o meu corpo o desejo e excitação aumentam. É nesse momento que ele desabotoa o meu soutien, com maior rapidez que eu alguma vez fui capaz, expondo os meus seios, já visivelmente excitados. Com um ar de curiosidade no seu rosto explora e acaricia os meus seios com as mãos, inicialmente com suavidade e depois, olhando-me nos olhos, começa a aumentar a intensidade o que faz soltar o meu primeiro gemido de prazer. Nesse momento ele beija o meu peito sugando o mamilo com vontade. Sinto a minha cueca a ficar completamente encharcada. Enquanto beija o meu peito, uma mão dele desce e entra dentro da minha cueca e com os dedos explora com delicadeza… observo o ar de satisfação no seu sorriso maroto ao avaliar o meu nível de excitação. Despe as minhas cuecas arrancando-as de um só golpe e despe os boxers dele expondo o seu sexo perfeitamente desenhado, ereto e imponente. Por cima de mim com os corpos bem colados e, com muitas caricias e beijos delicados, inicia a penetração muito lentamente… começo a senti-lo a cada centímetro de investida… lento, pelo que o meu corpo inatamente começa a elevar-se, contudo ele não deixa. Com as mãos nos meus quadris controla a velocidade de penetração até que o sinto completamente dentro de mim, profundamente… sinto-me totalmente preenchida. A partir desse momento as investidas tornam-se mais aceleradas alternadas com estocadas profundas. Os beijos aumentam de intensidade e a voz dele comanda o meu desejo… parece que está dentro da minha cabeça… com uma linguagem controlada, mas safada…eu perco a noção total da realidade e a entrega é total.

Fodemos durante horas e em várias posições e, estranhamente, em todas elas eu atingi o orgasmo. Digo estranhamento porque sou principalmente clitoriana e, conhecendo bem o meu corpo, algumas posições à priori não me permitiriam atingir o orgasmo. Com ele tudo era diferente… ele parecia que antecipava cada orgasmo meu… melhor dito, controlava. A sensação mesmo é que ele decidia quando sim e quando não. Mesmo na posição por cima dele, em que aparentemente sou eu que tomo o comando, era ele quem comandava… com ordens… segurando o quadril a regular a velocidade… e com muito reforço positivo… “isso… com calma… agora rápido…com força… boa… bom, muito bom”. Nunca controlei um único orgasmo meu… foi sempre ele. E em certa parte isso assustou-me.

Perdi a conta à quantidade de vezes que me vim até à exaustão.

Deitada na cama de barriga para baixo e com ele por cima de mim, os seus lábios roçando a minha orelha sussurram: “apetecia-me tanto portar-me mal”. Sinto o seu sexo ereto contra o fundo das minhas costas, lubrificado com tanto de mim, pelo que respondo com um jeito provocante “anda porta-te mal… estou completamente relaxada”. Ele avança com muito cuidado e paciência, aguardando pela resposta do meu corpo. Tiro gozo da penetração anal… até que sincronizamos um excelente orgasmo… um orgasmo anal. Nunca acreditei que existisse! O que mais me excitou foi o controlo que ele exercia sobre a minha mente, sem nunca descorar da estimulação do meu corpo, e a sua excitação plena com a chegada ao clímax onde finalmente perde o controlo. Ele beija-me as costas e deita-se ao meu lado. Parece que entrou noutra dimensão e o seu corpo inicia espasmos curtos e arrítmicos que o fazem soltar risos de prazer. É maravilhoso observa-lo!

Proponho um banho. Trouxe sais de banho e velas para criar um momento relaxante e acolhedor. Naquela água quente e perfumada mergulhamos os corpos e relaxamos por momentos com o meu corpo sobre o dele. Após algum tempo de descanso sinto o sexo dele novamente a ficar ereto o que desperta o meu desejo, instantaneamente. Em pé, frente a frente, sinto-o a entrar em mim com firmeza, com estocadas ritmadas, vigorosas e rapidamente expludo de prazer mais uma vez, sentindo-me a desfazer em torno do membro dele. Ainda extasiada com o meu orgasmo, ele com um jeito delicado segurando o meu ombro bem junto ao pescoço indica-me para que me ajoelhe. Fico parcialmente mergulhada na água e contemplo uma imagem perfeita: o seu membro ereto, o abdómen muito bem definido e o rosto sedutor de olhar e sorriso atrevido. Aproveito e lambuzo-me naquele membro hirto, chupando-o com muita vontade, saboreando uma gotinha doce dele misturada com o meu sabor salgado. Invisto profundamente até à glote com movimento ritmados e firmes e sinto-o novamente a perder o controlo quando finalmente o seu sabor explode na minha boca. Propositadamente e de forma atrevida faço escorrer um pouco do seu néctar pelo meu lábio,que ele de imediato ajuda a limpar encaminhando o seu líquido de volta à minha boca com o dedo polegar, que faço questão de chupar. Contemplo-o mais uma vez a ter espasmos de prazer.

Finalmente saímos do banho e encaminhamo-nos para a cama onde os nossos corpos caem exaustos e adormecem abraçados.

Ouço o despertador dele bem cedo. Foda-se, já!… pensei. Com cautela levanta-se, veste-se sem fazer ruído algum e dirige-se a mim… acariciando o meu rosto deposita em mim um beijo delicado. Despede-se com poucas mas acertadas palavras e sai pela porta fora.

Levanto-me e começo a contemplar todo aquele quarto, aquele ninho de amor, a reviver cada momento novamente. Preparo-me com calma e vou tomar o pequeno-almoço para repor energias.

Enquanto tomo o pequeno-almoço sozinha sou assaltada por uma sensação estranha de insegurança e nesse momento recebo uma mensagem sua a dizer que chegou bem e quererá mais, muito mais. Respondo imediatamente afirmando que a vontade é absolutamente reciproca, querendo mais, muito mais que ele.

Sorrio e termino a minha refeição com calma…afinal aquela noite não foi um sonho e algo em mim sentia que não seria a única.

Mrs Smith

Continua...

“Quero mais, quero muito mais”(…) “Quero mais, quero muito mais que tu”.

Texto Erótico|M18

Um casal cheio de erotismo e sensualidade, Mr & Mrs Smith. Segue o texto de Mr Smith.

Do primeiro beijo passou-se ao segundo, e depois ao terceiro… a ânsia de provar mais e mais aumentava com a excitação. Não tardou para que a conduzisse para a cama. Comigo por cima, sentia o corpo dela a erguer-se contra o meu, a empurrar-me para cima, ao mesmo tempo que as suas mãos me puxavam para baixo, obrigando-me a sentir cada parte do seu corpo. Estávamos perfeitamente enrolados… ambos sabíamos onde aquilo iria parar.

Fiz uma pausa, coloquei-me de joelhos em frente a ela e sorri… por momentos contemplei-a. “És muito bonita!”… afirmei. Ela sorriu. Comecei a desapertar os botões da minha camisa. Qual foi o meu espanto quando a vi a retirar as calças. Ela estava mais ansiosa que eu… O que deveria ter sido uma tentativa minha de strip tease, com o objetivo de a deixar relaxada, tornou-se numa tarefa repartida de tirar a roupa o mais depressa possível… sem qualquer tipo de sensualidade. Ambos queríamos, e rapidamente, sentir o corpo do outro.

Comigo por cima, na básica posição de missionário, sinto o corpo dela pela primeira vez. Quente… a tremelicar, como se tivesse frio. Que dicotomia de sensações. Continuei a beijá-la. O beijo era muito bom, delicioso… tão delicioso que parecia que as nossas línguas já se conheciam desde sempre. Olhei para ela, bem no fundo da pupila, como se a quisesse preparar para o que vinha a seguir. Sentia-a molhada… muito molhada, super excitada. Os seus seios estavam enrijecidos, a pele da cara ruborizada, as pernas a encaixarem-se nas minhas costas… nitidamente estava pronta para me sentir.

Lentamente entrei dentro dela… muito lentamente, ao mesmo tempo que a olhava nos olhos. Sentia-a a reagir a cada milímetro de penetração. A expressão de prazer na cara dela era evidente. “Quero sentir cada milímetro de ti”, disse. “Sente-me, cada vez mais fundo… sentes?”… perguntei. “Sim, sinto-te… quero mais, por favor!”. A voz doce dela dava-me ainda mais tesão. Era altura de começar a foder-lhe o cérebro. Abro um parêntesis… quero explicar este conceito. Sim, meus caros amigos, se querem foder bem, aprendam a foder o cérebro da vossa parceira. É aí que se encontra a zona mais erógena da mulher, o local onde ela “sente” verdadeiramente. O “graal” do prazer. O verdadeiro ponto “G”…

Continuando… continuo a penetrá-la, até a sentir completamente. Sinto as unhas dela nas minhas costas. Ela, apercebendo-se disso, diz-me entre sorrisos: “Não te preocupes, não te vou marcar.” Respondo com um sorriso maroto: “Eu também não!”. Da posição de missionário passou-se rapidamente para a de cow girl, a minha favorita. Permite-me estar suficientemente relaxado para conservar a minha performance, suficientemente disponível para a acariciar, suficientemente atento aos pormenores, permitindo-me marcar pela diferença. Os orgasmos dela foram-se sucedendo. Conseguia antecipá-los. Tornaram-se previsíveis, o que me permitia continuar a foder-lhe o cérebro ao mesmo tempo que lhe rebentava com os mamilos de tanta sucção: “Isso, muito bem. Quero mais, quero muito mais!”. Ao que ela responde: “Quero mais, quero muito mais que tu. Adoro esse reforço positivo… motiva-me.”. Passámos para o reverse cow girl, permitindo-me observar o rabo dela… grande, cuidado. Agarrando-lhe nos quadris ajudo-a a ritmar os movimentos até ao próximo orgasmo. Passámos de seguida ao doggy style… a penetração não poderia ser mais profunda. Vi-a a morder a almofada, ao mesmo tempo que a sentia a empurrar o rabo contra mim.

Parámos por momentos. O cansaço já se fazia sentir. Ela aproveita para olhar para mim com a cabeça na almofada. Notava-se que estava extasiada. Retribuo o olhar com um sorriso maroto, ao mesmo tempo que olho para o rabo dela e, em jeito de provocação digo: “Apetecia-me tanto portar-me mal.” Ela, percebendo de imediato o que me ia na cabeça, responde: “Anda, porta-te mal, estou completamente relaxada.” A minha cabeça começa a andar a mil à hora. Lentamente, entro dentro dela… muito lentamente. Sexo anal é algo que se vai aperfeiçoando… quando se domina a arte, conseguem-se resultados extraordinários. Ela vai respondendo aos meus movimentos, ajudando. Continuo a foder-lhe o cérebro: “Quem te está a comer o rabinho, quem?”. Ela responde: “Tu… tu… e estou a adorar.” Não demorou muito até conseguir começar a “partir” o rabo dela, ao mesmo tempo que lhe acariciava o clitóris… o orgasmo dela, e o meu, não tardaram a surgir… sincronizados. Por momentos fico deitado em cima dela… o cheiro do perfume dela inunda-me novamente. Beijo-a no ouvido… “Muito bom, muito, muito bom”… disse. “Fantástico”… replicou ela.

Um banho a dois era o que ambos precisávamos. Na banheira, aproveitámos para relaxar… enrolados, a tirar proveito do fantástico beijo que ambos produzíamos. Os sais de banho que trouxe deram-me a entender que ela tinha planeado aquela cena. Será?… pensei. Será que ela antecipou aquela cena? O desejo de a possuir mesmo ali tornou-se mais forte. Coloco-a de costas contra a parede, ao mesmo tempo que meto a perna dela em cima do bordo da banheira. Penetro-a, profundamente. Ela, apoiando-se no meu pescoço, entra no clima… estava novamente muito excitada. Talvez tivesse pensado que, após os sais de banho, aquele seria o momento seguinte. O orgasmo dela vem rápido. Eu, sabendo que naquela posição de esforço não iria aguentar muito mais, não retraio o meu. Contudo, queria terminar de outra maneira. Com cuidado, diminuo a intensidade, acabando por sair de dentro dela. Colocando a minha mão no seu ombro, exerço pressão para baixo, dando-lhe indicação que queria que se colocasse de joelhos. Ela, percebendo, e sem hesitações, começa num oral que parecia ter saído de um filme de Pasolini ou de Makavejev. O oral torna-se cada vez mais profundo… até começar a sentir a glote dela. “Foda-se, a sério?”… disse. “Hum, hum”… responde ela. Não tarda até que termine, ejaculando bem na sua glote. As pernas tremiam-me tanto que tive necessidade de me colocar de joelhos bem em frente a ela. “A sério? Foda-se, a sério? O que é isto?”… digo, em jeito de pergunta. “É muito bom. Muito bom, mesmo!”… responde ela. “Quero mais, quero muito mais, tens consciência disso?”, pergunto. “Quero mais, quero muito mais que tu!”, responde.

Na cama, ficámos abraçados, até adormecermos. Acordo com o som familiar do alarme do meu smartphone. Já!… pensei eu. Era hora de sair, tinha de estar no trabalho bem cedo, e ainda tinha 1 hora e meia de viagem. Sem querer acordá-la, preparo-me para sair. Já vestido, dirijo-me a ela, acordando-a com um beijo na face. “Bom dia! Vou ter de sair…”. Ela responde: “Bom dia. Faz boa viagem.” Saio, tal como entrei… um desconhecido para ela e ela uma desconhecida para mim. As memórias daquela noite não me saíram da cabeça durante toda a viagem. Cada pormenor. Cada detalhe. Cada momento.

Chego ao trabalho. Estava sem saber o que fazer. Ligo-lhe a dizer que cheguei bem?… resolvo enviar-lhe um sms: “Bom dia. Acabo de chegar. Tudo bem. Adorei esta noite. Quero mais… muito mais.” A resposta dela não tardou, parecia que estava à minha espera. “Bom dia. Quero mais… quero muito mais que tu.”.

Sorri… sabia que ambos estávamos a ser sinceros.

 Mr Smith

Continua…