Arquivo de etiquetas: fôlego

Conto – Parte 3

Texto Erótico|M18

O vestido cai e ele fica deslumbrado com o que avista… Um corpo sensual, fartos seios envolvidos no sutiã e na cueca rendada. Aquela roupa interior vermelha torna a menina inocente numa mulher segura e muito sensual. As poucas tatuagens que cobrem aquele corpo tornam tudo ainda mais fascinante. Ele está deslumbrado e adora o que vê. Uma menina tão inocente e insegura agora se mostra como uma mulher poderosa e muito segura de si própria. Avançando na sua direção percorre todo o seu corpo com sua língua e boca… Ele começa pela sua boca que tanto prazer lhe proporcionou, vira-a de costas e segue pelo pescoço, arrepiando-a e enchendo-a ainda de mais desejo. Suas mãos envolvem seus seios, apertando e massajando, provoca-lhe sensações que desconhecia. Estando cheia de desejos ela começa a roçar o seu rabo magnífico na sua tesão. Rapidamente a encosta de costas contra a parede do quarto, e percorrendo seu corpo, do pescoço até as coxas com a língua, provoca-lhe arrepios intensos. Puxando a cueca para o lado começa a beijar a sua vulva… Os beijos intensificam e sua língua entra em jogo com movimentos rápidos começando a passar a língua no clitóris. Um dedo, dois dedos entram e provocam-lhe sensações ótimas. Seu corpo estremece e ela é envolvida num orgasmo intenso. Ele coloca-se de pé e segura nela enquanto recupera o fôlego. Um beijo com língua á mistura e ela está de novo virada contra a parede. Ele encosta sua tesão no seu rabo e geme-lhe ao ouvido: “Espero que estejas preparada. Vou-te foder aqui mesmo.” Sem dar tempo para uma resposta enterra seu pénis duro dentro dela. Um gemido alto, seguido de uma respiração acelerada… Devagar sai de dentro e volta a entrar todo. Começando devagar e tornando suas investidas sempre mais rápidas, agarra o cabelo ondulado que lhe cai sobre as costas e puxa sua cabeça para trás. As investidas são cada vez mais rápidas e ela geme de prazer. Querendo sempre mais começa a girar as ancas. Ele sente o corpo a volta do seu pénis a estremecer e sabe que seu orgasmo chegou. “Grita meu amor. Sente o meu desejo.” e também ele geme com o prazer proporcionado. Os dois deixam-se cair contra a parede tentando acalmar suas respirações. Saindo de dentro dela, ela solta um gemido. “Estás bem?” pergunta enquanto passa seu polegar pela sua face. Ela anua e sorri.

“Vem” diz enquanto pega na sua mão e a conduz para o quarto de banho. Abre a água, tira a roupa e entra para o duche. Ela faz o mesmo e segue-o. A água esta quente mas ela aguenta o calor que sente na pele. Encostando seu corpo nele sente sua tesão crescendo novamente. Ela olha primeiro para o pénis que acabou de sair de dentro dela e depois para os seus olhos que brilham de desejo. “Sim, eu vou-te foder aqui mesmo também! Vira-te de costas para mim e inclina-te para a frente”, diz enquanto massaja seu pénis. Ela sem dizer nada faz o que lhe mandam e sente a água quente a cair-lhe pelas costas abaixo. Seu pénis endurece ainda mais com a vista que lhe é proporcionada e rapidamente investe com força segurando-a pela cinta. Investidas rápidas e fortes que lhe proporcionam mais um orgasmo. Recuperando o fôlego ele sai de dentro dela. Tendo em conta que ele ainda cintila de desejo, ela ajoelha-se a sua frente e envolve todo o seu pénis com sua boca. Com movimentos acertados ela vai-lhe proporcionando prazer intenso… O liquido desconhecido e quente invade-lhe a boca, ela engole e chupa até não restar uma gota. “Humm, que bom” diz enquanto se lambuza com os restos. Sendo já tarde ele lava-lhe o corpo, massajando suas partes favoritas com um gel de banho de aroma floral. Após o banho tomado, ele seca-lhe o corpo com a tolha e diz “Linda menina. Adorei foder-te, mas agora vamos dormir que amanhã precisamos de nos levantar cedo.” Ela exausta rapidamente adormece.

De manhã ela acorda com imensa tesão e apercebe-se que está molhada por estar a ser chupada. Sem tardar muito é envolvida por um orgasmo intenso. “Quero-te foder uma última vez antes de irmos embora.” diz-lhe antes de se enterrar dentro dela. Com movimentos fortes os dois atingem um orgasmo profundo… Após um saboroso pequeno almoço e se ter despedido do mar, seguem estrada fora em direção a casa. À porta da sua casa ele despede-se com um beijo e segue caminho. Já ela apercebe-se que se apaixonou por aquele homem e fica desejosa de um próximo encontro. Porém ela desilude-se quando ele não mostra ter tempo para estar novamente com ela. O desejo é imenso tanto ou mais que o caminho que os separa mas o tempo vai passando…

… E quando todo seu cheiro e toda a vontade, saudade e amor desapareceu – pensava ela ter desaparecido – é quando ele aparece novamente e vira seu mundo do avesso mais uma vez.

FIM – ou não?

Peregrinus #69Letras

Se o queres fazer fá-lo bem feito.

0576c6d680cbc6090506a21a0c58e977

 
Ter iniciativa é bom, mas se o queres fazer, fá-lo bem feito. Não o faças num momento previsível porque desse modo até me poderás roubar um beijo mas mais do que isso não.
Se o queres fazer, fá-lo bem feito.
Lança-te nos meus lábios com avidez, segura o meu rosto com as mãos mas deixa a delicadeza em casa, mostra-te firme. De preferência coloca-me entre a espada e a parede. Encurrala-me. Dá-me um beijo que me tire o fôlego, segura os meus cabelos pela nuca, mostra segurança desejo e comando.
Este é um bom começo. Por isso já sabes, se o queres fazer fá-lo bem feito.

Quem é este estranho que nada sei mas quero de volta?

a6915bd110921f35547aaf3c946c89aa

Esperei uma eternidade por aquele estranho como quem espera pelo fim de semana e quando finalmente chegou os relógios acordaram para o levarem junto com o tempo.
Já que te foste podias ter levado as nossas memórias também contigo ao invés de me deixares neste purgatório sem a tua pele, mas contigo a assombrares a minha mente e a invadires as vontades do meu corpo.
Quem é este homem que nunca quis saber que medos carrego?
Quem é este homem que desprezou a mulher delicada que sou, e me agarrou pelos cabelos e trouxe a chama ao meu olhar?
Nunca tive tanta força dentro de mim, como quando estava contigo. A minha mente era livre de violar e provocar o caos, o meu corpo descobri ser pequeno para tanto prazer e frágil para tanta perversão. Ah mas esta fragilidade deixou-me ainda mais louca e insaciável por desejo devasso.
Quem é este estranho que do sobrenome nada sei, nem de onde veio ou onde nasceu?
Deste estranho apenas conheço o olhar vazio com que acelerava a minha pulsação sempre que me olhava, decorei também aqueles lábios esfomeados de pecado, o meu olfacto absorveu o cheiro a animal selvagem e vadio que me atordoava os sentidos, e o meu corpo memorizou o tamanho daquelas mãos vis.
Ah, a forma como aquele estranho apertava o meu pescoço contra a parede num beijo sem espaço para fôlego é de perder a força nas pernas…
Quem é este estranho que nada sei mas quero de volta?