Arquivo de etiquetas: Jogos de sedução

Baile no Condomínio,a minha estreia !

E estamos no carnaval …
Ainda a habituar-me ao meu novo espaço e vizinhos , gostei tanto do edifício que acabei por envolver-me na remodelação do mesmo !
Os vizinhos são super comunicativos e todos os dias sou apanhada de surpresa , com pequenos convívios e festinhas entre eles .
Convidaram-me para um baile de máscaras …
Eu que gosto tanto de observar e ler as  pessoas , seria uma oportunidade até ,através das fantasias que cada um escolhe para se representar !
Nunca fui a nenhum… se não fosse o Read … não iria … fico sem jeito no meu canto … mas como ele próprio diz ,tenho que conhecer pessoas e colocar a timidez de lado !!
O Read é um vizinho também ,estou a remodelar o apartamento dele …
Nunca vi ninguém com a descontração dele … tipo … apoderou-se do meu sofá , frigorífico , varanda(onde tem os equipamentos de desporto) , do meu WC do meu quarto , Pk diz que gosta mais ,um dia destes cheguei e dormia na minha cama …
Deu para discretamente apreciar o corpo , os traços , a pele .. apetecia tocar !
Controlei-me e dormi eu no sofá …
Bom , lá combinamos combater a minha timidez , em troca do que se apodera na minha casa …. prometeu não me deixar sozinha … vamos ver !
Entrei no salão , sem uma fantasia muito adequada … não encontrei nada a meu gosto … mas a máscara sim … essa, senti-a como minha pele …
O salão colorido , todos empolgado em grandes gargalhadas … risos marotos …
Senti os olhares em mim , mal entrei … corei de imediato , senti-me despida …
Acho que é mesmo aquela mania da timidez …se calhar ninguém sequer reparou que cheguei !!

Corada , atravessei o salão , cumprimentando com sorrisos e beijinhos …
A VickyM correu a abraçar-me …. docinha como sempre a receber-me … junto dela estavam dois cavalheiros que me acenaram, bolas que me sinto despida outra vez …
Aquele olhar escuro e doce é o 7thSin, lembro o olhar , foi ele que me levou ao terraço da Lola , para fazer o projeto de remodelação!
Mais à frente a linda Vizinha de namoro com o seu Anónimo e junto deles o pomposo Vizinho , muito bem acompanhado de uma jovem bem torneada , parecida com a da publicidade da cabine de duche !! Está visto que não aguentou esperar!
Lá continuei … e até saltei de susto com a palmada que levei !!
-Ahhh !! Sassetti … só podia .
Tanta alegria e animação , já se notava o ambiente de sedução entre olhares ,danças e risos .
E eu já com um copo de sangria na mão , não podia recuar … lá descontraí.
Até que dei de frente com o Read … de sorriso largo , aquela postura descontraída a observar tudo e todos ,mas senti que parou assim que me viu !
Estremeci pela forma como me olhou, nem sei porque … fartamo-nos de cruzar lá por casa …
Estendeu-me a mão ,  puxou-me muito delicadamente e a jeito de pegar-me na cintura … fez-me dançar a encaixar-me nele e sussurrou-me:

“- Olá Sighs , suspiro eu ao olhar-te , o baile já começou e a noite está apenas a começar …”

Bom e eu sorri e deixei-me levar ….

*MySighs* #69Letras® 27.02.2017

Sabes…..

TEXTO ERÓTICO M|18 ? ? ?? ? ?
Sabes…..
Adoro chegar de mansinho, dar-te um beijo longo, quente
Deixar a minha língua procurar a tua, brincar com ela.
Deixar os teus braços envolverem-se nos meus,
a minha boca procurar a tua orelha, contorná-la com, a ponta da língua
segredar-te que te desejo…..
Deixo-a deslizar pelo teu pescoço em simultâneo as minhas mãos buscam
todos os contornos do teu corpo.
Os teus mamilos rijos, o teu abdómen tão bem definido
Não me deixo travar por essas calças,
Continuo a descer até senti-lo na minha mão, enrijar
Aperto-o. Oiço o teu gemido no meu ouvido, foi o sinal 
para o meu corpo se colar mais ao teu..
Despes-me, dispo-te.
As tuas mãos delineiam a minha silhueta
A tua boca sacia a sede no meu peito,
Arrancas-me gemidos, desces pelo meu ventre
provocando-me arrepios de tesão,
Chegas ao centro, com olhar lânguido, lanças-te
para ela, o calor da tua boca e a tua língua húmida e quente
Faz-me gritar, cravo as mãos nas tuas costas.
Brincas com ela, fazendo o meu corpo contorcer-se, tremer de tesão
Não em aguento e encho-te de fluidos nessa tua boca.
Levantas-te, beijas-me com o sabor dela…Delicia
Não te deixo insatisfeito, desta vez sou eu que me ajoelho.
Seguro-o, passo a ponta da língua no topo, deixo sentires 
o calor dos meus lábios, deslizo a minha boca até o sentir todo
faço movimentos suaves, oiço-te gemer.
Seguras na minha cabeça, como se não quisesses que o tirasse.
Acelero os movimentos e deixo a minha língua brincar com ele.
Pedes, suplicas que acelere ainda mais, cedo ao teu desejo,
Sinto as tuas veias a latejar, sei que estás quase….
Fazes-me sinal de que estás no ponto de ruptura.
Não me importo, deixo ir até ao fim…
Aquele leite quente na minha boca, a escorrer pelos cantos
Passo a mão pela minha boca, espalho-o.
Beijo-te. Dá-te gozo e tesão sentires-em assim devassa.
Dizes ao ouvido:- Minha p@tinha, vais ser minha, vou-te devorar
de novo. Mas desta vez o destino dele é noutro sitio.

Ida ao Porto

TEXTO EROTICO M|18 ? ? ?? ? ?

Mais um fim de semana à porta e nós com vontade de ir a uma farra.

Soubemos que um casal nosso amigo do Porto fazia anos nesse fim de semana. Combinamos com o casal que habitualmente nos acompanha nestas farras, em fazermos uma visita aos nossos amigos do Porto.
Marcamos ponto de encontro e lá fomos nós e um single.

Quando lá chegamos a casa estava a abarrotar, cheia de gente bonita e divertida. A luz ambiente, a música, as pessoas a dançar com tanto erotismo, os corpos a envolverem-se. Estava fantástico!!

Vimos lá muita gente conhecida, conversamos, dançamos e quando nós menos esperamos estávamos envolvidos naquele erotismo. Houve quem fizesse sexo no meio da pista, nos quartos, nas casas de banho.

Como já era de esperar, eu não fiquei imune aquela sensualidade toda, dei comigo num quarto envolvida com dois homens, a flirtar. Fizeram de mim aquilo que quiseram.
Quando terminamos e me dirigi para a casa de banho para tomar um duche, fui abordada pelo single que veio connosco. E lá fui eu, mesmo na casa de banho, debruçada no lavatório fizemos sexo.

Reparei que o nosso casal amigo também estavam bem envolvidos no quarto ao lado, só a ouvia gemer de prazer e a pedir que a penetrassem bem fundo. Sei que, a noite deles foi bem passada com muito prazer e divertimento.

O meu parceiro andava à minha procura, foi-me encontrar envolvida com um amigo nosso e mais um casal num dos quartos, foi ter connosco. Chamou-me de vadia, sabia que estava a brincar, começou a acariciar-me e a lamber-me os seios enquanto o outro me penetrava. Depois trocaram até me fazerem chegar ao êxtase.

Foi assim mais uma noite de loucura e sensualidade.

Adoramos a forma como fomos recebidos, o casal do Porto são umas pessoas espectaculares. E, sempre que tivermos oportunidade, daremos sempre um saltinho a casa deles.

DUDA

#69Letras

SMS – Devaneios, Loucuras

Mensagens
Bastardo
10/10 11.30h
Não consigo… Só penso na tua boca, nos teus seios nas minhas mãos,
a tua pele na minha, saborear o teu clitóris e o teu mel depois de te fazer vir,
Lamber-te do teu ventre ao pescoço e partilhar um beijo com o gosto do teu sexo nos nossos lábios
enquanto te encosto à parede, te levanto uma perna e te penetro carregado de tesão e loucura
bem dentro…
De ti só pra sentir a tua respiração ofegante no meu ouvido e o teu gemido doce na minha alma,
afundar toda a minha ereção no teu prazer e fazer-te gritar de desejo
Tenho saudades das nossas maluqueiras, hoje apeteceu-me.
Lola
10/10 11.40h
Estás onde? No trabalho?
Podes-me abrir a cancela?
Venho te fazer uma visita, estou só com a gabardina, meias de liga preta e botas cano alto.
Espero que estejas fácil de aceder.
O nosso olhar cruza-se, levas para a casinha da portaria, fechas os  vidros fumados.
Lanço-me para os teus braços, dou-te aquele beijo….
Aquele beijo de saudades e tesão, sinto-o a dar-me toques de tanta tesão.
Abro a gabardina e digo-te:- Como tu gostas. Sou toda tua. Mas antes, quero matar saudades dele.
Agacho-me e deixo-o escorregar pela minha garganta. Babou-se todo, entezou se mais…
Hummm….Levanto-me, com uma mão deito os papeis e telefone ao chão e semi deito-me na mesa.
Não resistes, penetras-me até me ouvires gemer e sentires o vulcão em erupção.
Vimos-nos em sintonia…
Saudades…
Bastardo
10/10 12.00h
Boa tarde Deusa dos meus sentidos, dona da minha tesão,
senhora do meu êxtase, causadora da minha loucura,
vontade que me inflama de desejo, cheiro que me arrebata e seduz,
pele que me incendeia em combustão
Desenfreada onde o único alívio é o suor do teu corpo desnudo sobre o meu
e o arfar lento e orgásmico do teu respirar nos meus ouvidos que me impelem ainda mais fundo,
mais rápido e mais poderoso para dentro de ti, fazendo do meu órgão erecto
a tua batuta nesta sinfonia de amor e luxúria que inevitavelmente criamos sempre  que nos cruzamos,
Algo de belo e animal quanto gracioso de harmonia eterna.
B.
Lola
10/10 12.10h
Vem. Estou a tua espera. Não demores.
Vontade louca de te sentir , de te ter dentro de mim.
Desvaneios de loucura
da dupla Bastardo & Lola
#69Letras

Diário das Quase Ferias – O jantar – Parte IV

TEXTO EROTICO M|18 ? ? ?? ? ?
Dia 2
Depois de relaxar durante um pouco, certifiquei-me que R. ainda dormia.
Olhei para as horas e comecei a planificação mental da noite, a minha forma de lidar com o inesperado. Preparei o fato, instintivamente coloquei a arma de serviço, algo me dizia que a noite se ia complicar, pressentimentos aos quais a experiência me ensinou a não ignorar.
Depois de pronto bato à porta, está trancada estranhamente. Preparo-me para a derrubar quando oiço.
– Estou bem, estou a acabar de me arranjar, espera-me lá em baixo por favor!
Assenti e desci, volvidos alguns longos minutos percebo a razão do pedido e da espera, aquele corpo maravilhoso num vestido preto de organza e seda,de alças sem costas,logo sem soutien, aqueles mamilos endurecidos pelo contraste de temperaturas. Ao descer as escada vislumbram-se as belíssimas pernas pela abertura do vestido quase da cintura aos pés acabando nuns magistrais saltos agulha de 14cm. Até o camareiro tropeçou no tapete da entrada onde o tive que segurar ao mirar tal ilusão de beleza.
Abri-lhe a porta, acompanhei-a ao carro, o seu perfume desconcentra-me mas não posso demonstrar- Abro a porta do carro, auxílio que se sente. Fecho. Entro no meu lugar e arranco, já estávamos em cima da hora. Diz-me:
– Gostaste, estou apresentável? Na verdade espero que o Sr. Director não sofra do coração, é que o ataque cardíaco é quase garantido! Solta uma gargalhada genuína e por momentos a sua face ruboriza-se.
– E tu gostas?
– Meu corpo já te respondeu, ou pensas que não te vi a galar entre as minhas pernas?
Morde o lábio de forma lasciva e vitoriosa como uma criança que acabou de fazer uma maldade e sabe que se vai safar.
Chegamos ao restaurante, acompanho-a a mesa previamente combinada por mim, o sr. Director e respectiva esposa já nos esperavam. Como eu pensava o Sr. ia perdendo o queixo no chão, algo que a esposa resolveu rapidamente com um safanão. Controlámos ambos o sorriso, puxei-lhe a cadeira e permiti que se sentasse.
Após os cumprimentos da praxe apresentou-me, fui amavelmente convidado a fazer companhia, para raiva de R.
Declinei educadamente, não era viável para o meu trabalho e o meu sexto sentido ainda não tinha parado de me dar sinais, costas para a parede que me permitia observar toda a sala. Água com gás para disfarçar a minha postura na sala, vejo pelos sorrisos que a reunião corre bem. Na mesa ao lado, o casal nem por isso, desde que chegaram que sinto a tensão. A senhora na casa dos 30, morena parecia-me estranhamente familiar, o homem cujo os berros já importunava toda a gente à sua volta, postura de macho latino, camisa desapertada até ao umbigo e a virar copos de vinho como quem bebe água. A linguagem corporal dizia -me que a qualquer momento iria ocorrer algo de violento, pareço bruxo, dá com os punhos na mesa e antes que acerte na mulher. A minha mão prende-lhe o polegar e começo a torce-lo, algo muito doloroso posso garantir, tenta revidar. Não permito, chapada mão aberta na cana do nariz e sangue garantido com dores incontroláveis.
– Na minha frente você não toca em mulher nenhuma seja por que motivo for, agora vamos , rua!!
– É minha mulher, ainda não dei o divórcio, quem és tu para te meteres?
– Neste momento sou o gajo com arma.
Afasto o casaco e mostro-a.
– Portanto se preferires em vez de ex-marido, podes facilitar e deixá-la viúva, que te parece?
-Ahhhh, vou ao hospital?
– É uma boa ideia, e olha, vou deixar o meu contacto.
Tiro-lhe uma fotografia do telemóvel com a senhora.
– Já tenho a tua cara, se algo de mal lhe acontecer, já sabes! Vou à tua procura e vais precisar de mais que uns curativos, adeus.
Voltei à sala, pedi desculpa ao chefe de sala pelo ocorrido. Agradeceu-me imenso por ele e pelos clientes, alguns aplaudiram a atitude. Deixou-me com sentido de ter feito o mais correcto, qual o meu espanto quando vejo R., consolando a senhora.
O director e esposa já se tinham retirado, com o guardanapo limpava-lhe as lágrimas.
– Então como se sente, precisa de uma água, alguma coisa?
Este rosto é-me tão familiar porque, interrogava-me para comigo.
– Obrigado, não tenho forma de lhe agradecer o que fez por mim, aquele monstro!!
– Tão depressa não a incomoda, dei-lhe o susto da vida dele, já pode respirar fundo.
– Bastardo leva-nos ao Hotel. Vamos aproveitar o bar e falar um pouco, tendo em conta a minha situação posso ajudá-la e compreendê-la.
-Ok. Mas a a senhora? Mora aqui perto?
– Não me trates por senhora, sou a G. E já o vi em todo o seu esplendor!!
Agora quem corou fui eu. A morena da varanda de baixo, por isso me era tão familiar.
– Já a reconheceste Bastardo? – Diz-me com um sorriso rasgado de malicia.
– Sim. Bem vamos?
Disse disfarçando o melhor que pude a surpresa.
Chegados ao bar do Hotel, os cocktails doces começaram a operar a sua magia, parecia que se conheciam há anos e eram as melhores amigas, que nada tinha acontecido de desagradável há horas atrás. Aproveitei o ambiente calmo e pedi:
– R., vou subir. Quero guardar a arma no cofre e pôr-me mais à vontade. Ficam bem as duas??
– Claro que sim. Não te preocupes, tomamos conta uma da outra.
Fecho a porta do quarto atrás de mim. Arrumo a arma no cofre, dispo-me e entro no chuveiro, retiro as nódoas sangue das minhas mãos enquanto penso nas ironias do destino. Saio do duche, toalha à volta da cintura, abro as janelas enormes de par a par, para absorver o ar da serra.
Acendo um cigarro e vejo o fumo desenhar abstracções na noite.
Sinto portas a bater ao lado. Já chegou. Pensei.
Dá-lhe tempo que hoje o dia foi repleto. Se eu sonhasse….
(Continua)
Bastardo #69Letras

Guardar

Provocação

TEXTO EROTICO M|18 ? ? ?? ? ?

 

Adoro provocar-te, e tu sabes disso
Debruço-me sobre a bancada,
como se fosse buscar algo,
deixo parte do meu traseiro à mostra.
Não resistes…
Sinto o quente da tua mão entre as minhas pernas,
Os teus dedos a tactearem o berço da minha intimidade
Mordo o lábio para resistir,
Mas continuas a massajar, não aguento.
Sinto-me molhada e tu sentiste.
Retiras-me as cuecas e sinto a tua boca,
deliciar-se nos meus fluidos.
Provocas-me tesão, começo a gemer,
Suavemente, penetras-me,
Rujo como uma leoa,
Provoca-te mais excitação e aceleras
o movimento das ancas.
Vimos-nos como dois animais selvagens.
Adoro as tuas investidas inesperadas..
LOLA #69Letras

Aqueles Saltos

TEXTO EROTICO M|18 ? ? ?? ? ?
O teu corte de cabelo anormal, escadeado da direita para a esquerda, o teu rosto esculpido com traços Miguel Ângelo. Uma face bela mas dura não fosse esses olhos verdes brilhantes e intimidadores carregados de sedução que me chamaram a atenção.
Isto para não falar do seu vestido de lycra e sem costas que mostravam as curvas daquele corpo voluptuoso, só o fio dental dividia aquelas nádegas sumptuosas naquelas transparências.
Carnívoro experiente que sou, sei quando encontro uma alma à minha altura. Fui surpreendido pelo seu olhar letal por duas vezes enquanto apreciava seus atributos, não me mostrou qualquer reacção.
Como alfa que se preze, lambi as feridas no orgulho e entrei em modo caça na procura de nova vítima.
A noite finalmente acabou, educadamente peço às últimas pessoas no bar que se retirem, faço a vistoria a ver se todos os clientes saíram. Antes que abrisse a porta dos w.c. a deusa saiu.
Olha-me profundamente mas não esboça qualquer reação, vira-me as costas e afasta-se. Enquanto apago as luzes aprecio aquele bambalear naqueles saltos pretos de 15 cm só me dava mais tesão. Qual leão da montanha, acelero o passo para lhe falar e abri-lhe a porta porque apesar de tudo sou um cavalheiro, No momento em que avança tropeça no tapete da saída. Antes que se esbardalhe no chão envolvo-a no meu braço e puxo-a encontro ao meu peito, o calor do seu corpo provoca-me uma ereção quase instantaneamente. Tento disfarçar. Mas pelo seu sorriso que vejo pela primeira vez não consegui. Compõem-se, passa a mão no meu ombro e diz-me:
– Obrigado!
Com malícia nos seus lábios deixando-me sem palavras, simplesmente sorri como resposta. Como costume acompanhei as barmaids e restante pessoal ao respectivos carros após fechar. É tardíssimo, não se vê ninguém. Dirijo-me para o meu carro sempre escondido para não sofrer dissabores de clientes menos satisfeitos. Quando ia introduzir a chave no carro, do escuro assoma-se aquela silhueta de pecado que ainda há minutos atrás me ergueu o mastro e, que agora a meia haste se levanta em continência novamente para aquele olhar. Sem soltar um murmúrio que fosse, em segundos o meu casaco está no chão, a minha camisa já totalmente desabotoada e suas mãos percorrem o meu peito, seus olhos enfrentam os meus sem os evitar uma única vez.
Seguro-lhe, mão aberta pelo seu pescoço e nuca e pela primeira vez roubo-lhe um beijo, sufocante, arrebatador. Seu perfume e o gosto dos seus lábios extrapolam-me os sentidos trazendo ao de cima o animal que me habita.
Exalo o seu aroma à medida que desço pelo seu pescoço que percorro com a minha língua, desço-lhe as alças, maravilhosos seios, mamilos proeminentes que faço desaparecer na minha boca um a um. Aperta-me contra o seu peito enquanto enquanto tenta conter os seus gemidos, não me deixa prosseguir, atira-me de costas para o meu carro, desaperta-me as calças.
Sorri diabolicamente ao perceber que não uso roupa interior, ajoelha-se no meu casaco caído e abocanha-me o membro. Qual anaconda a engolir a sua presa. Que intensidade!, estremeço quase inconfortavelmente, há muito que não encontrava tal talento.
Pressentiu que eu não aguentaria muito mais. Levanta-se, puxa e enrola o vestido na cintura, num movimento fluido levanta uma perna desvia a tanga e deixa-se enterrar toda no meu pênis. Impõe o seu ritmo, seguro-lhe a perna, acompanho o seu vai-vem preenchendo toda a sua luxúria até ao orgasmo exuberante.
Já chega! Não serei controlado assim! Rodo-a, agora são as suas costas no carro, retiro-o, ajoelho-me à sua frente, coloca a perna levantada sob o meu ombro, e ataco a tua vagina. Devoro-a absorvendo cada gota de fluidos por ela libertados, introduzo um dedo e depois outro e outro, encaro-te o olhar, quero ver-te explodir de desejo de me ter novamente dentro de ti.
Testo-te, introduzo o mindinho no teu ânus e perscruto a tua reacção, só te aumentou a devassa. Levanto-me, assomo-te e cruzo os teus saltos no meu pescoço, penetro-te violentamente, quero os teus gritos, a tua perdição.
Bombeio que nem um louco para dentro de ti, quero preencher cada centímetro da tua safadeza, aliados de tudo o que nos rodeia naquele instante atingimos um clímax desmesurado de tão intenso, salta de mim e ataca-o gulosamente, querendo absorver toda a essência que jorrou de nós.
Sobe beijamo-nos docemente, sabores e cheiros misturam-se nas nossas narinas e bocas.
És tão deliciosa, sua mão segura firmemente o meu caralho ainda incrivelmente duro, sorri dizendo:
 – Ainda?!
Agora o sorriso maldoso é o meu, beijo-a provocadoramente. Sinto a sua luxúria aumentar novamente, viro-a repentinamente e dobro-a ligeiramente, afasto as suas pernas musculadas equilibradas naqueles excitantes saltos agulha. Passo a língua no seu rego, retesa-se, as suas unhas quase me arrancam a pintura do carro. Passo a glande no meios da sua vulva somente para lubrificar a ponta, forço docemente a sua roseta castanha e entro lentamente no seu cú soberbamente trabalhado.
Sou gentil e meigo, impensável para mim magoar-te. Empurras as tuas ancas contra a minha rigidez, dás a velocidade e profundidade que consegues suportar, sinto os teus glúteos apertarem-me todo o comprimento e largura da minha verga.
Gritas:
– Vêm-te cão!
E vim-me enlouquecido, os espasmos quase nos atiram ao chão, beijo as suas costas e pescoço enquanto a abraço suavemente, os nossos corações batem descompassadamente. A respiração tenta recuperar a normalidade, vira-se, compõe-se, ajoelha-se pela última vez, beija-me o falo, circula a língua em toda dimensão do mesmo e despede-se com um beijo húmido no seu topo.
Levanta-se.
– Bastardo, sei onde te encontrar, só não vais saber quando.
Dá-me um chocho e desaparece na escuridão ondulando-se nos seus saltos, como eu adoro saltos altos…
Bastardo #69Letras