Arquivo de etiquetas: Krishna

Meu patrãozinho de que precisas?

Meu lindo patrão…
Hoje é sábado, significa que estou livre de ti.
Santo dia que nada podes fazer!
Para me ver agachada, enquanto o meu rabo salta da saia.
Só para a semana é que voltarás a cobiçar o que não é teu e iluminarás os teus olhos com os meus peitos presos dentro da minha camisa transparente.

Meu patrãozinho de que precisas?


Limpeza no escritório, uma massagem e o tempo passa.
Sei que queres, empregadas assim, espalhadas por todo o teu terreno… a entreter a tua mente para voltares para casa mais uma noite, entediado pedindo que o próximo dia chegue rápido.
Boss boss…


Está cá o fim de semana…!
Acalme essa fúria dentro das suas calças,
Sem vergonha…
Experimente a sua mulher este fim de semana…
Empregue-a na 2f …pois eu pedi o dia!?

 

© Krishna 69Letras 2017                                                           

Noites em branco, dias no escuro

Desde de sempre que me pertence, aquele ser humano…

Que mexe comigo de uma forma diferente, totalmente racional.
Não existe coração, amor já existiu numa era passada.
Mas hoje…
E todos os outros dias, é demasiado fisico.

Noites em branco,
Dias no escuro.


Um desejo incontrolável pela tua busca.
A tua presença é deveras única e rara, quando existida é demasiado aproveitada.
Não podemos conviver muito… a atracção é notada por quem nos rodeia, e o meu interior vibra ao ouvir a tua voz.
Sabes tu.
Sei eu.
Que és um perigo para quem está comigo.
Que tudo em ti estremece ao ouvir o meu nome.
Vamos aumentar a distância entre nós pff…
Prevejo problemas…

 

                                                                                       ©Krishna 69Letras 2017 

Amigas…!

Amigas.

Esta palavra não assenta bem…
São as minhas put@s, as minhas vacas, as minhas atrasadas.
São parte de mim… Umas em activo, outras em passivo.
Não são muitas, mais que suficientes.
Enchem-me a alma, por vezes fod3m-me a cabeça.
É difícil viver sem alguém que nos apoie, são e serão sempre apoios diferentes.
Todas elas distintas e de gostos refinados à maneira delas, alegria nos jantares e ombros na hora do choro.
Heroinas sem capa, de ténis e sorriso esbarrado na cara…
Meus amores de saia… brindemos à amizade!
À eternidade de todas nós que adoramos aterrorizar as mal amadas.
Entre os 4 cantos do mundo, que da distância se faça um Gin tónico e festejemos a reunião desta amizade.

 

                                                                                                                                                                        © Krishna 69Letras 2017 

Vivo e revivo o que me faz bem!

Decidi embarcar na busca da felicidade.
Da minha felicidade.
Decidi ser feliz sem conta e medida,
Sem as opiniões alheias à minha vontade.
Sem falsas moralidades de seres pseudo-superiores,
Vou usar o meu sorriso, aquele que mais gosto,
Pouco me interessa se tu gostas ou deixas de gostar.

Vou agradar quem eu quiser, vou envolver-me com quem me apetecer.
Sou dona de mim, dos meus sentimentos e emoções.
O mundo seria um sitio melhor se todos pensassem assim.
Eu sou livre de espírito, livre de preconceito!


Vivo e revivo o que me faz bem.

© Krishna 69Letras 2017 

Só assim a vida faz sentido…

Tenho tanto para vos dizer…tão poucas palavras para o fazer.
Deparei-me com a criança em mim esta semana.
Ver a vida e a morte a andar de braço dado nesta vida não é fácil.
Mesmo em adultos, não paramos de crescer.
É constante esta grande mudança.
Em todos os grandes aspectos da vida…
Encontrar o grande amor…ou pelo menos o amor.
Encontrar o nosso caminho, turbulento…
Deveras às vezes de caminhar.


Vamos andando…
Correndo e saltando.
Com energia.
Até exausta eu estar.
Porque quando caminho com quem gosto e caminhando por quem merece, o céu limpo fica
O sol ilumina-se por vezes só para mim.

Assim penso..
Assim levo a vida.
Para que ela não custe tanto.

Amem, sempre.
Caminhem, juntos.
Prevaleçam unidos.
                                                                      Só assim a vida faz sentido…

©Krishna 69Letras 2017 

Sejam MULHERES, sem medos!

Todo o ser humano feminino é bonito, sem margem de dúvidas.
Todas diferentes, com mil e uma diferenças, a beleza feminina prevalece na presença, maturidade e naturalidade de cada uma de nós, mulheres.
Desde que nos apercebemos de que ser mulher é muito mais do que um corpo, a mente começa a mudar.
Não há nada mais intrigante do que uma mulher com confiança e segurança no olhar, certo homens???
Essa confiança e segurança vem de nós, de um ser interior que preside bem escondido cá dentro, quando começa a espreitar para ver o mundo que cá está fora, esse ser torna-se forte.
Muito forte.
E ai? A mudança começa.
Metamorfose em preparação para algo maior.

“Ah menina, que bonita que és ”
Claro que sim, ela é bonita.
Tão tenra idade
Tanta confiança.
Tanto brilho no olhar
Esse olhar… mostra menos do que ela na realidade quer.
Esta voz doce que harmonia os dias de qualquer rapaz… é um tesouro de paixão.
Aqueles desejos dos filmes,
Passam pelas fantasias desta já, mulher.

Como?? Como fizeste tal passagem?

Todos os meninos, esses pequeninos…
Que um dia me fizeram chorar, mais tarde aprendi a brilhar repetitivamente como um farol.
Alguém tinha o remédio para o meu crescimento.
Poção mágica, mostrando tanto e tão pouco.
Lá fui eu à procura daqueles prazeres que a vida me mostrou em mísero tempo
Procurei em vários lugares… sim todos eles algo me deram, de diferente.
Todos com um encanto…oh encanto se me entendem… ?
Todos com uma coisas em comum….
Aquele toque sabido,
Vinha sempre com um beijo escondido.
E essa menina… que menina?
”Exacto, essa mulher.”

                                                   Sejam MULHERES, sem medos!

 © Krishna 69Letras 2017

 


“Em cima da cadeira de pele ficou um bilhete…”

Texto/Maiores de 18

5 da madrugada!
Depois de mais uma festa “daquelas” coube-me a mim, como Presidente fechar as portas do Motoclube.
A limpeza fica para mais logo uma vez que o cansaço venceu!
Ouço os últimos “rosnares” de escapes cá fora enquanto os meus “irmãos” mais resistentes abandonam o recinto.
Apagar algumas luzes, quase “jogar à macaca” por entre as várias garrafas espalhadas pelo chão para verificar se tudo fica minimamente no sítio. A música ainda toca, mas desta feita, num tom muito mais baixo.
Entro na sala onde nos costumamos reunir. A mesa enorme de madeira, cravada com as insígnias do Motoclube, as cadeiras que exalam o velho cheiro da pele, ainda estão cuidadosamente arrumadas à volta da mesma. Olho em redor, e no sofá do canto, algo fora do comum!
Aproximo-me lentamente…
O primeiro vislumbre são de uns arrojados cabelos escuros ondulados espalhados por toda uma vestimenta de cabedal bem junto ao corpo, quase como se tivesse mandado fazer aquelas roupas à medida!
Era sem dúvida uma mulher de motas!
Fiquei atónito!
Dormia serena, numa sensualidade selvagem (como seria possível depois de todo o barulho ensurdecedor da festa?) e com um leve sorriso nos lábios! Nunca tinha visto uma beleza assim!
Mas tinha de a acordar. Não podia ter uma estranha (e que estranha!) a pernoitar no Motoclube, muito menos na nossa sala privada!

Penso, mais uma vez para mim…
Hoje é dia de sarilhos.
Vou me vestir, sim vestir e pouca carne à vista. Hoje quero dançar beber e esquecer, o que quer que seja.
Estas meninas de clube, são boas raparigas mas eu não sou para isto.
Sinto que sou uma máquina, um potente cavalo para ser puxado, e com pouca quilometragem. E não. Não sou para qualquer um.
Só estou onde tenho de estar, pela minha presença, não pelas minhas cuecas no chão.
Embora meninas, seja feita a vossa vontade e iremos desfrutar de mais uma noite com os sagrados ‘’irmãos’’, de espirito rebelde e álcool no sangue.
Não variando, o som do Motoclube está sempre ao rubro e eu não aguento! É muito rock, é muito metal e também, muito olhar de lado, senhoras casadas.
Sigo como sempre, dentro do meu cabedal, no meu salto preto e cabelo ondulado…
O balcão é meu, o som é meu e sim os olhares predominam em mim…os bons e os maus…
Sou dura mas sou mulher…e como senhora que pretendo ser, sei me comportar.
Ao ver as minhas ‘’parças’’ caírem que nem tordos no chão, umas desapareceram e rezo que as veja amanhã, decido descansar o corpo num cantinho escondido, na esperança que a ultima se preocupe em me procurar, se quiserem ir para casa… o que elas entenderem com isso.

Ajoelho-me junto ao sofá, contemplando uma última vez aquele seu ar sereno. A julgar pelo tamanho dos seus saltos, tenho plena consciência que depois de a acordar, toda aquela calmaria se vai esvanecer, mas decido avançar.
Afinal de contas, o que se passa naquela sala, fica naquela sala!
Afago-lhe o cabelo com carinho e passo-lhe a mão no rosto. O meu polegar desliza delicadamente pelos seus lábios lascivos…
Instauram-se no meu corpo sinais de que tudo o que mais queria era possuir aquela mulher que se encontra diante de mim!
Fecho os olhos, ao mesmo tempo que a ponta dos meus dedos iniciam um processo de leitura Braille…
O cabedal que aperta os seus seios voluptuosos, o seu corpo completamente enaltecido pela forma como cuidadosamente escolheu aquele “dress code” fazem-me estremecer por dentro!
O meu desejo supremo é possuí-la ali!
Assim!
Despojados de vergonha e sem tabus!
Abro os olhos! E diante dos meus estão os seus, que olham para mim em perfeita sintonia e avidez!

Dei por mim a sonhar, e como é bom sonhar …estamos entregues ao subconsciente e descobri que o meu é um sacana!
A sonhar com o meu próprio adormecer, senti-me.
Toquei-me…(Não me perguntem como)
O meu coração saltava do meu peito sem eu dar por isso.
Num relance pensei…FODA-SE ADORMECI!
E de repente o meu coração parou, quando o vi tão perto tão junto de mim. Morri por instantes ao sentir o toque dele pelos meus lábios…renasci do meu próprio inferno…
Só imaginei o quanto me faria suar e suplicar-lhe por mais.
Rendi-me e num ápice, dois fogosos lábios se tocaram, sem nada dizer.
Que seria preciso dizer?
Ainda não o tenho e sei de antemão que igual não terei. Não esperei, e nem sequer pensei.
O que será será e hoje serás meu.
Agachado ao meu lado no sofá, não hesitei e com as minhas pernas o tranquei, os meus saltos prenderam-no.
Rapidamente o meu cabelo ondulado se transformou em algo selvagem….

Nossos lábios uniram-se num desejo mais que carnal!
Sinto a força das suas pernas enroladas no meu tronco puxarem-me para si! Adoro sentir-me preso pelos seus saltos e de um só movimento, saímos do sofá para cima da mesa!
Sento-a na mesa, abro-lhe apressadamente o casaco de cabedal, para constatar que apenas isso separava o fecho do seu peito!
Os seus rígidos mamilos ansiavam pelo toque quente da minha língua!
Obedeço piamente a esse chamamento e sinto-a gemer de prazer enquanto as suas mãos seguravam firmemente a minha cabeça e os seus dedos percorriam os meus cabelos!
Passo a minha mão no seu cabelo que sensualmente ostenta um punhado deles e lhe puxa a cabeça para trás!
Ouço outro gemido! Desta vez de dor e prazer, acompanhado de um “fode-me agora!”
Puxo as suas calças de cabedal para baixo e já não estou em mim! A realidade já não faz sentido e aquele momento é nosso!
Dispo as minhas calças!
O meu sexo anseia o seu!
Viro-a de costas para mim, cravo as minhas mãos nas suas ancas e penetro-a!
Dor e prazer misturados num só, num completo deleite mútuo! Já não estou em mim!
Pede-me para não parar!
Era tudo o que eu queria ouvir!

Não estava em mim…mas sim ele é que estava em mim. Embati com o rabo na mesa de madeira maciça, sem pedir perdão ansiei pelo meu sétimo pecado.
Não queria mais nada, neste momento a não ser ele.
Dentro de mim,
Bem fundo,
Sem dó nem piedade.
‘’Puxa-me o cabelo querido, portei-me mal …demasiado mal! Sei lá eu o que fiz…mas o que tiveres para mim eu aceito.
Crava a mão neste rabo e pergunta-me de quem é pois eu tenho resposta na ponta da língua para ti…’’
Sem dar por isso, também te quero ver delirar.
Enxuto o para trás, caindo redondo no sofá sem nada vestido.
‘’Desta vez sou eu de joelhos para ti’’- sussurro-lhe ao ouvido, descendo até os meus lábios molhados encontrei o seu pénis ereto, duro. Com uma doce lambidela um gemido saltou dele como sem igual… ele estava em êxtase, perdida estava no seu prazer.
Não demorei e para o seu colo saltei,
‘’faz-me estremecer, faz-me esquecer quem sou. Até quando quiseres, como quiseres.’’

Estremeço ao ouvir as suas palavras! Estremeço por sentir os nossos corpos como um só!
E a seu pedido, fi-la esquecer quem era. Esqueci-me quem era eu! Perdi-me no tempo. Perdi-me completamente a mim mesmo!
Até quando ela quiser…
Até quando quisermos…
Não sei já quanto tempo estivemos naquela “bolha” só nossa, mas o facto é que não queria acordar daquele “sonho”…
Deitados lado a lado no sofá, completamente encharcados em suor, fruto da nossa libido e de múltiplos e frenéticos orgasmos, olhámos um para o outro e sorrimos.
Sussurro-lhe ao ouvido:
-Fodemos que nem loucos! Levaste-me à loucura e testámos os nossos limites. E no entanto, nem o teu nome sei. A propósito, chamo-me Sin.
-Krishna- dizes em tom envergonhado com a voz mais sexual que ouvira até àquele momento.
Beijo aqueles lábios novamente num beijo demorado enquanto lhe afago o rosto…
O mais correcto seria dizer-lhe para se vestir e levá-la a casa de mota. No entanto, olhámos novamente um para outro e com um sorriso maroto onde se evidenciavam as suas covinhas, piscou-me o olho!
Retribuo o sorriso…
-Que se foda! Ser Presidente tem de ter as suas vantagens! Espero que não te importes de pernoitar mais uma vez neste humilde “hotel”!
Sinto as suas pernas enrolarem-se novamente a mim e a prenderem-me…
Aquela mesa de madeira maciça onde os meus “irmãos” e eu nos reunimos para discussões de assuntos do Motoclube…nunca mais será a mesma para mim…
Mas aquela noite…ahhhh aquela noite…
Ecoará para sempre naquelas paredes frias e cruas…e nunca esquecida por mim!

“Logo vi que tinhas cara de pecado, senti isso quando abri os olhos e te vi pela primeira, krishna é o meu nome…”
Não sei o que se passou, mas nunca tive quimica assim, nunca! Sabendo que ele é um doce, doce agridoce, não resisti.
Deixei-me levar mais uma vez por aquelas mãos fortes a puxar-me o cabelo, pela voz de homem a sussurar-me ao ouvido: “faz-me teu mais vez!”
“Sr. Presidente, penetra-me, sem rodeios. Faz perder-me outra vez..”
Depois de mais um tempo de suor e espasmos corporais… o seu corpo adormeceu.
“Por muito que nessa noite eu me tivesse apaixonado loucamente pelo sexo desenfreado deste presidente, a quimica entre os nossos génios é enorme em relação a tudo o resto e isso seria perigoso”, pensava eu enquanto lhe acariciava a face…
Vesti-me e descalça joguei à macaca para fora do clube.
Ele veio comigo, e sempre ficará.
Em cima da cadeira de pele ficou um bilhete…

“Sexo é fácil, dificil é penetrar-me o pensamento e abusar dos meus sentidos. Foste o primeiro…procura-me.”

Krishna 69 Letras®
7thSin✟ 69 Letras® 10.01.2017