Exteriorizações da memória

Confesso que precisei de saber. Precisei de saber se realmente valeria a pena esperar e lutar por ti. Não foi fácil estar horas deitado no sofá a ouvir aquelas memoriosas músicas do VH1 que me[…]

Continue reading …

Sinto-me uma rebelde…

Essa fúria toda… porque a tens? Pior… porque é que eu a quero? Não sei se é a fúria que quero ou se te quero a ti com essa fúria toda. Sim, certa que te[…]

Continue reading …

Bastou!

Quase na linha de chegada Tu mais uma vez partes-me o coração. Já perdi a noção, se sou rascunho ou defeito para ti. És tanto para mim e eu tão pouco para ti. Chega A[…]

Continue reading …

Sem olhar a quem!

Sei que poucos de vós me conhecem a cara, ou mesmo o espirito, mas posso-vos dizer que sou eterna criança. Sinto-me todos os dias como se fosse uma gaiata que descobre tudo pela primeira vez.[…]

Continue reading …

Sem destino saio.

Hoje resolvi sair, festejar não sei bem o que. Não preciso de motivo. Festejo porque quero, como tudo o que faço. É porque quero. Quero estragar a minha alma com sexo sem sentido, o meu[…]

Continue reading …

Por favor faz-me valer um bom café…

Sei que com todo o direito pensas que podes invadir e espreitar o meu interior. Aqui é verão todo o ano, Sem restrições e sempre de cabelo solto.. Música pela tarde e libertamos a nossa[…]

Continue reading …

Meu porto de abrigo

Existe algo no teu peito que me conforta. Algo que acolhe o meu mundo, este mundo complicado que por vezes não cabe no mundo real. Não encaixa nos estereótipos impostos pela sociedade.  Simplesmente não cabe. […]

Continue reading …