Arquivo de etiquetas: jantar

Jantares da 69 Letras

Texto Erótico | M18

Neste texto ficou bem patente de como são os jantares dos moradores do prédio da 69letras.
Hoje foram todos desafiados pelo Vizinho a escrever olhos nos olhos e o resultado foi um misto de tesão, desejo, vontades e prazeres. Ainda se tentou colocar ordem mas foi impossível… Estava tudo ao rubro! Continuar a lerJantares da 69 Letras

Confissão

Para Leitores M18

Olá sou a Lena, tenho 32 anos e tenho algo a confessar. Matei um homem. Sim, leste bem, matei-o. Mas foi em defesa pessoal. Apesar de não ser minha culpa, nunca falei com ninguém sobre isto.

Faz hoje um ano. Estou no Facebook a ver o meu feed, quando recebo uma mensagem de um Homem bem atraente. Ele pede desculpa por me estar a contactar desta forma e apresenta-se. Normalmente não ligo muito a estas mensagens de estranhos, mas algo nele me intriga. Respondo-lhe. Não demora muito até me fazer um pedido de amizade e eu aceitar. Ele é charmoso e muito educado. Falamos horas e horas sobre tudo e nada. Trocamos os nossos números e começamos a falar por telefone. A voz dele é excitante. Passo os dias a pensar nele. Finalmente – pensava eu naquele momento, sem imaginar o que vinha a seguir – ele convidou-me para jantar em casa dele e vermos um filme de terror. Sim de terror. É algo que temos em comum. Ambos gostamos de filmes de terror – apesar de que os filmes de terror dele, não eram bem o meu género de terror. Eram bem piores! Fui ter a casa dele como combinado. Chego as 19.00 horas. Abre-me a porta e deixa-me entrar. O apartamento dele esta muito bem arranjado. Bem demais. Parece saído de um comercial.

Na altura não pensei que fosse estranho, mas agora pensando nisso devia ter ficado alertada.

Da cozinha vem um cheiro bem agradável. Depois de me ajudar a tirar o casaco e arrumar junto com a minha mala conduz-me até a sala de jantar. Esta tudo tão romântico. Estou nas nuvens. Toalha de mesa vermelha, louça de porcelana – carissima –, a sala esta somente iluminada por velas e pelo chão estão espalhadas pétalas de rosas. Puxa-me uma das cadeiras para trás e indica-me com a mão que me sente. Depois pega num dos copos e uma garrafa de vinho já aberta e enche o copo. “É Vinho tinto caseiro. “ – diz ele enquanto me estende o copo. Pega no outro, e enche-o também. Levanta o copo e diz: “A nossa.” Provo o vinho. Tem um sabor um pouco esquisito e é grosso. Mas como não o quero decepcionar logo no primeiro encontro, sorriu e digo que é bom.

Mal eu sabia que aquilo afinal de vinho não tinha nada.

Ele desculpa-se e vai em direção a cozinha. Pouco depois chega com uma travessa na mão. É o jantar. Cheira muito bem. Parece assado, mas depois de provar sei que não é assado de porco. Não consigo dizer que tipo de carne é, mas esta delicioso.

Pensando nisso agora, e sabendo que tipo de carne era, ainda tenho de vomitar.

Digo-lhe o quão bom esta e com um sorriso ele agradece. Passamos o jantar inteiro a conversar sobre a minha vida. Ele quer saber se contei sobre nos a minha família ou amigas e se alguém sabe onde estou neste momento. Nego e conto que só disse a uma amiga que ia sair, mas que não entrei em detalhes. Ele sorri.

Não pensei nada sobre o interrogatório na altura, mas agora percebo que queria saber se alguém poderia dar pela minha falta.

Acabamos de jantar e ele conduz-me até a sala. Liga a televisão e antes de começar o filme, conta-me que é um dos seus preferidos. Diz-me também que tem vários daquele tipo e que se me portar bem mos mostrava. PLAY. O filme começa.

A única coisa que se vê é um quarto mal iluminado com uma cama no meio. De repente aparece uma pessoa – parece um homem – com uma mascara que parece ser feita de pele humana, no quarto e na mão esquerda arrasta uma mulher pelos cabelos até a cama. A mulher não para de gritar. O homem pega nela e ata a as mãos dela a cama. Ela esta de barriga para baixo e nua.

Só naquele momento é que tinha reparado nesse pormenor.

O homem baixa as calças e começa a penetrar o rabo da mulher. Agora sentindo de novo dor a mulher grita. Ouço um tipo de ganir satisfeito do homem. Parece que o facto da mulher estar a gritar o excita ainda mais. Depois de acabar ele puxa as calças para cima e tira algo do bolso. Não consigo perceber o que é ate ver sangue a sair da goela daquela pobre mulher. É uma navalha. O homem sai do quarto e o filme acaba.

Confusa fico a olhar para a televisão e só depois de alguns segundos dou conta que ele esta a olhar para mim com um sorriso de uma orelha a outra. “Então gostaste?”, pergunta ainda a sorrir. Sem entender bem o que acabo de ver simplesmente sorri o.  Pergunto se aquilo é um filme snuff e a única resposta dele é: “Quem sabe…”

Ele vira-se novamente para mim e beija-me. É um beijo intenso. Nunca antes senti algo assim. Rapidamente me fazer esquecer a porcaria do filme e eu finalmente consigo me deixar levar por completo por aquele momento. Reparando o quão excitado ele esta paro e passo a minha mão por cima. Ele esboça um sorriso: “E diz, já vamos tratar disso.” Ele da-me um copo de vinho e manda-me beber. “Vais precisar de liquido, para o que vem a seguir.”, diz-me. Eu dou um golo e pouso o copo. De repente começo a sentir-me zonza. Os meus olhos fecham. A única coisa que me lembro a seguir é de acordar com uma dor de cabeça enorme e sentir alguém a tirar-me a roupa. Ainda estou sonambular e por isso não me consigo mexer. Abro os olhos e vejo-o a por a mascara. Ele vira-se de costas para mim e com a adrenalina e o medo que me alojam agora olho em meu redor e pego na navalha pousada em cima das suas calças. Deito-me novamente e tento esconder o melhor que consigo a navalha na minha mão, visto estar nua. Ele vira-se novamente para mim, veste as calças e dobra-se sobre mim. “Muito bem minha querida. Já acordas te.”, diz ele. Aproveitando a oportunidade espeto a navalha no peito dele. Consigo ver os olhos dele abrirem-se incredulos e pouco depois o corpo dele cai sobre mim. Empuro-o para o chão, levanto-me e pego nas minhas coisas todas e saio a correr do apartamento. Só depois de entrar no meu carro lembro-me de que estou nua e visto-me.

Tenho lido os jornais todos os dias a ver se vejo alguma noticia sobre ele, mas nada. Ou ele não morreu ou ainda não descobriram o corpo dele.

Agora sei que não morreu. Estou a escrever esta confissão, porque sei que não sobreviver esta noite. O dia todo tenho visto a cara dele em vários sítios. Consigo pressentir. Restam-me poucas horas. Se isto vier a publico é porque morri. É porque afinal não consegui matar o J

 

Peregrinus #69Letras

Jantar de Bons Rapazes

Texto Erótico|M18

Uma tertúlia entre escritores 69Letras

Sexta-feira, dia de jantar com a rapaziada. Eu, 100 Modos, 7th Sin e o Anónimo decidimo-nos por marisco, e nada melhor que aquela marisqueira na Baixa, famosa pelas lagostas e mexilhões que nos deixam deliciados. Continuar a lerJantar de Bons Rapazes

Golden moments! 

Ontem O Vizinho teve um daqueles momentos inesquecíveis! Jantar a sós com o Sénior! Uma palavra para definir esse jantar! Perfeito! 
De poucas palavras e de uma seriedade única, é assim o meu pai. Mas ontem não! Ontem foi dia de conversa, de partilha e bom humor! O vinho, o belo e saboroso bacalhau na brasa, o barulho ensurdecedor das conversas das mesas ao lado, os risos da cozinheira e o bater na mesa da jogatana das cartas. Assim foi o nosso jantar na Tasca do Tino do Socorro. “Tino! Enche esta caneca!! Oh Tino! Traz mais broa!” Os meus olhos apenas viam o meu pai, a sua conversa única e confissões inéditas. A partilha de momentos de diversão e de saídas na sua juventude. Ai se a minha mãe sabe! Estava feliz, rosado pelo vinho e liberto pelo alegria de ali estar com o meu pai…
 
Golden moments…
 
Obrigado Pai pelo dia de ontem. Obrigado Pai pela vida até hoje. Espero te ter perto quanto tempo for possível…
 

O Vizinho #69Letras

Nunca quis saber se pertencias a alguém , nesses momentos eras meu.

12366263_1635752816670449_6629524952185916015_n
Já não me lembrava de ti , sinceramente já não passavas de uma memória arrumada na gaveta .
Mas hoje tive um bom dia teu , olhei para o tlm e pensei … Humm tu?
Respondi te secamente ao bom dia
: disseste me …
-Voltei.
Mas que raio me interessa saber se voltaste ou não … Pensei eu .
Não me saíste da cabeça
: comentaste tu .
– Lá vamos nós outra vez , sabia eu .
Foste uma história para arquivar , mas que valia a pena recordar era um facto inquestionável .
Lá me lembrei eu do Sr Doutor , dos seus fatos feitos à medida , as camisas perfeitamente engomadas com a respectiva gravata , que tantas vezes me tiraram do sério.
As vezes que vinhas ao Norte e imploravas para me ver .
Eu , que me fazia sempre de indiferente , mas cada vez que saiamos para jantar me fazias sentir uma rainha , que me presenteavas com tudo que uma mulher deseja .
Claro que me fazia de difícil , até me levares para a tua cama e me despires sem qualquer cuidado , ardente sempre de desejo que demonstravas sem qualquer pudor .
Ficava a admirar te enquanto te despias , deixando à vista o teu corpo fabuloso , fruto de ginásio depois das reuniões cansativas .
Ah as reuniões onde durante tantas vezes te destabilizei por SMS , dizendo te que seria a tua apanha lápis , deixava te louco de tesão com palavras , sabendo que não me podias responder .
Na tua cama reagia a ti instantaneamente , adorava contornar te o peito musculado com as minhas mãos e sentir te ofegar de desejo .
Acariciar te as pernas e sentir o teu tesão todo , num apogeu que sabia só meu .
Nunca quis saber se pertencias a alguém , nesses momentos eras meu , o meu Sr Doutor .
Quando entravas em mim era me indiferente todo o resto , ah como gozamos os dois , como nos satisfazemos mutuamente .
Sim foi bom recordar te , mas apenas isso nada mais , já não gosto de fatos e gravatas .

Raven

Foi uma voz que te chamou e levou,

 

 

11755275_10153049878252683_3725143559094355408_n

Na fotografia: Jared Leto
Eu vi-te!
Foi o que a tua mão disse quando na minha tocas enquanto por mim passas.
Nao vás!
Disse-te eu quando seguro o teu toque.
Quero ficar!
Disse a tua mão quando me devolve o toque.
Desejo-te!
Disseram os nossos olhos.
Já!
Gritaram os teus passos enquanto me guiaste até à arrecadação.
Uau! Que fogo é este?
Perguntaram os nossos lábios enquanto se esfregavam e uma batalha decorria entre línguas.
Mmmm!
Exclamaram os teus dedos quando descobriram as minhas cuecas já carregadas de desejo.
Quero!
Afirmou as minhas mãos a segurar a tua tesão.
Foi esta a urgência de nós termos JÁ!
Foi uma voz que te chamou e levou, foi o meu corpo desnorteado descontrolado e por saciar.
Foi o primeiro sonho neste registo que por ti tive e é este mais um motivo a juntar a outros tantos para te querer.
A Vizinha

Estou a chegar. Prepara-te. Porque esta noite quero-te amar!

1056e6d2f60830175a0e5ff9517a5c16

Gostar de ler? Segue-nos.

Estás em casa? Ótimo, estou a caminho.
Põe a música a tocar, acende as velas, encomenda o jantar, abre a garrafa de vinho e deixa-o abrir-se para o nosso paladar.
Recebe-me de calças de ganga e camisa com os botões desapertados e cabelo desalinhado.
Não percas tempo, despacha-te porque estou a chegar.
Quando chegar, dispenso o ‘olá tudo bem’ ou qualquer outro diálogo.
Quando chegar vou despir-me enquanto a música toca e tu observas-me do sofá. Servirei duas taças de vinho. Uma para ti e outra para mim enquanto brinco com as curvas do meu corpo e desfilo para ti.
Depois, tu vens dançar bem coladinho ao meu corpo já só em lingerie, em cima dos saltos altos do tom que me adoras ver. Vermelho.
Vou fechar os olhos com a cabeça no teu peito, e ali, naquele espaço só o meu corpo estará nas tuas mãos, porque a alma, ela estará algures difundida na melodia que toca no ar…
O toque da campainha vai anunciar o jantar e será mesmo no chão que vamos comer.
Comer o jantar, e devorar a pele um do outro com o olhar. As palavras estão proibidas, podemos por hoje ter o direito de não falar? Só quero quero escutar o som da felicidade no ar…
Estou a chegar.
Prepara-te.
Porque esta noite quero-te amar!