Arquivo de etiquetas: homem

O Homem e a Mulher

O homem é a mais elevada das criaturas. A mulher, o mais sublime dos ideais. 

Deus fez para o homem um trono; para a mulher fez um altar.
O trono exalta e o altar santifica.
O homem é o cérebro; a mulher, o coração. O cérebro produz a luz; o coração produz amor. A luz fecunda; o amor ressuscita.
O homem é o génio; a mulher é o anjo. O génio é imensurável; o anjo é indefenível;
A aspiração do homem é a suprema glória; a aspiração da mulher é a virtude extrema; A glória promove a grandeza e a virtude, a divindade.
O homem tem a supremacia; a mulher, a preferência. A supremacia significa a força; a preferência representa o direito.
O homem é forte pela razão; a mulher, invencível pelas lágrimas.
A razão convence e as lágrimas comovem.
O homem é capaz de todos os heroísmos; a mulher, de todos os martírios. O heroísmo enobrece e o martírio purifica.
O homem pensa e a mulher sonha. Pensar é ter uma larva no cérebro; sonhar é ter na fronte uma auréola.
O homem é a águia que voa; a mulher, o rouxinol que canta. Voar é dominar o espaço e cantar é conquistar a alma.
Enfim, o homem está colocado onde termina a terra; a mulher, onde começa o céu.

Victor Hugo #69letras

Quero um homem!

Quero um homem!

Um homem sem medo de se entregar.

Um homem sem medo de beijar e ser beijado.

Um homem sem medo de tocar e ser tocado.

Um homem sem medo de sentir e ser sentido.

Quero um homem que me queira f@der, mas que também queira  o que muitos chamam de “ fazer amor” e eu chamo de sentir e entregar.

Quero um homem que deixe as suas mãos tocarem-me suavemente, e que cada beijo que me dê seja compreendido e entendido.

Ahhh!!! Como seria bom, um homem assim…

Quero um homem que não tenha pressa.

Quero um homem que me faça vir, antes de pensar nele.

Quero um homem que me olhe nos olhos a cada investida e não tenha medo do que veja.

Quero um homem que enrosque o seu corpo no meu, depois de me fazer sua.

Quero um homem que não tenha medo de ser feliz, mesmo por um dia…

 

©The Oyster 2017 #69Letras

 

Sinaléticas da vida.

Sempre pensei em como as sinaléticas da vida afectariam todo o meu conhecimento do  mundo, o meu possível conhecimento de ti….

” Não há longe nem distância”, já escrevia Richard Bach…

Mas existe o longe!

Mas existe a distância!

Podemos estar tão perto como o agarrar de um telefone ou o clicar numa tecla da tecnologia, mas não estamos perto o suficiente para sentirmos os beijos que queremos dar, as mãos que se querem tocar, o olhar de reconhecimento um no outro.

Como vim parar  a esta placa de ” tesão tecnológico” ?

Não sei…

Antigamente as sinaléticas eram as cartas e os postais, com aroma a perfume ou pétalas de flores…

Como pode uma simples frase escrita num visor, uma palavra dita numa lonjura de milhares de quilómetros, deixar-me assim…. perdida, sem alternativa ao pensamento, o qual preenches, o corpo em fogo de um sentir de pequenos condutores eléctricos, que me fazem entrar em combustão ….

Serão estas as paixões do futuro?

Os desejos ?

Mas eu quero sentir!!!

Quero que o homem, por quem anseio nos meus sonhos e acordada, seja real…

Que me desperte desta sonolência, auto induzida, que teimo em transformar a vida, apenas porque é mais fácil …

Sim…

É tão mais fácil quando partes do nosso mundo quotidiano, estão latentes, adormecidas, postas de lado como as coisas que já não usamos, mas também não nos apetece dar…

Quero que o homem, que está do outro lado do visor, me mostre que este corpo ainda sabe entregar-se, cheio de vontades e paixão…

 

©The Oyster 2017 #69Letras

Dar prazer a uma mulher faz subir o ego dos homens?

Olá olá queridos leitores do 69Letras!

É preciso falar de sexo e cá estou eu mais uma vez para o fazer com vocês.

Hoje trago comigo um estudo que achei interessante! Vamos a isso…

Um estudo realizado a 810 homens na Universidade de Michigan nos Estados Unidos, concluiu que os orgasmos femininos trazem benefícios psicológicos para homens. Fantástico, hã?!

E porquê, perguntam vocês e muito bem… Segundo consta, os homens sentem-se mais masculinos e tem mais auto-estima sexual quando percebem que foram os causadores do orgasmo da sua parceira.

Ora pois claro, homens ou mulheres, quem não gosta?! 😉

Até para a semana!

Kiss kiss,

©Aphrodite 2017, #69Letras

 

Fonte: http://gq.globo.com/

 

Sensualidade não tem tamanho ( parte 2 )

– Então pah? Estás grávido de quanto tempo? 

-Já tem o braço de fora! Queres ver? 

Farta de estereótipos! Até os do sexo masculino.

Quem considere somente os homens de medidas perfeitas e abdominais torneados, nunca se deliciou nas curvas sensuais de um homem mais… cheínho!

São homens que dão tudo de si! Vos garanto!

E como se costuma dizer, não é o hábito que faz o monge.

Não são os tais six-pack que nos abrem as portas, senhoras!

Muito menos a ousadia dum corpo tatuado!

Sim sei, ajuda a fantasia visual mas no fundo não é isso que nos enche as medidas e muito menos o que nos põe um sorriso adolescente na cara.

A sensualidade num homem está num sorriso sincero e numa harmonia perfeita entre respeito e rebeldia.

Está na graciosidade dos pequenos gestos em nosso e somente nosso benefício.

Seja o homem gordo ou magro, com ou sem tatuagens, baixo ou alto, moreno ou loiro; a vossa sensualidade está sempre e somente na vossa atitude perante a mulher certa.

O resto … vem por acréscimo!

©Miss Steel 69letras 2017

Mulheres, não se anulem!

Uns bons anos nos separam e aquela celebre frase que diz “às vezes, não acontecer aquilo que desejamos, é um fantástico golpe de sorte”, faz todo o sentido contigo.
Não penses que te estou a escrever de novo, não estou! Estou a escrever para outras mulheres, para que não deixem nenhum homem fazer com elas o que fizeste comigo.
Tu querias uma bonequinha, feita à tua medida e eu na inocência própria da idade, deixei…
Eu fazia tudo para te agradar! Eu deixei de ser quem era, para ser um modelo daquilo que desejavas.
Eu deixei de gostar de mim, para gostar daquilo que tu querias fazer de mim. Eu suportei o que não queria porque era o que tu querias.
Fizeste-me crer que era tudo amor. Tudo por amor. E que por amor tudo se faz. E eu fiz, eu deixei, eu perdi-me em mim própria. Eu deixei os meus sonhos morrerem, para viver os teus.
Eu dei tudo de mim, em troca de nada. Tu só querias mais um troféu! Mais uma gaja a fazer tudo por ti porque isso te fazia bem ao ego. Eu na minha ingenuidade achava que isso te deixava feliz, mas não, só alimentava o teu ego.
E o que restou de mim, depois de ti?
Nada… Apenas um corpo cansado, marcado pelo esquecimento, cheio de feridas que ainda hoje não sarei… Destruíste o meu amor próprio com uma pinta do caraças, deixa-me que te diga!
Passados muitos anos, eu consegui cicatrizar muitas dessas feridas. E sabes porquê?
Porque encontrei o verdadeiro sentido do amor. Encontrei alguém que me aceita como eu sou, que me ensinou a gostar de mim outra vez e que me fez amar o meu corpo tal como é.
Com ele eu percebi que posso ser eu, mesmo eu! É tão libertador… Com ele eu aprendi que amar é sempre uma coisa que se faz a dois e não um pelos dois.
Esta é a minha mensagem a todas as mulheres, a que aprendi contigo… Nós merecemos sempre o melhor, nunca menos que isso. O amor não pode ser nunca desculpa para nos anularmos… Nunca, mas mesmo nunca! Precisamos de alguém que nos complete e não que nos anule!
Foi mesmo um fantástico golpe de sorte…

Raio de Sol | #69Letras

Confissão

Para Leitores M18

Olá sou a Lena, tenho 32 anos e tenho algo a confessar. Matei um homem. Sim, leste bem, matei-o. Mas foi em defesa pessoal. Apesar de não ser minha culpa, nunca falei com ninguém sobre isto.

Faz hoje um ano. Estou no Facebook a ver o meu feed, quando recebo uma mensagem de um Homem bem atraente. Ele pede desculpa por me estar a contactar desta forma e apresenta-se. Normalmente não ligo muito a estas mensagens de estranhos, mas algo nele me intriga. Respondo-lhe. Não demora muito até me fazer um pedido de amizade e eu aceitar. Ele é charmoso e muito educado. Falamos horas e horas sobre tudo e nada. Trocamos os nossos números e começamos a falar por telefone. A voz dele é excitante. Passo os dias a pensar nele. Finalmente – pensava eu naquele momento, sem imaginar o que vinha a seguir – ele convidou-me para jantar em casa dele e vermos um filme de terror. Sim de terror. É algo que temos em comum. Ambos gostamos de filmes de terror – apesar de que os filmes de terror dele, não eram bem o meu género de terror. Eram bem piores! Fui ter a casa dele como combinado. Chego as 19.00 horas. Abre-me a porta e deixa-me entrar. O apartamento dele esta muito bem arranjado. Bem demais. Parece saído de um comercial.

Na altura não pensei que fosse estranho, mas agora pensando nisso devia ter ficado alertada.

Da cozinha vem um cheiro bem agradável. Depois de me ajudar a tirar o casaco e arrumar junto com a minha mala conduz-me até a sala de jantar. Esta tudo tão romântico. Estou nas nuvens. Toalha de mesa vermelha, louça de porcelana – carissima –, a sala esta somente iluminada por velas e pelo chão estão espalhadas pétalas de rosas. Puxa-me uma das cadeiras para trás e indica-me com a mão que me sente. Depois pega num dos copos e uma garrafa de vinho já aberta e enche o copo. “É Vinho tinto caseiro. “ – diz ele enquanto me estende o copo. Pega no outro, e enche-o também. Levanta o copo e diz: “A nossa.” Provo o vinho. Tem um sabor um pouco esquisito e é grosso. Mas como não o quero decepcionar logo no primeiro encontro, sorriu e digo que é bom.

Mal eu sabia que aquilo afinal de vinho não tinha nada.

Ele desculpa-se e vai em direção a cozinha. Pouco depois chega com uma travessa na mão. É o jantar. Cheira muito bem. Parece assado, mas depois de provar sei que não é assado de porco. Não consigo dizer que tipo de carne é, mas esta delicioso.

Pensando nisso agora, e sabendo que tipo de carne era, ainda tenho de vomitar.

Digo-lhe o quão bom esta e com um sorriso ele agradece. Passamos o jantar inteiro a conversar sobre a minha vida. Ele quer saber se contei sobre nos a minha família ou amigas e se alguém sabe onde estou neste momento. Nego e conto que só disse a uma amiga que ia sair, mas que não entrei em detalhes. Ele sorri.

Não pensei nada sobre o interrogatório na altura, mas agora percebo que queria saber se alguém poderia dar pela minha falta.

Acabamos de jantar e ele conduz-me até a sala. Liga a televisão e antes de começar o filme, conta-me que é um dos seus preferidos. Diz-me também que tem vários daquele tipo e que se me portar bem mos mostrava. PLAY. O filme começa.

A única coisa que se vê é um quarto mal iluminado com uma cama no meio. De repente aparece uma pessoa – parece um homem – com uma mascara que parece ser feita de pele humana, no quarto e na mão esquerda arrasta uma mulher pelos cabelos até a cama. A mulher não para de gritar. O homem pega nela e ata a as mãos dela a cama. Ela esta de barriga para baixo e nua.

Só naquele momento é que tinha reparado nesse pormenor.

O homem baixa as calças e começa a penetrar o rabo da mulher. Agora sentindo de novo dor a mulher grita. Ouço um tipo de ganir satisfeito do homem. Parece que o facto da mulher estar a gritar o excita ainda mais. Depois de acabar ele puxa as calças para cima e tira algo do bolso. Não consigo perceber o que é ate ver sangue a sair da goela daquela pobre mulher. É uma navalha. O homem sai do quarto e o filme acaba.

Confusa fico a olhar para a televisão e só depois de alguns segundos dou conta que ele esta a olhar para mim com um sorriso de uma orelha a outra. “Então gostaste?”, pergunta ainda a sorrir. Sem entender bem o que acabo de ver simplesmente sorri o.  Pergunto se aquilo é um filme snuff e a única resposta dele é: “Quem sabe…”

Ele vira-se novamente para mim e beija-me. É um beijo intenso. Nunca antes senti algo assim. Rapidamente me fazer esquecer a porcaria do filme e eu finalmente consigo me deixar levar por completo por aquele momento. Reparando o quão excitado ele esta paro e passo a minha mão por cima. Ele esboça um sorriso: “E diz, já vamos tratar disso.” Ele da-me um copo de vinho e manda-me beber. “Vais precisar de liquido, para o que vem a seguir.”, diz-me. Eu dou um golo e pouso o copo. De repente começo a sentir-me zonza. Os meus olhos fecham. A única coisa que me lembro a seguir é de acordar com uma dor de cabeça enorme e sentir alguém a tirar-me a roupa. Ainda estou sonambular e por isso não me consigo mexer. Abro os olhos e vejo-o a por a mascara. Ele vira-se de costas para mim e com a adrenalina e o medo que me alojam agora olho em meu redor e pego na navalha pousada em cima das suas calças. Deito-me novamente e tento esconder o melhor que consigo a navalha na minha mão, visto estar nua. Ele vira-se novamente para mim, veste as calças e dobra-se sobre mim. “Muito bem minha querida. Já acordas te.”, diz ele. Aproveitando a oportunidade espeto a navalha no peito dele. Consigo ver os olhos dele abrirem-se incredulos e pouco depois o corpo dele cai sobre mim. Empuro-o para o chão, levanto-me e pego nas minhas coisas todas e saio a correr do apartamento. Só depois de entrar no meu carro lembro-me de que estou nua e visto-me.

Tenho lido os jornais todos os dias a ver se vejo alguma noticia sobre ele, mas nada. Ou ele não morreu ou ainda não descobriram o corpo dele.

Agora sei que não morreu. Estou a escrever esta confissão, porque sei que não sobreviver esta noite. O dia todo tenho visto a cara dele em vários sítios. Consigo pressentir. Restam-me poucas horas. Se isto vier a publico é porque morri. É porque afinal não consegui matar o J

 

Peregrinus #69Letras