Arquivo de etiquetas: gemidos

Dona e rainha das minhas vontades.

M18/ Texto erótico 

Sozinha me deito envolvida somente pelos lençóis de cetim negros. Sinto-me bem comigo mesma. Conheço-me melhor que ninguém. 

Cada grito mudo de tesão, cada poro de desejo e até mesmo cada abismo de orgasmos arrancados do meu ser. E em todos eles fui dona e senhora do meu corpo. 

Até que  ELE me assombra. Diabo em forma de gente.  Sucumbir ao seu poder, é beber do seu doce nirvana e implorar por mais.  Continuar a lerDona e rainha das minhas vontades.

A química do físico

M18|ContoErótico

Era mais uma noite normal.
Enquanto as horas passavam, o meu pensamento pairava e infelizmente esbarrou contra ti.
Senti um frio, um arrepio de tal forma que até branca fiquei.
Recordei-me de tanta coisa…
Tanta fod@, tanto gemido.
Tanto suor, tanto prazer.”
Não houve um dia mau contigo em cima de mim.
A verdade é essa! E embora o silêncio reine entre nós, tens de admitir que fizemos uma óptima corrida..!
Lembras-te de certeza… daquele sushi?
Se não me saltou o sushi da boca pouco me faltou!
Cheirosos e bonitos saimos a rua, como se namorados fôssemos, (amigos de queca) e sem parares um segundo,fazias questão de me seduzir a cada peça, roubavas-me sorrisos em público, despias-me a inocência em privado.
Jantar comido e só pensava na sobremesa…ou em ti era algo do género, já andava a vaguear nessa tua cabecinha(se ao menos soubesses o quanto eu adorava quando lhe dava logos e profundos beijos)
Hora de pegar no corpo e sair.
O nosso problema era definitivamente o contacto.
A química do físico.
Abalava qualquer coisa que de mal tinhas, e isso era a nossa maior perdição. Ambos sabíamos que amor era escusado.
Bastou entrar no carro, o toque de mãos e a insistência de olhares para que pouco demorasse…
Só parei quando o sítio era escuro o suficiente.
Ouviamos as ondas do mar.
Mas o som principal eram os meus gemidos.
Essas mãos agarram o meu rabo como nunca ninguém tinha agarrado, e deitada sobre o capô do carro, tinham-o todo penetrado dentro de mim.
De frente e de trás passavas as mãos em cada parte de mim… algumas até abusavas da profundidade…acredita que só me fazia ficar mais desorientada. E propagar mais os meus gemidos… esses …lembraste ?
Claro que te lembras.
A miúda no meio de todas as mulheres feitas que te escapou.
Quando temos o azar de privar o mesmo espaço e sem palavras podermos dizer porque o orgulho é maior, o teu olhar estremece ao me ver e acompanha essa vontade de me tocar.. nem que seja no cabelo que tanto puxaste.
És guloso e eu azeda.
Queres mais mas a tua vez fugiu…

©Krishna 2017 #69Letras

Mais uma vez que fosse…

Uma vez que fosse…
Sempre esperei aquela vez em que te libertarias de medos e preconceitos.
Aquela vez que fechavas os olhos e te entregavas aos meus devaneios.
Em que o teu corpo estava a minha mercê sem medos.
Quando deixarias os meus dedos te percorrerem por dentro e por fora.
A minha língua te fazer gemer onde a carência do meu toque existia.
O meu membro com fome de ti preencher o teu corpo onde o desejo e curiosidade te atormentavam.
Agora sou eu que ardo de desejo por mais de ti…
É a minha pulsação que acelera como numa estrada a tentar te apanhar.
A minha mente que tem fome de te ler as vontades.
Os sentidos que suspiram por serem possuídos pelo teu cheiro e toque.
Agora sou eu que espero os teus gemidos de prazer…

Read My Mind

Tens limões?

Bolas! Nunca mais hei-de olhar para os limões da mesma maneira…

Quem és tu, que quase me conheces melhor do que eu, os meus medos e desejos, o eu real que raramente mostro.

Quem és tu que passas horas a falar comigo, com quem rio e choro, partilho a vida, o bom e o mau, à distância de uma rua, de uma página e de um ecrã, e me faz questionar como serás e que mistérios esconderás, como será a tua voz, o cheiro, a pele, como será que me sentes.

Será que sabes o quanto me seduzes e cativas com as tuas palavras, quem em tom de brincadeira vais proferindo, e como me consegues provocar, despertar sentidos que à muito estavam adormecidos.

Um dia perdi a vergonha, sei onde moras e que estás em casa. Tenho que te conhecer, visto qualquer coisa sem me preocupar com pormenores e vou-te pedir limões, só por ser uma piada tão nossa,  e sem tu fazeres a menor ideia bato-te à porta.

Adorei ver a tua cara de espanto quando abriste e te perdeste nos meus olhos, fixamente, sem reacção. Passados uns segundos conseguimos desencantar-nos um do outro e ainda te consigo dizer com um sorriso malicioso que precisava de limões, mas tu prontamente me calas com um beijo, daqueles beijos que não se consegue resistir de tão intenso que é, em que não precisamos de dizer nada, as Almas falam por nós quando nos entrelaçamos num abraço exploratório, sentido e carregado de desejo ao qual cedemos.

Não estás sozinho, levas-me para o teu quarto e trancas a porta, lentamente baixas-me as alças do vestido que enfiei à pressa e descobres o meu corpo semi-nu onde te perdes em carícias e beijos, com uma química inexplicável em que nos entregamos e perdemos em pormenores, até nos possuirmos por completo, entre gemidos abafados o que nos deixa exaustos, tamanha é a intensidade do sentido.

Por momentos passa-me pela cabeça “Nunca os limões foram tão doces…”

Miss Kitty #69Letras

Noite inesperada…

Texto Erótico|M18

Sexta-feira, a meio da tarde recebo uma mensagem tua, simplesmente dizia “Vem ter comigo às 22h, vestido de gala, do resto trato eu, alguém te vais buscar” .

Passei o resto do dia inquieta e surpresa com tudo isto, não parece de todo coisa que faças, mas se foi com o intuito de surpreender conseguiste.

À hora marcada lá estava o carro, desço e assim que entro alguém me diz “É melhor usar isto menina!” entregando-me uma máscara e um envelope que abro curiosa.

Tinha caprichado no vestido preto, longo, sem costas e com um decote de fazer girar cabeças ao passar, sentia-me bem, sensual mas com um misto de receio e curiosidade que me fazia ferver o sangue, mais ainda quando li o que estava no envelope e que dizia para me livrar da roupa interior pois não ia precisar dela.

Mais uma coisa que me surpreendeu mas acatei, lembro-me de pensar que se era assim que querias então que assim fosse.

Quando chegamos entro no que parece ser um Bar mas de muito bom gosto onde está toda a gente de máscara e se transpira glamour e luxúria, o que me deixa ainda mais excitada e receosa, pois não sei como te encontrar, sentindo-me completamente perdida.

De repente alguém me sussurra ao ouvido “Vem comigo meu anjo…” com essa voz que por si só me consegue arrancar  gemidos e que não deixa de me surpreender, sigo-te por entre toda esta gente bonita para uma parte mais reservada onde se encontram mais três casais já tão embrenhados em beijos e carícias que nem notam a nossa presença, e sentamo-nos bebendo e conversando até não aguentarmos mais e cairmos nos braços e nos lábios um do outro.

Não sei como nem porquê mas o resto do mundo deixou de existir, só aquele recanto importava, o facto de estarmos a ver os outros, sermos testemunhas do seu prazer deixou-nos loucos, lascivos, devassos, soltamos os nossos demónios e caímos no prazer de toda aquela luxúria.

Lentamente, enquanto que com uma mão me acaricias os seios deixando me exposta, levantas-me o vestido pois sabes que, se acatei as tuas ordens, não trago nada por baixo e tocas-me doce e freneticamente até me fazeres vir na tua mão, que levas aos teus lábios para me provares, vejo que temos quem nos olhe mas não me importo, quero que vejam que sou tua, as sensações que me provocas e digamos que tudo isso aliado ao ambiente luxuriante torna tudo muito mais intenso.

Sem hesitar abro-te as calças e liberto-te da tortura que tens sentido, salto para o teu colo e roço-me em ti até me implorares para que te deixe sentir-me por dentro, obedeço-te, lentamente, porque gosto de te provocar e fazer perder o controlo, e quase de imediato explodimos os dois num orgasmo tão intenso, tão carnal que nos deixa trémulos e exaustos.

Depois de compostos agarro-te pela mão e digo-te que quero ir para casa, ficas perplexo mas assentes, quando chegamos começo-te a despir e digo-te:

-Adorei a noite, mostraste a todos como sou tua, agora vais ser tu meu!

E entre beijos provocantes e carícias desejadas, fazemos amor, um amor doce e sentido de entrega total, porque somos demónios mas um dia já fomos anjos…

Miss Kitty #69Letras

Ainda hoje…

Texto Erótico|M18Uma festa em que era obrigatório o uso de máscara e à qual não poderia faltar. O aniversário da minha melhor amiga. Optei por uma viseira vermelha e um vestido longo, estilo grego, solto com um grande decote nas costas. Eu mulher de cores muito neutras, naquela noite escolhi uma cor vibrante….

Enquanto deambulava pela, enorme, casa reparei numa porta entreaberta com uma luz ténue. Achei estranho e entrei. O quarto estava iluminado com velas, dispostas em semi circulo perto da parede onde estava um espelho antigo, com uma moldura dourada. Dos seus lados saíam uns suportes estranhos. Aproximei-me para observar…

– Aqui estás tu! – disse uma voz profunda.

– Demoraste muito…. – voltou a voz a dizer.

Tentei voltar-me para lhe dizer que deveria ser engano, mas nem me deu tempo de o fazer… Encostou-se em mim e senti o seu cheiro profundo a especiarias, a rigidez do seu corpo sob o smoking.

– Estás perfeita…

As mãos dele voaram para os meus ombros e desnudaram a parte de cima do meu corpo, deixando o meu peito exposto. Sem avisar empurrou-me de encontro ao espelho e colocou os meus pulsos nos suportes, que me tinham despertado curiosidade, e prendeu-me a eles. Não conseguia emitir um som… A excitação sobrepunha-se ao medo…. Sentia-me molhada, respiração ofegante….

O vestido acabou de cair no chão. Os dedos hábeis deslizaram a tanga rendada pelas minhas pernas e voltaram a fazer o caminho inverso, detendo-se no meu clítoris, latejante, pulsante de desejo.

– O teu castigo, por teres me teres feito esperar, é não poderes emitir um som, um único gemido, e não teres nada mais de mim do que o meu pénis. Não me vou despir, por ti, hoje!

Contorci-me, quando o ouvi e, senti o fecho das calças a abrir. Afastou-me as pernas,

e senti a sua mão abater-se sobre o meu rabo e sobre a minha cona com força .

– É assim que tu gostas, lembras-te?

Não lhe podia dizer que não era quem ele pensava. Nunca tinha sentido nada assim…

Voltou a abrir-me mais as pernas e entrou em mim com força.

Senti-o tão justo em mim, tão poderoso…. O meu corpo aguentou cada estocada profunda, cada palmada dada. E aguentou quando me desatou, agarrou-me nos cabelos, e me fez ajoelhar para receber cada gota de si….

Correu o fecho das calças e caminhou para a porta.

Ainda hoje não sei quem ele é….

The Oyster #69Letras

 

Estava calor, não sei se era do vinho ou se era de mim… | Momento Erótico |

12295505_1628882557357475_5184525681371511059_n

 

| M18|

O jantar tinha corrido na perfeição
a conversa fluiu naturalmente,
a comida estava deliciosa
duas garrafas de vinho se esvaziaram.
Sentia-me leve
Sentia-me satisfeita.
Ele foi tirar os cafés
Aguardei na sala.
Estava calor,
não sei se era do vinho
ou se era de mim.
Fui até à varanda
não havia vento o
céu estava estrelado.
Estava lindo.
Perdi-me em pensamentos
a lua estava especialmente bela.
Ele estava a demorar
será que ele tinha gostado de mim?
Gostei dele!
Que se seguirá?
Ele interrompe os meus pensamentos
os seus passos a aproximam-se.
Senti que ele me contemplava,
inclinei-me sobre a varanda salientando as minhas formas
iluminadas pela lua.
Inspirei fundo
Surpresa, abro os olhos!
Colou-se a mim
agarrou-me a cintura,
toda eu estremeci,
inspirei novamente
e ficamos assim a sentir-nos
colados um no outro.
Queria mais…
não ia pedir…
desviei os cabelos
Revelo-lhe o meu pescoço,
beijou-o no imediato
nem se fez esperar,
a mão dele acariciou o meu ventre,
perdeu-se nos meus peitos
e tornou a descer…
afastei as pernas dei-lhe a entender que podia prosseguir.
Não se fez tímido,
subiu o vestido,
desviei as cuecas
e deixei-o entrar dentro de mim.
Uma estocada
um gemido incontrolável…
shiuuu baixinho olha os vizinhos do prédio em frente – disse-me ele!
Entre suspiros
e entredentes
gemi ao ritmo
que ele se movia dentro de mim…
fomos para dentro,
as roupas tinham de sair…

  © ?Cátia Teixeira, Vizinha 69 Letras 2016

Ilustração: PetiteLuxures (via instagram)