Não temo ficar sozinha. O que me aterroriza são os derradeiros momentos em que não estou, e vou ficar. Quando estou, já não me aborrece. Gosto da minha companhia. Sou uma gaja porreira; interessante e divertida até. Por alguma razão, nos segundos que antecedem a minha solidão, eu desespero.