Arquivo de etiquetas: dor

Desistir de sentir

Ela não sentia.
Apesar das marcas evidentes no rosto e do rasto de sangue que seu corpo involuntáriamente denuncia.
Anestesiada e sem fôlego.

Encolhida num canto de um quarto qualquer. Onde o espaço lhe é estranho e desconfortável. Mas isso pouco importa. 

Tudo o que ela vê é um vazio enorme à sua volta onde a vida perde cor e o ar não se respira. Um buraco de maneira macabra, familiar. 

Não sente. Por muito que a dor se intensifique até à exaustão do corpo. Não sente. O mundo já não gira, será isso? 

De olhar imóvel e alheio ao mundo, ela deixou de sentir. Porque o sentir a matou por dentro numa morte lenta e sem sentido. 

Quanto tempo mais dura esta dormência? Será salva num declive? Abandonada na valeta sem um único olhar se sentir? 

 

©Miss Steel 69Letras 2017 

 

 

A tristeza

Ela chega e ataca.

Sem dó nem piedade.

Magoa-nos com tudo o que encontra.

Traz-nos memórias antigas sem pedir permissão.

Ela apodera-se do nosso coração.

Com ela vêm as lágrimas quentes que caiem em silêncio.

Os pensamentos negativos entram na nossa mente.

Faz-nos confundir o ódio com o amor.

Provoca sentimentos que não queremos sentir.

Cala-nos a voz.

As palavras de nada servem.

A tristeza.

Muito mal nos provoca.

Mas o amor permanece.

Por muito que a tristeza nos destrua

O amor mantém-se.

Não se sabe porquê.

Não se sabe como.

Só se sabe que:

O amor é mais forte.

 

© Fox 2017 #69Letras

Finjo…

Finjo não reparar, mas escondo em mim este anseio crepitante de te ter.
Vivo como que numa ânsia encenada que me corroí as vísceras, e que me expõe sem apelo em chagas flamejantes nos planaltos perdidos de afrodisia.
Estou num cárcere. Sinto-me preso.
Sinto que é teu este sangue que bombeia em mim, em ebulição, ao sabor da volúpia.
Sinto-me teu, só teu, neste sentimento que encerro a ferros no meu peito, e que escondo do mundo dentro das muralhas imaginadas das minhas vontades.
Finjo ser forte,
Finjo não reparar no rosado dos teus mamilos, ou na forma como se precipitam quando nos cruzamos.
Finjo não reparar no dilatar da tua vulva, ou no calor que ela profere, nem tão pouco na forma como me olhas com esses olhos de menina.
Finjo ser livre, engano-me e exploro como posso o teu corpo imaginado, na solidão encenada do meu quarto.
#PSassetti #69Letras 06.06.2017

E eu sonhava…

 

E todos os dias sonhava, que no meu sonhar me sentias e ao sentir-me sorrias …
e eu julgava que sorrias para mim …

Deixei fluir os sonhos , porque são eles que me embalam e ainda são eles que me fazem sorrir ! Continuar a lerE eu sonhava…

Paz de Espirito

Os filhos não tem noção, quanto é o esforço que os pais fazem para lhes poder dar um futuro melhor.
Sacrificamos tantas horas embrenhados num ou vários empregos, que grande parte de nós, não gostamos, só para podermos sustentar os filhos.
Poderem ter um tecto, cama, comida e roupa.
Tantos fins semana perdidos, tantas férias desencontradas da família, para quê?
Para chegar um dia, e ver as tuas crias saírem porta fora.
E perguntas-te?
Será que os criamos bem?
Será que algum dia conheci bem os meus filhos?
Como mãe questiono-me.
Valeu a pena?
Tantas noites passadas fora, sem lhes colocar a vista em cima.
Chegar a casa, vê-los já deitados, a dormir.
Dás um beijo de boa noite, e eles sem se aperceberem de que estás em casa.
De dias passa a semanas, semanas a meses, meses a anos.
Sentes o teu coração apertado, invade-te uma tristeza, porque apercebeste
que, quase nada já sabes dos teus filhos.
O que gostam de ver, o que gostam de vestir, de comer, de fazer.
Sentes-te uma estranha na tua própria família.
Abdicaste tanto em prol de um lar seguro, estável financeiramente,
mas instável a nível emocional.
Hoje, vês-los a fugirem por entre os teus dedos.
Tens de tomar decisões.
Colocas na balança todos os prós e contras.
Chegou a hora, o momento de optares.
Trabalho sem filhos ou, filhos sem pais.
Colocas um basta!
Perdeste parte da infância, a adolescência quase toda,
mas não podes perder o inicio da idade adulta.
Em qualquer uma das fases eras precisa, para apoia-los,
mas perdeste quase tudo.
Agora tentas redimir-te, tentas infiltrar-te de novo na vida deles.
Amor de pais e filhos é incondicional, seja em que situação for.
Deixam-te aos poucos entrar na vida deles, deixam-te partilhar alguns dos seus momentos,
Nós tentamos recriar os laços perdidos.
Eles permitem. O teu coração aos poucos começa a ter brilho,
o peso de tristeza e remorso, começa a tornar-se em alegria.
Aos poucos voltaste a ganhar a sua confiança.
Sentes paz de espírito.
Recuperaste algo que julgavas perdido.
Amor e respeito dos teus filhos.
Um dia quando forem pais, eles perceberão,
os sacrifícios que fizemos em prol de um futuro risonho para eles.
©Lola 2017 #69Letras

Boneca

Usa-me.

Faz de mim a tua boneca de trapos.

Desfaz os meus sentimentos em farrapos.

Manipula-me.

Faz os teus jogos de sedução.

Brinca com o fogo e parte-me o coração.

Usa e abusa.

Deixa-me feridas abertas.

Para ti sou só mais uma dessas.

Abandona-me.

Num canto, fraca e indefesa.

Mata a tua Barbie princesa.

© Fox 2017 #69Letras

Sinto-me teu

Sabes,
Gosto de sentir a tua boca na minha naqueles fins de tarde esquecidos à beira mar,
naqueles em que o sal se crava sem aviso na nossa pele e torna os nossos beijos quentes e salgados.

Continuar a lerSinto-me teu