Uma rapidinha entre canais e uma porta fechada!

Não consigo pensar em nada mais triste do que um fim de um amor. Uma porta fechada, um quarto morto apenas com o som de uma rotina: deitar para cedo erguer para trabalhar, voltar jantar[…]

Continue reading …

Atenção! Não ler na diagonal!

Não é novidade que vivemos num mundo onde a opinião e a crítica são gratuitas. Não é novidade que hoje em dia e por força dos meios de comunicação e das redes sociais todos têm[…]

Continue reading …

As nossas escritas tecidas a sorrisos e mordidelas

Escreveste-me com inúmeros sentidos, escreveste-me movido por todos os sentidos… Escreveste-me ternura, carícias, sonhos e projetos. Escreveste-me paixão, tesão, fetiches e loucuras. Escrevo-te movida por um coração que sinto palpitar na boca pelas ânsias de[…]

Continue reading …

Ilumino-te. Apagas-me. Acendo-me e roubas a luz.

O único pecado que existe é não estares ao meu alcance, como poderei eu saciar-me se não te tenho aqui onde és preciso? Preciso-te para que me preenchas com os teus pedaços de homem trágico.[…]

Continue reading …

Não interessa quantos são

Não interessa quantos são. São todos filhos do coração, quem diria que eu teria um coração de tal tamanho. Os dias correm, corremos com eles de tal forma que perdemos demasiado à nossa volta. Tomamos[…]

Continue reading …

Momento íntimo de intelectualidade

Estava eu perdida… Na minha leitura, Na minha escrita, No meu momento íntimo de intelectualidade. Até me apareceres, desse modo. Sem jeito nenhum fiquei. “Não podes fazer isto desta forma!” Dizia eu perdida, nos teus[…]

Continue reading …

Densidades

  O ar compenetrado e meio sisudo do dia a dia, traduz-se num manter a distância das pessoas, pelas quais não nutre o mínimo interesse. A mulher cinzenta do dia, que durante a noite devora[…]

Continue reading …