Deixas?

Tu! Sim, tu! Será que me “lês”? Será que sentes o que escrevo? Deixas-me imiscuir nos meandros da tua mente, nos lugares mais recônditos, que ocultas aos demais, e revelar esse teu lado que me fascina? Será que consigo? Uso as palavras na esperança de ser lida, e que através delas consiga levantar esse véu,…

Perfume…

Hoje não sou eu… Também tenho os meus momentos de insanidade controlada que me descontrola.

Vendo-te, prendo-te e liberto-te…

Vendo-te, prendo-te e liberto-te… Deixo que a ansiedade da privação dos sentidos se apodere da tua mente e do teu corpo… Não me vês, mas sentes-me, posso ser eu como sou, fazer o que me dá prazer, porque no fundo também o estou a dar a ti… Sei que gostas… Esta troca de papéis no…

Reino em ti como reinas em mim…

O meu reino é a tua Alma e o teu corpo… Os teus traços felinos são enaltecidos pela luz da Lua, em contraste com a escuridão que te abraça a Alma, numa dualidade de sentidos que por vezes chocam e se torna num vazio imensurável que, tal como um íman, é atraído pelo meu desejo…

Hoje é o dia?

Um dia vais ser meu! Amanheço lentamente, ao som do bulício de uma cidade que desperta cheia de oportunidades e desejos, e não consigo deixar de te pensar. Perco-me na criatividade dos teus passos nus e no gosto dos gestos meticulosamente calculados com os quais te preocupas somente para me agradar. Deixo de me preocupar…

Deixa-me…

Deixa-me conhecer esse teu eu oculto que se estranha, que em mim lentamente se entranha, por ser tão à minha medida, deixando-me tão rendida, ao desejo de querer saber mais, de como te despertar todos os ais, num jogo de luxúria e prazer, onde impera o querer, na volúpia de um beijo, que provoca tanto…