Arquivo de etiquetas: diabo é matreiro.

Deixar de f****? Gosto tanto!

12227701_1625182377727493_987634776916902320_n

Fotografia: Via Pinterest

A Vizinha deixou de fumar faz três meses.
Felizmente enjoei a marca de tabaco que fumava e ao invés de experimentar outra que o meu corpo não rejeitasse, decidi aproveitar e deixar de fumar.
Sempre gostei de fumar. Tem fumadores que não gostam do cheiro ou do sabor, eu adorava a nevoa de fumo, o travo e de o ter na boca. Ai como eu gostava de encostar os lábios e respirar suavemente na ponta antes de o humedecer com a boca.
Deixar de fumar nem pensar! Deixar de f****? Gosto tanto! Também tenho direito a ter um vicio! Dizia eu, sem qualquer noção da obsessão, impossível te-lo à mão sem o por vezes e vezes sem conta na boca. Que gulosa! Felizmente enjoei a marca, quando dei por mim acendia um cigarro, puxava dois travos e atirava fora. Enjoo, secura, má disposição, agonia! Ufah! Sintomas de liberdade. Ainda bem que há coisas que ainda não lhe perdi o gosto….
Tem corrido muito bem este desmamar, não o invejo na boca dos outros e até me sinto campeã quando cumprimento um fumador: Só cheiras a tabaco! Incrível como o nosso nariz passa a detectar um odor que antes nem dávamos por ele.
Há uns dias, A Vizinha andou em limpezas, e se estes fossem outros tempos teria rejubilado como quem festeja quando encontra uma nota esquecida, encontrei eu, um virginal maço de tabaco. Fiquei surpresa, não pelo achado mas pela minha reação. Indiferença! Eu! Eu que nos tempos de fumadora não suportava ter a mala descarregada de 20 munições, eu que se mal visse um tinha que o ter na boca e agarrar com as mãos!
Perguntam vocês o que fiz ao maço!?
Está exposto em cima da coluna da aparelhagem no meu quarto. Está ali, bem perto de mim, ele olha-me eu olho-o, fazemos-nos de difíceis, ele tenta-me e eu admiro-o pelo canto do olho… estamos assim, perto mas não tão próximos quanto isso. Confesso que gosto muito de me por à prova e descobrir o quanto consigo resistir… gosto de desesperar pela tentação, fermenta-se me o sangue, sofre a pele… querer e não ter… poder ter e ainda assim não me deixar tentar…. o diabo é matreiro quem sabe um dia destes ele não me ganha e tu não me apanhes com um na boca (cigarro)?

A Vizinha #69Letras