Arquivo de etiquetas: espaço

As portas estão abertas só tens de entrar.

12195847_1622676891311375_7463551764273600607_n

Quando avistares esse novo mundo vais ter coragem para o explorar? De o desbravar e meteres-te entre caminhos por ti nunca antes percorridos?

Estás preparado para largar o percurso que até de olhos fechados conheces para em novos contornos te perderes ?
E se eu te disser que te abro as portas do meu mundo? Vais entrar e deixar a sombra para trás?
Vem! Só te deixo entrar se vieres sozinho lamento na minha casa só tenho espaço para ti e quartos e mais quartos em meu corpo cheios de amor para entregar.
Vem! Vem amar e de novo te encontrares noutro lar.
Se te der o meu corpo vais querer escrever na minha pele novas histórias?
As portas estão abertas só tens de entrar.
Vem que eu te ofereço não um mas dois mundos. O mundo onde queimarás no pecado e o mundo da paz que te assolará depois.
Vem descobrir como é fácil…

?A Vizinha #69Letras

Ao que iríamos brindar?

image

Tchin tchin.
O nervosismo tomou conta de mim quando os copos foram servidos.
Íamos brindar. Mas ao quê? – era a pergunta que me passava na cabeça. À tua chegada e precoce partida? Ao início de algo que vamos deixar passar ao lado ou ao fim de algo que tudo foi, mas não será? Ao que iriamos brindar? Aos breves momentos porque estes não são eternos?
Envolvidos pela luz vermelha daquele espaço, aproximamo-nos lentamente, de mão dada com o olhar os copos tilintaram, no ar apenas se escutou o leve borbulhar do champagne e o nosso brinde… foi selado. Com um beijo.

Não quero luz. Quero escuridão.

cdb513c235e2210fd624fe5e29328bcf

Fotografia: Via Pinterest

Pára de me inventar e materializa-te JÁ à minha frente.
Vem e derrete o meu sangue com os teus lábios quentes. Envolve o teu olhar no meu e encontra a paz na minha presença, assim como eu.
Dá-me a mão e leva-me contigo. (Não quero saber para onde, apenas leva-me), e mima-me eternamente com o teu toque no meu cabelo enquanto permaneço despida no teu peito.
Estes sintomas estão me a matar…
Não quero luz. Quero escuridão.
Não quero espaço. Quero um quarto.
Não quero ouvir a chuva. Quero o som do fogo a queimar.
Não quero um abraço, quero um amasso.
Não quero a paz de um amor. Quero a fúria do teu amor.
Não quero um corpo de anjo, quero o teu corpo de demônio. Esse corpo que tem a medida certa, para encaixar as minhas coxas torneadas em torno da tua cintura e empurrar-te o mais dentro de mim que possível.
Não te quero apenas na superfície da minha pele.
Quero que te fundas na minha pele pálida e a tinjas com a tua cor de verão.

 

Cátia Teixeira, Vizinha 69Letras® 26.02.2017

Usufruir de mim

50998cb1776673a7902870405fc77cbc

 

Libertei-me de ti, dos meus problemas, das queixas e dos meus ‘nãos’, resultado: passei a usufruir de mim.
Conquistei espaço à minha volta que não fazia ideia existir, alcancei partes de mim que também desconhecia e quando abracei acontecimentos, aprendi a dizer sim ao Universo, à beleza, à ausência e a tudo o que me faz bem. Repito: bem a mim.
Portanto, para ter e merecer basta soprar o que não nos enche o peito de luz e inspirar o que nos enriquece.

Amor sádico, tão intenso, tão animal, tão puro, tão bom!

7741afd2a53f76cdd8e67b89f96aca0d

 

De todos os sentimentos o que mais gostei de sentir foi aquele que me provocaste.
Tu chegaste mais longe que qual outro, aliás anulaste todas as memórias que tinha, e marcaste-me com as nossas.
Tu dominaste o meu corpo, a minha mente e a minha alma só te restou ficar para seres ‘o tal’.
Eu poderia suportar a tua ausência e a tua vida sombria cheia de perigos caso a minha respiração não dependesse de ti, ou o meu corpo não precisasse da tua presença para sobreviver.
Entende meu amor, é impossível suportar ser tua por inteira e ter-te aos bocejos.
O que despertaste em mim, trouxe-me vida desde o momento que me fizeste tua.
Amor sádico, tão intenso, tão animal, tão puro, tão bom!
Gosto de discutir contigo e sentir o sangue fermentar entre a pele, gosto da tesão com que ficas sempre que sou insolente, gosto quando me possuis e declamas que sou tua, gosto quando me fodes com vontade de rasgar a minha pele de modo a diminuir o espaço entre as nossas almas.
Vou ter saudades da beleza do meu nome na tua boca.
Vou ter saudades do teu olhar que me despiu tantas vezes e me fez cair a teus pés.

 

Fotografia: Via pinterest

A vizinha

“Se brilhas ficam cegos, se falas têm raiva e se sorris desejam que não dure”

http://natalequandoamulherquiser.pt/os-teus-pequenos-prazeres-dependem-de-ti/

Faz um like e vive momentos Carolans!  PASSATEMPO CAROLANS

Num mundo onde nem tudo depende de nós, encontrei apenas uma de duas soluções. Ou ficava zangada com a vida e tornava-me em mais uma das milhentas pessoas que julgam tudo e todos e que passam o tempo na fofoquice e a descredibilizar as escolhas dos outros ou procurava no meu dia-a-dia os meus pequenos prazeres.

Decidi que por mais trambolhões que já tenha dado não me ia juntar ao grupo dos resignados que é composto por pessoas zangadas cheias de ira e agem para com os outros com índice de sarcasmo elevado, insulto ou raiva. Não! Decidi não estar furiosa por ainda não ter realizado os meus sonhos.

Mantenho este sorriso de quem acredita que está prestes a viver o seu sonho, o meu olhar ainda brilha de inspiração, o entusiasmo mantém-se sempre que falo sobre onde quero chegar e continuo a encorajar outros tantos sonhadores e lutadores mesmo que ainda eu mesma não tenha conseguido alcançar os meus sonhos. De que nos serve menosprezar as vitórias dos outros só porque não conseguimos vencer? É num mundo contrário que quero viver onde aplaudimos quem não desiste, onde sorrimos genuinamente com a felicidade do outro.

Enfatizamos os nossos dias com insatisfação, monopolizamos conversas com tudo o que não tem a ver connosco que perdemos o nosso centro. O nosso eu, distancia-se, perdemos a sensibilidade de quem somos, do que realmente queremos individualmente, e quando damos por nós queremos o mesmo que toda a gente, seguimos a mesma direção até que chega uma altura que nos falta algo, não sabemos o quê. Cometemos erros uns a seguir aos outros na busca desse algo que nos falta, fazemos escolhas e loucuras, e quando paramos estamos perdidos. Perdidos de tudo, e principalmente de nós.

A vida já é demasiado complexa para vivermos nela sem nos conhecermos.
Não percebo nada da vida, e tenho demasiado a aprender, mas tenho uma certeza, busco-me.
Oiço-me.
Sinto-me.
Permito-me.

Este é o meu sonho, encorajar as pessoas a olharem para dentro de si, a descobrirem como podem melhorar a forma como começam ou terminam o dia. Nem sempre é possível termos o emprego dos nossos sonhos, e naturalmente que perdemos um pouco do nosso brilho após 8 horas diárias, mas, e se no tempo que nos sobra fizéssemos algo que pudéssemos controlar? Algo que amássemos? Tantas vidas ficariam mais leves se encontrassem também os seus pequenos prazeres.

O meu prazer, está na escrita. Nela encontro-me nela me perco. Nela sonho encontro o meu equilibro.
Se nos centrássemos mais em nós certamente suportaríamos mais facilmente as conquistas dos outros. Acontece que tantas são as pessoas que ficam cegas pela inveja. É tão fácil desvalorizar os outros quando somos tão pequeninos.

A tua ousadia é ofensa, as tuas conquistas urticária mas as tuas quedas são o arco-íris num dia de chuva.
Os pequeninos ficam ali no buraco mal cheiroso apertado e encurralados a verem-te voar e a orar para que te espetes no chão esmurres o nariz percas litros de sangue e ainda fiques desformado, por fim suspiram de alívio quando te vêm desistir e a resignares-te a viveres num buraco a emburreceres como eles.

Se brilhas ficam cegos, se falas têm raiva e se sorris desejam que não dure.
Podiam estas palavras ser exagero e mentira, mas não, é o meio em que vivemos, nunca és bom o suficiente e para quê apoiar e incentivar se podemos ser maus, mesquinhos e simplesmente rebaixar?
Ofende-me esta falta de humanidade. Não sou muito, mas inspira-me ver os outros voar!
Séc. XXI? Onde? Só se for no tempo, porque o espaço é outro.
Sociedade cínica, triste e cinza que se alimenta dos teus fracassos para se nutrirem.
A mim, parece-me cansativo viver assim, não seria mais simples se olhássemos para dentro de nós e deixássemos os outros voar? Basta que exorcizemos a inveja e a ganância e tenhamos coragem de sair do buraco…

Eu quero contagiar, inspirar mostrar que é possível melhorar o nosso dia-a-dia.
Convida uma amiga ou aquele amigo especial para um copo em tua casa.
Põe uma música a tocar, senta-te confortavelmente com a luminosidade à meia-luz, inspira fundo e enche os pulmões de ar, solta lentamente o ar e fecha os olhos, saboreia a cremosidade do teu Carolans e sorri. Conta disparates ri-te às gargalhadas, faz mil planos e sonha com eles, bebe mais um golo e sente o abraço na alma, funde-te com a melodia, não penses em nada absorve aquele local… Abraça quem amas. Dá mais um golo e beija por quem estás apaixonado, semeia e faz amor, termina a bebida, como te sentes? Cheia de amor!

Estou a chegar. Prepara-te. Porque esta noite quero-te amar!

1056e6d2f60830175a0e5ff9517a5c16

Gostar de ler? Segue-nos.

Estás em casa? Ótimo, estou a caminho.
Põe a música a tocar, acende as velas, encomenda o jantar, abre a garrafa de vinho e deixa-o abrir-se para o nosso paladar.
Recebe-me de calças de ganga e camisa com os botões desapertados e cabelo desalinhado.
Não percas tempo, despacha-te porque estou a chegar.
Quando chegar, dispenso o ‘olá tudo bem’ ou qualquer outro diálogo.
Quando chegar vou despir-me enquanto a música toca e tu observas-me do sofá. Servirei duas taças de vinho. Uma para ti e outra para mim enquanto brinco com as curvas do meu corpo e desfilo para ti.
Depois, tu vens dançar bem coladinho ao meu corpo já só em lingerie, em cima dos saltos altos do tom que me adoras ver. Vermelho.
Vou fechar os olhos com a cabeça no teu peito, e ali, naquele espaço só o meu corpo estará nas tuas mãos, porque a alma, ela estará algures difundida na melodia que toca no ar…
O toque da campainha vai anunciar o jantar e será mesmo no chão que vamos comer.
Comer o jantar, e devorar a pele um do outro com o olhar. As palavras estão proibidas, podemos por hoje ter o direito de não falar? Só quero quero escutar o som da felicidade no ar…
Estou a chegar.
Prepara-te.
Porque esta noite quero-te amar!