Arquivo de etiquetas: mulher

Eu ainda lembro…

Não estás a ser justa!!
Porra!!
Pediste pela tua sanidade mental que te deixasse ir…
E a minha sanidade??Apareces assim??
Com esse ar de mulher bela e quente…
Olhos rasgados!!
Boca semi aberta pelo sorriso e por promessas de prazer…
Sim!!
Eu lembro bem desse vestido… Continuar a lerEu ainda lembro…

Nossa gordura não deve nada a ninguém!

Todos os dias me olho ao espelho e vejo isto.  Ainda esfrego os olhos, na esperança que eles sofram de algum síndrome de aumento mas não. 

Aquela no espelho sou eu e aquela arrasta o meu eu para a lama.
Complexos? Não! Vergonha? Muito menos!
É o reflexo daquela nos outros que me atinge. Porquê?
Porque deixo de ser “a” para ser “uma”. Perdemos a identidade na gordura…
E se não temos identidade, não somos membros da tal dita sociedade onde a minha palavra talvez até fizesse diferença. Quanto mais não fosse para os meus…

Deixamos de ser mulheres para sermos seres gordos sem interesse. Seres incapazes, ignorantes, insensíveis e desinteressantes.
É assim que a sociedade ainda nos vê.
A sociedade que critica, julga e condena.

Eu até me estou pouco marimbando para a sociedade mas os efeitos na geração do amanhã preocupa-me.
Sim, além de ser gorda sou mãe.
Uma mãe que dedica mais tempo aos seus que a si própria, sei. Mas não deixo de ser gente! E também sou sexy, sensual e até, espantem-se agora membros da sociedade critica, capaz de proporcionar e ter prazer.

Passo também a avisar que a minha gordura não roubou nada a ninguém, não vende droga a adolescentes, não matou em nome de pseudo religiões ou por psicopatismo, não violou nenhuma criança ou adulto e muito menos agride fisicamente ou verbalmente arbitrariamente em casa!

PORQUE ISSO É QUE É VERGONHA!

Dito isto, é justo dizer que a minha gordura, igual à de tantas outras pessoas, não deve nada a ninguém! Pode sair à rua orgulhosamente e de cabeça erguida!
Portanto, abram alas e deixem-na passar!

©Miss Steel 69Letras 2017

Tempos de Verão e vaidades

 

Pensar no Verão é pensar em corpos vestidos de muita pele…
Tempos em que se distingue bem a beleza e a vaidade.
Gosto da beleza que sobressai por si mesma…
Gosto de mulheres que me fazem delirar com o que não mostram…
Gosto de corpos que com os jeitos prometem certezas…
Gosto das faces que aquecem como o sol…
Gosto que me provoquem com o que não se vê…
Gosto do que se esconde sem conseguir a um olhar mais atento…

©Read Mymind 2017 #69Letras

Eu, tu e uma dúzia de gaivotas…

Deslizo os meus dedos macios pela tua pele eriçada, como que numa dança de cereais maduros nos longos campos livres da Califórnia do Sul, à mercê do vento e com sabor a maresia. Aprecio o teu tremor.  Demoro-me.
Dedilho calmamente o teu dorso como numa valsa de Viena, sem pressas, e empenho-me na descoberta incessante do estimulo dos teus sentidos.
Perco-me livremente pelos teus sinais, deixo-me conduzir por eles, percorro-te sem destino.
Provo dos teus lábios molhados de sal em beijos demorados com sabor a pecado e a ternura, enquanto que afago o teu cabelo contra o meu peito.
Ao longe, o sol demora a esconder-se. A praia está deserta, estamos apenas nós a contemplar o momento, abraçados, longe de tudo, com o coração cheio de emoção e mais uma dúzia de gaivotas.
Os nossos corpos abraçam-se, entrelaçam-se, fundem-se. Penetro-te, sinto-me a deslizar calmamente pela tua vulva que me chama. Contorces-te. Aconchego-te. Percorro o teu pescoço sem pressas com o meu arfar quente, já agitado. Suspiras, soltas um gemido mais forte, afugentas as gaivotas. Despertas em mim o meu lado secreto, adormecido. Sinto-me empolgado. Sinto-me teu, neste fim de tarde, onde abraçados a ver o pôrdo sol, quiseste ser minha.

Simpatia com a Gata Borralheira

Eu não sou aquela mulher que arregaça a saia para que lhe vejam as pernas.
Nunca serei a mulher que se resigna ou que se cala por medo de ser sózinha.
Adoro a solidão e prefiro-a a falsos lugares para ficar. Não sou mulher de uma noite e quando chego é para ficar a vida inteira. Continuar a lerSimpatia com a Gata Borralheira

Eu juro que poderia ser feliz

Prometeram-me a felicidade, continuo sentado pacientemente à espera, numa espera sem esperança, como quem espera por quem invariavelmente não vem.
Será a vida mesmo assim?
Será a felicidade um momento e apenas isso? Um conjunto deles? Uma mão cheia de “ais”?
Ou será algo que só está ao alcance dos escolhidos pelo criador?
Sabes, eu julgava ser feliz nos nossos momentos de prazer, nos nossos momentos de loucura, nas nossas fantasias e devaneios tresloucados dentro das quatro paredes do nosso quarto de hotel, naquelas tardes em que teimamos incendiar a nossa cama a cada beijo, a cada penetração, a cada gemido, a cada grito de prazer.
Eu juro, se não fosse este vazio que me assola quando bates a porta do carro, com esse olhar minguante e esse teu passo apressado, eu juro que poderia ser feliz.
#PSassetti
#69Letras 20.06.2017

Sinto-te minha, no silêncio da manhã

Quando cheguei, tu já la estavas.
Na minha mesa, tudo estava perfeitamente alinhado como eu gosto. A agenda de hoje é extensa, os assuntos são delicados, complicados até, mas o teu empenho na organização do meu dia trará os seus frutos como sempre, tudo fluirá sem percalços, sem surpresas.
Que seria de mim sem ti?
Sabes, gosto de te ter aqui por esta hora, quando todo o edifício ainda é só teu, ainda bem antes do frenesim e do ruído dos dias que irá invariavelmente invadir este espaço calmo e sereno.
Gosto de ouvir os teus saltos no velho soalho de madeira, nada apressados, mas empenhados, assertivos, compassados, como que numa valsa que só tu sabes dançar.
Gosto dos teus lábios sinuosos, quase tão sinuosos como o cume elevado dos teus seios, que teimas esconder-me por detrás desse decote que me enlouquece.
Gosto da tua pele morena, de mulher quente, africana, crepitante, com sabor amargo a terracota, gosto do teu cheiro suave e desse olhar que me lanças com os teus olhos cheios de tesão sincero.
Quero-te.
Sempre te quis.
Sempre te desejei.
Será que sabes?
Será que também tu me desejas?
Sabes, Imagino tantas vezes o barulho do teu vestido a ecoar sem rédeas no chão encerado do meu gabinete, o desapertar apressado do teu soutien rendado, deixando livres esses teus seios fartos que me enlouquecem, o rasgar sem piedade das tuas cuecas quando os meus dentes, sem reservas, as arrancam de uma vez.
Imagino o timbre dos teus gemidos, dos teus ais, dos teus gritos de prazer, enquanto que a minha língua desliza sem pressa nessa tua vulva em erupção, ou quando os teus orgasmos abundantes te fazem gritar bem alto o meu nome, entre o teu arfar e os espasmos compassados que farão o teu suco jorrar abundantemente na minha boca. 
Fantasio contigo debruçada na minha mesa, de pernas ligeiramente afastadas, com o rabo bem empinado, pronunciado, contorcendo essas curvas de sedução à espera de que de uma vez, e sem contemplações, o meu membro o invada até ás profundezas de ti.
Parece que oiço o som dos meus testículos a baterem forte na tua vulva encharcada, enquanto que o meu membro chega cada vez mais fundo nesse teu rabo que me suga. 
Sinto em mim todo o meu sangue a ferver, as veias do meu membro enrijeceram, estão agora bem visíveis, duras, todo o meu suco desliza em mim de forma abundante aproximando-se da saída, a minha glande cresceu, o teu suco é agora também abundante, sinto-te encharcada nesta nossa cavalgada desenfreada.
O fim está próximo, não aguentarei muito mais, tu sabes isso, mas não te incomodas, pois saberás aproveitar cada gota do meu suco como se do elixir da vida de tratasse. 
Diz-me, será que amanhã poderás vir novamente mais cedo?
#PSassetti #69Letras 07.06.2017