Arquivo de etiquetas: Misses Kat

Posições sexuais e tal e coisa

Hello pestes dos infernos como vai isso?Espero que tudo em cima.
Literalmente, mas se não estiver fiquem a saber que existe medicação pra tratar disso.
Ora bem todas as semanas tenho vindo a “falar” sobre BDSM e afins mas a verdade é que há tanta coisa do BDSM que poderia escrever e não o faço.
Acho que vos devo uma explicação, ao contrario dos outros autores eu não tenho jeito pra escrita.
Mas aposto que isso vocês já sabem, então escrever sobre coisas que não gosto ou não me dizem nada não é fácil e soa tudo a documentário da BBC vida selvagem.
Como não quero isso nesta rubrica fico-me pelo que sei e não gosto de inventar.
Simmmm, porque eu tenho amigos que são almas caridosas que me vão dando ideias.
Mas são ideias que iria resumir tudo numa frase ou duas tipo.
Isto é assim, faz-se assado e sabe a cozido…O FIM
E depois há a vertente choné, se é assunto que não posso meter um piada aqui ou ali não me chama.
Depois ainda há outro factor nem tudo o que gosto, faço ou fiz posso escrever.
Imaginem lá vocês se a minha mãe dá com isto?Lololol brincadeira a minha mãe ia meter gosto e escrever um comentário catita do gênero depois de partilhar.
-“Ahhh granda filha a dar porradinha nos submissos, que orgulho!!!”
Basicamente é isso, então fugindo um pouco a açoites e algemas vou falar de posições sexuais.
Continuar a lerPosições sexuais e tal e coisa

Prendas e Tributos

Oi gente gira mais uma vez cá ando eu nas conversas sem mordaças.

Estive de férias e soube-me que nem ginjas andei a ver se arranjava inspiração e assunto também lol.

E face a um acontecimento resolvi falar de prendas e tributos ou que lhe quiserem chamar.

Uma coisa já vos expliquei a diferença de uma Domme tributada para outra Domme que não seja.

Mas a verdade seja dita se querem agradar a uma Dominadora têm de se preparar para aprender a dar boas prendas.

A não ser que arranjem uma como eu que fica toda feliz e contente com gomas e chocolates e sapatos lol, pois mas eu sou esquisita e não tenho jeito pra receber prendas prefiro dar.

Estranho né? Já tentei perceber o porquê de ser assim e cheguei á conclusão que deve-se ao facto de não querer me sentir comprada ou que o meu amor ou atenção está a ser pago, mas estou a melhorar com o tempo.

Pois mas nem todas são assim, se arranjarem uma Domme sofisticada e com gostos dispendiosos temos pena não é para todos é só para quem pode.

Talvez visto de fora para quem não vive neste meio possa achar que uma Dominadora é interesseira ou que espera bens materiais em troca de algo.

Mas pensem lá um pouco comigo, por norma uma Domme tem muita e quando digo muita é mesmo muitaaaaaa oferta.

Pode literalmente escolher a nata da nata dos submissos, isto seja fisicamente ou financeiramente.

E vocês acham que os corpetes, sapatos, brinquedos e material necessário cai do ar?

Não , são elas que compram com o seu dinheiro e tudo o que envolva as preparações idem.

Custa caro ser Domme para que conste.

Não é só chegar ali estar nua e tal….lol temos de estar vestidas para a ocasião e ter material e uma panóplia de coisas.

Claro que não é necessário ir ao cabeleireiro e fazer as unhas comprar roupa nova para cada sessão mas algumas fazem-no e é mais que justo que sejam mimadas pelos respetivos submissos/as.

Jantares , perfumes, flores, sapatos, brinquedos sexuais, viagens etc são coisas que a maioria das Dommes espera vir a receber da parte submissa.

Eu pelas razoes que expliquei á pouco não me sinto confortável com prendas mesmo que saiba que a outra pessoa possa perfeitamente pagar.

Prefiro mil vezes uma caixa com imagens de gatinhos que lá dentro trás uma data de gomas e um peluchinho fofo a um jantar que custe 300 e tal euros e eu fique a olhar pro comer com cara de caso a pensar prós meus botões .

“É bom que este risoto de lagosta seja a coisa mais deliciosa que comi na vida senão mais valia ter comido uma lasanha que arroz com umas ervinhas não enche ninguém.”

Acho que já entenderam que não sou das mulheres mais requintadas e sofisticadas lol mas juro que foi isso que me passou pela cabeça e por acaso estava ótimo mas mesmo assim achei um desperdício de dinheiro.

Eu prezo outras coisas nas prendas que recebo, geralmente quero que tenha uma historia por detrás da prenda ou que seja algo que me faça rir.

Felizmente recebo muitas dessas 🙂

Para que saibam algumas Dommes têm wishlists no amazon e outros sites semelhantes onde mesmo que não seja dos seus submissos qualquer um pode comprar coisas que a mesma quer ou precisa.

Já me perguntaram porque não o faço, eu cá acho um pouco estranho mas hey muitos submissos mesmo sem terem fetiche por FinDom (Financial Domination) gostam de presentear as Dominadoras com quem falam apenas por despenderem o seu tempo ou retribuir a gentileza de dar referencia a uma outra dominadora daquela pessoa em questão .

Não condeno quem peça uma data de tributos antes da sessão e entendo perfeitamente os motivos que levam a os pedir, falando de Dommes que não sejam profissionais claro.

Eu sou feliz do jeitinho que sou, com t-shirts estranhas, gomas, disparates e idas á Iberanime ou á ComicCon e continuar a aterrorizar as funcionárias das sapatarias ehehehe.

Portem-se mal uma beijoca,

©MissesKat #69Letras

 

 

Oiiiii cambada como vai isso??? Tudo fixe?

Cá estamos nós mais uma vez pra falarmos de cenas e BDSM e tal e coisa.

Esta semana vou fazer novamente um género de questionário a um amigo e praticante á semelhança dos outros questionários assim ficam com vários pontos de vista, pois somos todos diferentes e cada experiência é vivida de forma diferente.

De forma a manter anonimato vou chamar de “Bruno”.

Com que idade tomaste consciência que gostavas de dominação/submissão?

-Desde que me lembro tenho fetiche por pés desde os 5 ou 6 anos, tomou outras proporções por volta da minha adolescência onde descobri o meu lado mais submisso quando lidava com o sexo feminino.

Algo que mantive como segredo e só passado vários anos é que consegui ter coragem para desenvolver este lado submisso e fetichista interagindo assim com outros praticantes.

Tens muita dificuldade em encontrar Dominadora ou sempre foi fácil encontrar pessoas com gostos compatíveis?

-Pela minha experiência existem muito poucas dominadoras que realmente sintam e vivam o BDSM.

É um mundo muito egoísta e egocêntrico onde as pessoas se deixam levar pelos seus caprichos não tentando explorar e procurar conhecimento para evoluírem dentro do meio e como praticantes.

 

Dentro da BDSM o que gostas mais ou quais as práticas que te seduziram mais?

– Sou um Fetichista por natureza e sempre senti atração por este meio mas foi o fetiche por pés que levou o meu lado submisso procurar algo mais forte e que fizesse sentido para satisfazer o meus desejos, de tudo o que já pratiquei a entrega é sem dúvida o que mexe mais comigo, poder me entregar a alguém sem medos e sem limites.

Conta-me como foi a tua primeira experiencia com uma dominadora, foi como pensaste que seria?

 

Alguma vez sentiste receio por teres estes gostos?E desejaste que a submissão não fizesse parte da tua vida?

 

– Sim senti receio porque sentia-me desenquadrado da sociedade e da realidade que vivia, mas após o aparecimento da internet tudo mudou comecei a pesquisar a procurar informação e a tentar encontrar pessoas com os meus gostos e desejos.

No que diz respeito á submissão não me vejo a ser de outra maneira, eu sem este meu lado não era a mesma pessoa, custou um pouco a deixar sair este meu lado que sem ele não era eu próprio.

 

Eras capaz de misturar D/S com a tua vida baunilha? Ou achas que são coisas que a longo prazo acaba por ser incompatível manter ambos estilos de vida?

– Sempre me questionei sobre isso e por experiência acho difícil uma relação Baunilha vir um dia a dar em uma relação D/s saudável ao contrário já acho que tem tudo para dar certo porque as pessoas se conhecem num registo diferente onde a confiança e os limites, gostos e taras são postos á prova e estão em cima da mesa.

Diz-me tens algum conselho que queiras dar a quem está a querer ter o BDSM como estilo de vida?

-Que se conheçam bem a si mesmos, que aprendam e deão a oportunidade de conhecer verdadeiramente os outros sem julgamentos ou juízos de valores.

Que vivam e experimentem novas sensações, cheirem outras imagens e vejam outros sons.

O BDSM é mais que dar e receber uma palmada.

 

E ficamos por aqui, quero agradecer ao Bruno a sua participação e já sabem 69´nrs aproveitem a vida e não deixem para amanha o que podem fazer hoje.

Aqui a Kat vai pra piscina que está de férias.

A ver se apanho uma corzinha pra não parecer um zombie.

Beijos no tornozelo das meninas e um calduço aos gajos.

©MissesKat #69letras

 

Conversa com a Kat

Oi bichezas mais boas, como correu a semana?

Portaram-se mal? Espero que sim, senão ando aqui a gastar o meu latim pra nada.

Hoje o tipo de conversa é outro, não vou explicar nada nem dizer chonezices resolvi vos mostrar uma conversa com uma menina linda que é praticante de BDSM, fiz-lhe umas perguntitas e ela teve a amabilidade de responder.

Continuar a lerConversa com a Kat

Fobias sexuais e coisa e tal

Oiiiiiiiiiii doidinhos como estão? Tudo em cima?! Se estiverem em baixo também não faz mal, depois de ler ficam mais animados de certeza.

Na semana passada falamos de fetiches sexuais por isso para completar a coisa resolvi falar de fobias sexuais e as esquesitices irracionais que muita gente tem.
Preparados?! Bora lá então. Continuar a lerFobias sexuais e coisa e tal

Fetiches Incomuns

Olá olá, cá estou eu mais uma vez na continuação da semana seguinte para vos trazer mais uns fetiches bem catitas.

Decidi só vos mostrar os que acho mais estranhos e fora do comum, vamos a isso?

Acrotomofilia – Pois bem quem tem acrotomofilia sente atração por pessoas que tiveram partes do corpo amputadas ou que simulem que tenham uma parte do corpo amputada. Continuar a lerFetiches Incomuns

Baby Kat, Big Kat

Oiiiii malta gira cá estou eu de novo, mais uma quarta feira que vocês levam comigo.
Epahhh levam comigo salvo seja, que não estou de strap-on posto, ninguém leva com nadica de nada, mas talvez gostassem, vá admitam !
Pois bem pessoal eu acho que no começo vos tinha falado que além de explicar alguns termos técnicos e práticas e blá blá wiskas saquetas também iria escrever sobre situações reais e relatos de amigos etc e tal.
Hoje vou contar uma pequena história que se passou comigo.
A verdade é que nem sempre fui Domme, era bom mas ninguém nasce ensinado e eu devo muito a uma pessoa da minha vida que foi quem me mostrou como o BDSM e eu tínhamos de estar ligados e fazia parte da minha vida mesmo sem eu naquela altura saber.
Bem cá vai, não é coisa que costume dizer a torto e a direito, só contei a meia dúzia de gatos pingados mas estou num ponto da minha vida que sinceramente a opinião de terceiros é-me um pouquito indiferente.
Sei quem sou, o que sou e o que valho.
Aqui a Kat começou nestas andanças como gatinha/Kitten ou melhor “Miauzinha”que era o meu nome, pronto já disse.
Esta alcunha de Miau, Gata ou Gatinha já existe na minha vida desde a adolescência e vou ser velhinha e algum babão no lar vai me chamar de velha gatona.
Pffff não era submissa pois nunca me iria submeter no sentido que a palavra tem, e como já expliquei a capacidade de ser submisso nasce com uma pessoa, não dá para se tornar ou tentar ser.
E eu realmente não dava para submissa, mas pronto, na altura não havia tantos termos e acesso a informação.
Pois bem a baby Kat apaixonou-se na altura por uma pessoa que era Switcher, como sabem nutro um grande respeito por SW´s pois para mim, como costumo dizer, são os mais completos dos praticantes e com uma certa lógica.
Era bem mais velho que eu, como quase todos os homens da minha vida são sempre mais velhos que eu …Tipo 10 anos para cima eheh…..
Na altura a coisa começou de forma muito orgânica e natural pois além de eu ter uma postura dominante e activa no sexo também gostava da parte passiva e até meter um pouco de masoquismo à mistura.
E foi assim que aos poucos ele foi feito malandro introduzindo plays no contexto de relacionamento baunilha e sexo baunilha tornando a coisa, como alguns dizem, baunilha apimentado vá.
Depois devido a práticas mais complexas lá tive coragem de perguntar como sabia fazer aquelas coisas e ele revelou-se, se já gostava dele na altura fiquei a gostar mais ainda.
Então lá fui aprendendo as coisas aos poucos com muita paciência da parte dele e devoção pois eu era “UMA PESTE DOS INFERNOS”.
O que agora chamam de Brat´s, blahhh não tenho paciência para Brat´s.

 Já agora posso explicar os Dominantes  que gostam de Brat´s são chamados de Tamer, eheh Domadores, é que não podia ser mais adequado.

Um animal selvagem a ser domado, bem, pode-se vergar mas vira as costas e se puder ataca, eu era um pouco assim, só baixava a cabeça quando queria brincar senão tava tudo estragado que não havia cá “Miauzinha” para ninguém lol.
E assim de mansinho e com muito castigo à mistura, sim porque eu não era submissa mas a parte física e disciplinar sempre me agradou então fui castigada muita vez porque vá, tenho de assumir, só fazia merd@ para ele me fazer maldades.
Mas lá está nunca me quis entregar ou só permitia até certo ponto, quando via que a coisa já não dava para mim torcia o nariz e batia o pé.
Coisa de Rainha como é óbvio, como vos expliquei ele era Switcher então também me permitiu aprender e treinar nele.
Ainda me lembro da primeira vez que o pude marcar, mas marcar como deve ser e fui feita parva exibir a minha bela arte feita nas costas dele a uma amiga minha.
Ele todo envergonhado e eu orgulhosa de ver aquelas costas num péssimo estado e ela achou o máximo.
Acho que no caso dele ainda era mais humilhante porque eu era uma catraia e ele já um homem feito com idade para ter juízo, mas no que tocava à minha pessoa perdia o juízo todo.

Era tão bom quando eu ia trabalhar e ele dispendia de umas 4 a 5 horas para ficar num canto a ver-me trabalhar, apenas isso.

Quieto, num espaço comercial, feito estátua a ver-me, porque para ele simplesmente olhar para mim era algo que o preenchia e era mais que suficiente.
Tenho que lhe agradecer pelas palmadas que me deu e ensinou a dar, posso-vos dizer que recentemente fui assistir a um play em que uma pessoa levava com um flogger, mas quem estava a dar não tinha experiência ou conhecimento de como o fazer.
Era tipo test drive vá, a rapariga estava lá consciente que isso lhe poderia acontecer e a qualquer momento poderia interromper, bastava uma palavra.
Mas não posso deixar de dizer que fiquei um pouco revoltada e até me ausentei da sala para fumar, beber e fechar os olhos.
Pensei: “Calma ela está bem, ela pára quando quer”.
Não gosto deste tipo de situações por uma razão: imaginei-me na pele dela, aquela pessoa não lhe era nada, não tinha amor, não tinha sentimento de pertença, nada, nem uma amizade vá, para poder estar à vontade, a mim já bastava isso.
E sei o que custa levar com um flogger e que mal ou bem convém ir mudando de local, ir alternando, variando a força a distancia etc e tal.
Cada vez que ele não mudava, algo em mim me deixava desconfortável.

Talvez porque sabia que a pessoa em questão não é muito masoquista então apanhar por apanhar é tipo o oposto do que ela gosta, precisa de outro tipo de estimulos.
Sei que o facto de me ter iniciado assim me torna um pouco mais compreensível ás necessidades de quem me pertence e de outros.

Assumo que não sou uma Domme muito sádica e isso não tem mal nenhum.
Gosto de ser adorada e venerada pelo que sou.
Entendo que muitos SW não digam o que são não pela vergonha ou assim, mas pelo facto de neste meio, quando se sabe que existe essa possibilidade, muita gente abusa da confiança e acham que podem tratar de forma diferente e da forma que querem só porque têm essa informação.
Mas as coisas não são assim tão lineares, Sou Domme, já fui Switcher neste momento masoquismo apenas em contexto sexo, nada de Dominação/Submissão.
Por isso de forma alguma devo ser tratada de outra forma que não como se trata uma Domme.
Um dia conto algumas peripécias da “miauzinha”, espero que tenham gostado da conversa que mais pareceu uma sessão com um psicólogo ehehhe.
Gosto de sessões mas de outro estilo.

Fiquem bem 69´nrs e não se esqueçam, sejam vocês tarados ou não, kinksters ou totalmente baunilhas o que interessa é que se sintam bem com o que são e não reprimam vontades e desejos.
A vida são dois dias e quando dás por ti podias ser mais do que és hoje.
Por isso divirtam-se, uma beijoca gorda cheia de cuspo.
©Misses Kat #69letras