Arquivo de etiquetas: namorados

Colorir

Hoje apeteceu colorir mais ainda o nosso amor.
Olhei para aquela tela vazia, perfeita, fez-me lembrar os nossos momentos.

Mas para quê deixa-los vaguear na nossa mente, quando posso imortalizá-lo num quadro
Para podermos vislumbrar a sua beleza.

Admirar as cores que nos ilumina os rostos quando estamos juntos,
Apreciar as suas formas quando os nossos corpos se fundem.

Hoje pinto-nos, com as cores do arco-íris.
Com as cores do nosso amor.

©Lola #69letras

O primeiro Beijo

Sentada na esplanada do café deixei escapar um sorriso, porque ao ver o casal à minha frente, fez-me recordar o nosso primeiro encontro.
Inicio de Verão, tínhamos ido lanchar em plena Baixa com amigos. A conversa estava animada.
Nós já nos conhecíamos há um mês, e as nossas conversas eram como a carochinha e o João Ratão (Ahahah!), à janela, ou então trocávamos cartas. Mas…., bastou uma troca de olhares e senti os teus lábios procurarem os meus, 
sedentos de desejo.
Sentir pela primeira vez, as tuas mãos na minha nuca, na minha cintura a puxar-me para ti.
Perdi a noção do tempo que ficamos assim, parecia uma eternidade, mas foram breves segundos.
ao ponto de deixar os nossos amigos desconfortáveis com o teu impulso.
Sei que despertaste algo em mim, que estava adormecido. Mas não me queria ficar só pelo beijo.
O meu corpo pedia por algo mais. Precisava te sentir.
Depois daquele beijo, o lanche parecia que demorava uma eternidade a terminar, queria-te só para mim.
Mas sei que não ficaste imune ao beijo, pois as tuas mãos percorriam as minhas pernas, pondo-me num estado febril, em erupção.
Tive de inventar que precisava de ir para casa, mas o que realmente queria, eras Tu!.
Deixaste-me em casa.
No patamar da entrada puxei-te para mim, senti um urge desejo de saborear essa boca, esses lábios carnudos, perfeitos.
Não resistis-te à minha investida e eu muito menos me deixei intimidar, quando me encostaste à parede e pude sentir todo o teu corpo, pressionando o meu.
Foi o primeiro de muitos e ainda é… <3 <3
©Lola 2017 #69Letras

Sabes que….

Sabes que…

Sabes que é delicioso ler cada pedacinho de ti… claro que sabes…

Também sabes o quanto me agrada sentir o teu perfume… pois significa que estas perto de mim…

Esse perfume… que espalha o teu charme … e o orgulho também… esse orgulho que te dá a sensação de que estás protegido … onde pensas… que tudo controlas… desculpa se te vou desiludir, mas…. as emoções ultrapassam as mais altas barreiras…e comigo podes tentar e por vezes achares que conseguiste… mas acredita… que a linguagem do teu corpo vai acabar por me levar a verdade…  já para não falar no brilho que carregas no olhar…. as palavras são excelentes e tu conjugas como ninguém… mas eu possuo um senso apurado…. sou composta de emoção… e consigo…. identificar…. para alem do olhar… para alem das palavras e das imagens…

Sabes que o sexo entre nós…. é um crescente de atrevimento… sorrisos, provocação e tesão sem fim…

Sabes perfeitamente que o que nos une é muito mais do que sexo…

Sabes ainda que te admiro … pela tua capacidade de me amares quando estás comigo…. sabes interpretar o meu corpo… e louvo-te o respeito com que me tocas… a delicadeza nos gestos…. a entrega sempre…. que passamos ao modo de “viver la vida”

Sabes que me descobres a cada momento… ao mesmo tempo que desfrutas… do meu gozo contigo….

Sabes o quanto somos viciantes…. e como adoramos estar conectados….

Sabes que és um tarado que adora passar o dia… “em alta”…. com o “EGO”… bem alimentado… ….

Mas também sabes…. que eu mesmo sabendo tudo o que sei de ti…. decido continuar ao teu lado

Sabes que quero mais contigo… mas também sabes que não tenho expectativas…

Sabes que não desperdiçarei qualquer oportunidade que me apareça pela frente…

Sabes… oh se sabes…

 

 

©Musa 2017 #69Letras

 

Sous le ciel de Paris

E lá estava ela.
O olhar brilhante, o sorriso doce, as madeixas douradas a ondular ao sabor da brisa, o casaco vermelho a combinar com a boina, o corpo esbelto e perfeito.
Na ponte sobre o rio Sena lá estava ela, a contemplar a Torre Eiffel, como sempre fazia ao fim da tarde.
A neve caía-lhe sobre os ombros como se algodão fosse e ela não se importava com o frio cortante que se fazia sentir naquele Inverno parisiense.
E, como sempre, aqui estou eu sentado na escadaria à espera que ela chegasse, apenas para a contemplar.
Apenas a olhar, sem a poder tocar, sem lhe poder dizer que o meu coração se prendeu a uma estranha.
O meu coração prendeu-se a ela.
Mas hoje foi diferente.
Hoje, depois de olhar a Torre, ela olhou para mim.
O seu olhar chocou com o meu e, timidamente, ela sorriu.
Sorriu para mim. E aproximou-se.
“Posso sentar-me aqui?”
Surpreso, apenas acenei a cabeça em sinal afirmativo.
O meu corpo estremeceu quando ela se sentou e o seu perfume suave invadiu o espaço.
“A vista é linda. Todas as tardes venho até aqui para olhar para a Torre e ver o anoitecer cair sobre ela.”
“Eu sei. E eu venho aqui só para te olhar e comprovar que o teu brilho é maior que o das estrelas”, pensei.
Sorri para ela e apresentei-me.
A conversa sobre Paris e a sua beleza prolongou-se até a noite chegar.
“Amanhã irei voltar. Encontro-te aqui?”
Ela queria voltar a estar comigo.
O meu coração quase explodia com tanta felicidade.
A semana passou-se com encontros diários na escadaria.
E eu sentia-me apaixonado.
Numa dessas tardes ela contou-me porque olhava sempre para a Torre Eiffel ao anoitecer.
“Um dia gostava de ir até ao cimo da Torre e olhar as estrelas. Acredito que de lá lhes poderia tocar e que os meus desejos se realizariam.”
“E qual é o teu desejo?”, perguntei.
“Neste momento…tu”.
Os nossos olhares fixaram-se, aproximando os nossos rostos e fazendo com que os lábios se tocassem.
Que beijo tão suave e doce.
Eu amava-a. Eu queria tornar os seus sonhos realidade.
Uma tarde, antes de nos despedirmos, sussurrei-lhe ao ouvido:
“Esta noite vais mais alto. Esta noite vais tocar nas estrelas.”
E entreguei-lhe uma chave. Uma chave para a Torre.
Os olhos dela ganharam um brilho maior que o do sol.
Abraçou-me.
“Obrigado! E tu? Vens comigo? Queres ir mais alto e sentir como é tocar numa estrela?”
“Eu já senti. Eu já te toquei.”
E assim nos despedimos.
Na noite cerrada, caminhei em direcção à Torre Eiffel.
Parei na ponte onde sempre a costumava ver.
Olhei para o topo da Torre e vi uma silhueta.
Uma silhueta esbelta e mais brilhante do que o anel de diamante escondido no meu bolso.
Tocava nas estrelas pedindo os seus desejos. Estava lá, mais alto.
A mulher a quem entreguei o meu coração.
A mulher que amo.

© Fox 2017 #69Letras

TUDO PODE ACONTECER!

Hoje gostava de adormecer aconchegado
Na rebeldia dos teus cabelos
Viajar na tua pele, sedosa
Que me arrepia os pêlos.

Gostava de ouvir, baixinho
O sabor dos teus beijos
Ler as frases que escreves, na mente
Que despertam-me os Desejos.

Gostava de viajar nos teus sonhos
Sem rumo ou direcção
Abrigar-me no brilho dos teus olhos
Habitar no teu coração.

Gostava de abraçar o teu perfume
Respirar o teu abraço
Saber que este Amor, Amor
É mais forte que o aço.

E se achas impossível
Tudo o que acabei de escrever
Digo-te que no Amor Verdadeiro
Tudo pode acontecer!

 

©Poeta solitário 2017 #69Letras

Renasci

No dia em que apareceste, renasci
Renasci das cinzas como uma fénix
O meu corpo despertou de um sono cinzento,
Com o teu toque.
O calor do teu beijo foi como se estivesse a ser banhada pelos primeiros raios solares.
O teu olhar coloriu o inicio da minha nova vida.
O inicio e o fim da nossa história.
Foi contigo que voltei aprender a viver, a deixar o meu coração amar outra vez.
Aprendi a sorrir de novo, aprendi a ter uma
Perspectiva de vida diferente.
No dia em que apareceste, foi o melhor dia da minha vida.
Foi o dia em que fizemos história.
A nossa história
©Lola 2017 #69Letras

Regresso

Foram tantos dias e noites sonhando quando te veria.
Foram tantos anos sem te ter na minha cama, sem um carinho teu.
Sentir o teu corpo, ouvir a tua voz sussurrar safadezas ao ouvido,
O teu olhar que me fazia afundar e perder me na imensidão desse brilho de amor e paixão.
Sentia me perdida, vazia.
Quando aquele toque de telefone soou no silêncio do quarto, não quis acreditar.
Dizias que estavas de regresso, querias me rever, estar comigo
Matar saudades, mesmo que fosse por pouco tempo.
Pois o teu trabalho assim o exige.
O meu coração acelerou, o meu sorriso parecia de uma criança que recebe um doce
Sim, tu és o meu doce, o meu vicio.
Sinto a tua falta.
Quero voltar a sentir o calor do teu beijo, a ternura do teu olhar
A tua fome insaciável por mim.
Que bom! Regressaste!
©Lola 2017 #69Letras