Arquivo de etiquetas: livro

Pedaços…

Pedaços…

A minha vida não passa de pedaços, pedaços de mim, como um livro em que foram arrancando folhas e cada folha desfizeram em mil bocados.

Cada dia, cada folha, é uma página da vida que tento virar mas insistentemente teimam em rasgar, seja com palavras ou com atitudes, que cortam, magoam e ferem.

Mas são pedaços que fazem parte de um todo, esse todo que sou eu, é o meu ser, e que merece bem mais do que ser uma amálgama de papeis rasgados desordenados e sem sentido, à espera de alguém que os ajude a juntar.

Alguém que me dê força para que volte a ser de novo um livro, com todas as folhas, pleno, completo e com uma nova história para contar.

Miss Kitty #69Letras

Existir alguém que se queira viciar em tudo o que és…!

12631555_1654296581482739_125314832013827943_n

 

 

 

Existir alguém que vê em ti beleza por seres humana, uma pessoa real defeituosa e querer-te assim sem seres perfeita é dos mais belos sonhos.

Existir alguém que se queira viciar em tudo o que és, descobrir-te como a um livro, a cada linha empolgado por mais, folhear-te co, admiração, ler-te nas entrelinhas, dar-te a mão e viajar contigo é do mais precioso que há.

Sorrires porque és divinamente desejada e que de todas as escolhas só podias ser tu a escolhida a única companheira capaz de se aventurar numa viagem sem regresso, partir sem saber quando voltar, cegamente caminhar disposta a estar ao seu lado e aguentar as tempestades, as lágrimas a sede e o cansaço.

Existir alguém que te quer ver a voar guiar-te pelos desafios, ver-te libertar e se libertar de tudo o que o envolve apenas para mergulhar na imensidão do que sentem e ali ficarem com o eternos amantes é o que mais desejo.

?A Vizinha #69Letras

O Livro.

13434174_2021418201417190_755209573_n

Texto Erótico|M18Há dias em que sinto uma dor interior aliada a um desejo gritante, daquele tipo de desejo que parece não ter fim e hoje é um deles…

É nesses dias que imagino tudo o que é passível de ser imaginado. É nesses dias em que vasculho as gavetas à procura de um sex toy, que possa de alguma forma aliviar-me, mas foram, todos, parar ao lixo, num daqueles dias de raiva total, em que apenas queria esquecer o teu toque, a tua pessoa.

Enfio-me na cama, com ” Pede-me o que quiseres …” da Maxwell Cromwell, que raio de livro para me fazer companhia. Engulo em seco a cada linha que leio…. tudo tão diferente. Sinto como se eu fosse a “Jud” e o meu corpo mostra-o da única forma que sabe.

Os meus seios inchados e ardendo de encontro aos lençóis. Toco-lhes, estão tão doridos… As mãos descem até à minha parte mais intima. God!!! Como estou molhada …. O meu clitóris ergue-se, sensível e duro. Deslizo para dentro de mim e aperto-me enquanto me toco e os meus dedos entram e saem de mim de modo perverso, fazendo-me gemer e gritar de cada vez que me venho, pensando que sou eu, dentro das páginas daquele livro….

 

The Oyster #69Letras

Amores desencontrados…

ELE anda cansado das baladas e dos casos furtivos sem sentimentos. Aprendeu a gostar da sua própria companhia, sem precisar estar num grupo de amigos todos os sábados. Decidiu que quer um amor verdadeiro… que pode nem ser eterno mas que traga um sabor doce às suas manhãs, que seja a melhor companhia para olhar a lua, que ele possa exibir os seus dons na cozinha e o seu conhecimento em vinhos, só para ela.
Quer uma mulher que ele reconheça pelo cheiro dos cabelos, pelo toque dos dedos, pela gargalhada que vai ecoar pela casa transformando um domingo sem graça, no melhor dia da semana. Quer viver uma paixão tranqüila e turbulenta de desejos… quer ter para quem voltar depois de estar com os amigos, sem precisar ficar “caçando” companhias vazias e encontros efêmeros. Quer deitar no tapete da sala e ficar observando enquanto ela, de calção de algodão, com a minha T-Shirt e um rabo de cavalo, lê um livro no sofá. Quer deitar na cama desejando que ela entre no quarto em lingerie de tirar o fôlego.
Quer guerra de travesseiros, até que o vencido vá á cozinha buscar água para saciar a sua sede. Quer o poder que nenhum dos seus super heróis da infância tiveram… o poder de amar sem medo, sem perigo e sem ir embora no dia seguinte.
Quer provar que pode fazer essa mulher feliz!

ELA quase deixou de acreditar que seria possível ter vontade de se envolver novamente. Foram tantas dores, finais, recomeços e frustrações que pensou em seguir sozinha para não mais se magoar. Então percebeu que a vida de solteira já não faz tanto sentido. Decidiu que quer um amor verdadeiro… que pode nem ser eterno mas que possa acordá-la com um abraço que fará o seu dia feliz. Quer um homem que ela possa cuidar e amar sem receios de que está sendo enganada. Quer a alegria dos finais de semana juntinhos, as expectativas dos planos construídos, o grito de “golo” estremecendo a casa quando o equipa dele estiver a ganhar… a cumplicidade em dividir os segredos.
Quer observá-lo sem camisa, a ler o jornal na varanda… quer reclamar da bagunça da casa de banho, rindo e gritando quando ele responde puxando-a para o chuveiro, completamente vestida.
Quer a certeza de abrir a porta de casa e saber que mesmo ele não estando, chegará a qualquer momento trazendo o brigadeiro da confeitaria que ela gosta tanto. Quer beijar, cheirar, morder, beliscar e apertar para ter certeza que a felicidade está ali mesmo… materializada nele.
Quer provar que pode fazer esse homem feliz!

ELES estão por aí… sonhando um com o outro… talvez ainda nem se conheçam… mas é só uma questão de tempo, até o destino unir essas vidas que se complementam e estão ávidas para amar e fazer o outro feliz.
Ou alguém duvida que o universo traz aquilo que desejamos?

Autor desconhecido

O Vizinho #69Letras

Vou te deixar…

Vou te deixar, não sei se por breves instantes,
porque o tempo quando se deixa é tão mas tão relativo,
que a vida que pensamos deter em mãos igualmente semelhantes,
bombeia numa velocidade tal que a saudade não é mais que um adeus furtivo.
Constroem se casas pelos alicerces, sobrantes dos despojos passados,
edificam se campos inférteis em que nascem plantas austeras,
soçobram pontes virtuais em ervas daninhas de quintais esfumados,
e o corvo imita vozes de paisagens e sonhos que não passam de quimeras.
Gostava de te poder dizer que não te sinto,
que a vida não e mais do que um canto de ópera audível,
que o riso das crianças no parque é o meu riso sucinto,
que a nascente de agua, é sede de teu corpo sensível.
Mas não digo, não sei até, se o amanhã será hoje,
ou até o agora, que passa num piscar de olhos em volta de mim,
que os segundos em que te encolhes no frio da noite que me foge,
ou a manhã que nasce, e que me recolhe no meu fato de cetim.
Vou vestir uma gravata de saudade, e na lapela levar o teu cheiro pendurado,
em meus bolsos recados penteados em folhas de cartão com teus poemas e versos,
na minha carteira a imagem de teu rosto num peito de coração marcado,
pelo vida que não deixas viver nesta saudade de efeitos diversos.
Vou te deixar, não sei se por breves instantes,
deixo te a janela aberta, para te puderes debruçar,
deixo te toda a lua cheia e todos os quartos minguantes,
e as marés que trazem cores vivas das anémonas do mar.
Segura te com as mãos em minha vida de imagem secreta,
sentindo que aquilo que trago por mais vantagem em teu peito descoberto,
é ser teu jeito, tua marca na cama em leito de nossa vontade escondida e aberta,
de um dia voltar e nesta saudade de não ficar, ser teu poema quente de livro aberto.
Vou voltar, espero que em tempo marcado e viagem tomada,
espero que em lugar sentado e descanso de tua casa de silencio,
ouvir da tua boca que a saudade que tenho não e maior do que a da tua boca calada,
e sentir que volto, no teu sorriso para o um lugar que ainda pertenço.

 

O que seria dos psicólogos e da industria farmacêutica se soubéssemos viver?

6057a1b9e1fe13682fd200b4c9f4470a

Como se alguma vez fosse possível reunir num livro de auto ajuda a formula mágica… não existe formulas nem equações!
Saber viver não é uma ciência exata mas se fosse… não seria aborrecida? Ter o que queremos assim de mão beijada, cada um com os seus interesses acima do interesse dos outros… creio que mesmo assim nunca seria possível encontrar a plenitude… os caminhos chocam-se, cruzam-se e sobrepõem-se.
Não há formulas apenas viver como se soubéssemos o que andamos a fazer e fazer marcha atrás a cada decisão sem saída e escolher outra rota. Todos os caminhos levam a roma mas uns levam mais tempo que outros, depende da distância ou dos obstáculos perante o percurso, o pneu pode furar e ser necessário trocar, ou podemos nos apaixonar a meio do caminho e esquecer-nos da rota… imprevisibilidades! Acontecimentos alheios.
Viver não é um copy paste o que resulta para ti pode não resultar para outra pessoa, então de que serve judiares a vida dos outros, se eles não são quem tu és?
Livros! Coaches! Amigos! Família podem ser as tuas estrelas e iluminar o teu caminho mas quem te guia és tu a ti mesmo.
És tu quem decide quando, como, onde e porquê!
Viver é tudo aquilo que é dito e qualquer coisa mais. Aliás por mais definições que possam existir, para mim, viver é aproveitar aquilo que tenho no imediato e saber desfrutar do mesmo mas sempre com um olhar brilhante e esperançoso fixado nos meus sonhos.
Viver é o que tu quiseres. São as tuas regras, são os teus valores, as tuas crenças, são as tuas vivências! É a tua fórmula mágica. Usa-a! Usa-te! Mantém-te fiel a ti e esquece os outros, eles não ardem pelos teus sonhos e sim pelos deles, centra-te no teu caminho e trilha-o com o teu melhor par de sapatos!
Ainda não chegaste lá… mas a viagem já começou.
Só não desistas!

A Vizinha

Amo-te como se ama a primavera

image

O mundo flui quando me escreves. Desenvolta a paixão que do meu coração brota, como se de uma amalgama de destroços, os reconstruisses fazendo a mais bela essência que me nutre o viver.
Tu és as Rosas que pululam livremente entre Narcisos e Jasmim num jardim oriental que para lá do sol posto, nascem da terra fértil que te faz viver para mim.
Contigo o tempo pára para escutar o meu coração batendo apressadamente na vontade de te querer.
Não consigo imaginar sem te ter, porque simplesmente os cactos floridos num deserto que mais deserto que seja obedece á mãe natureza numa benção ao sol que nele se insere, e mesmo na ausência o sol está sempre presente.
Quando te conheci, não imaginava quanta beleza contens em teu corpo esguio de dançarina esvoaçante que me atordoa o pensamento e a imaginação.
O mundo é grande infelizmente, porque te queria perto, não perto em pensamento porque isso tu estás sempre, mas perto em corpo, para fazer de ti a árvore da vida que brotando em magotes me encheria de amor.
Quando calcorreias a rua nesse teu passo apressado, as pedras pedem desculpa por ter a gentileza e a magnificência de poderem beijar teus pés.
Quando caminhas deixas teu cheiro no ar, curvando arbustos e flores que coram de vergonha perante a tua ágil e forte certeza de seres mais bela que elas.
Tu és o mundo que gira intensamente e dá corda aos relógios da torre mais alta, entre sinos anunciando a tua chegada.
Teus olhos são a virtude de viver e através deles fotografas cada momento de memórias soltas que passeias livremente pelos olhos de outros , como se filmasses tudo em teu redor e focasses a vida de seres quem és.
Olhos diáfanos como se todos ficassem cegos e se sentissem menos seres ao olhar-te de frente, porque a luz que deles irradias reflecte o estado da alma que purifica o negro da vida.
As tuas mãos soltas caminham entre o vento, brincando na forma de transformar a rebeldia do mesmo e formando palavras entre os dedos esguios, numa escrita de pena arcaica num livro agitado pelas folhas soltas da lombada.
Teu corpo é uma flor, aberta colorida, num arco iris multifacetado sendo que das sete cores crias um pantone de cores multiplas, fazendo redopios de primavera em tudo o que é espaço.
Amo-te como se ama a primavera perpétuamente, e nesse imaginário todo, quando me deito, deito contigo e fico a sonhar de olhos abertos á espera que me dês a mão e sossegues o desassossego que me assola a mente.

O Inquilino

?A vizinha #69Letras