Arquivo de etiquetas: desilusões

O livro acabou….

O livro acabou,
Mas as páginas continuam em branco 
para ser preenchidas,
Cada linha um momento,
Cada página uma história,
O livro não acabou ,
tu é que saltaste o melhor
que estava acontecer,
Perdeste o interesse de ler
de me ler,
foi mais fácil pular da capa 
para a contracapa,
Do que apreciar o conteúdo
delicado, selvagem, 
cheio de paixão
Que te podia levar até 
aos teus desejos mais íntimos
Para ti o livro acabou,
deixaste de querer,
Para mim o livro começou
Comecei a viver de onde
me deixaste
©Lola 2017 #69Letras

Sufocada

Sinto-me sufocada,
Não me sinto,
Sinto-me perdida
em algo que lutei
mas deixei de ter forças
Sinto-me sufocada
numa relação que 
já não existe
Quero respirar mas o ar fica preso
Quero me libertar
Mas o sentimento é mais forte 
que eu,
Sufoco,
Quero acordar e pensar que 
isto tudo foi um sonho
Mas a realidade é outra
A dor persiste,
A mágoa é dolorosa,
Sinto-me sufocada 
para viver de novo,
A vida perdeu o brilho
Rendo-me ao inevitável,
Acabou!
Tens de superar,
Tens de lutar por ti,
Tens de te reencontrar
Mas as forças tendem abandonar-me
Sinto-me frágil,
Sinto-me sem chão
Sufoco para poder respirar,
Só queria sentir uma lufada de ar,
Aí saberia que poderia superar
tudo
©Lola 2017 #69Letras

Medos

Quantas vezes nos acobardamos de fazer ou realizar o que gostamos, por medo.

Quantas foram as vezes que te perguntaste E se…

Quantas vezes sonhaste o que poderias mudar, mas ficou sempre tudo por um sonho….

Porque temos sempre medo de avançar para o desconhecido

Porque o nosso maior medo está na nossa mente,
nas desilusões que tivemos, nos fracassos, nas tristezas.

Dizemos sempre que todas as pedras que se atravessam no nosso caminho, nos fortalecem.

Será?
E as mazelas que o percurso nos deixou, adormecidas não esquecidas no nosso subconsciente.

Quando a tua vida balança, vem tudo à tona.
O teu coração e mente viajam a milhas para uma solução.

Mais uma vez, o que fazes?
Ganhas forças para recuperar o que tens medo de perder

Medo… Medo…
É tudo que sabemos sentir quando os nossos muros se desmoronam.

Só pensamos nas perdas e as conquistas?
Também não teremos de ter medo de as perder?

©Lola #69Letras

Cadeado no coração

Quantas vezes abrimos e fechamos a sete chaves o nosso coração?

Quantas vezes introduzimos as chaves erradas para abrir o nosso coração?

Quantas vezes foram as cópias que utilizamos para mentir ao nosso coração?

Foram tantas, perdemos a contagem.

Mas, mesmo assim, não perdemos a esperança do dia D, ser o dia em que a chave entra na perfeição e quebra.., Para nunca mais se fechar.

Aí então, sabes…Sabes que encontraste a peça única que te preenche e te enche o teu coração de alegria e Amor.

Nessa altura sabes que por muitas vezes que te tenhas fechado, valeu a pena esperares, para seres feliz.

©Lola #69Letras

Alma de aço

De corpo me entrego
Mas a minha Alma de aço
Não verga,
Tanto foi derretida, moldada 
À mercê de quem a quis, mas não soube cuidar
Agora dificilmente conseguiram ver o núcleo
Poderão cobiçar, poderão usufruir do corpo
Mas a essência mais preciosa que poderiam ter de mim..
Fechou..
Virou metal impenetrável.
Não sinto nada.
Sou fria, insensível.
O único prazer que tiro é o carnal,
Se sou promiscua?….
Não sei…Talvez o seja…
Mas foste tu que me fizeste assim.
©Lola 2017 #69Letras

Contornos

O teu olhar delicia-se com os contornos do meu corpo,
mas será só isso que serei para ti.
Um contorno, uma sombra,
Para ser admirada quando o sol brilha
e esquecida quando a chuva chega.
O que procuras!!
Algo para admirares ou algo que possas usufruir
do seu interior e ser tua companhia para a vida toda.
Diz-me!!
Diz-me que não sou sazonal, 
Alguém de que te lembras só
quando as tuas necessidades apertam.
Se sou mais um desenho na página 
do teu livro da vida,
Então não quero que me desenhes.
Não quero que aprecies arte,
só para poderes dizer que possuis.
©Lola 2017 #69Letras

A vida é tão grandiosa!

Debitamos sexo por todos os poros, é a nossa essência, falamos de amor como quem muda de roupa, como amar durante o sexo. Prazeres mundanos e pequenos, segundos de paixão e tesão por horas de agonia, o homem ou melhor avaliam-se pelas derrotas vencidas ao longo da vida, é não pelos prazeres mundanos dessa forma obtidos.

Não existe simplicidade, não existem palavras que nos consigam levantar a moral quando o mundo desaparece debaixo dos pés. Não existe sexo que cure o mal, não existe amor tão forte assim que nos alivie aquela dor que nos mata, que nos sufoca alma, que nos aperta o coração e nos leva a pensar:
 
“Que merda andamos aqui a fazer?”
Desabafa que desabafar faz bem, mas num mundo onde as amizades são efémeras, afinal os homens têm amigas…
Para as comer, ou então para irem comprar lingerie com elas, pese embora alguns desses homens gostem tanto de homens como elas. Uma partilha saudável desde que não existe amor, esse sentimento afoito capaz de grandes asneiras, mas ainda assim, não são essas amizades que nos fazem sair da penumbra, a vida.
A vida é tão grandiosa.

Por vezes vivemos dando tudo por garantido, e quando assim o é, as chapadas caem do céu a velocidades diabólicas, quando se dá tudo por garantido, eis… que chega a chapada de luva branca, dada com tal violência que o mundo parece que acaba. E, aqui começa a prova de resistência, da luta para se manter de pé mais um dia, de resistir mais um dia, de mentalizar por dentro que somos o que somos e a ninguém o temos a provar, excepto talvez há luva branca…

Agora, quero todo o sexo do mundo, o meu mundo é vil, tarado e eu adoro que assim o seja, quero “meter ela de quatro e possui-la à bruta”, quero esse prazer vil, mundano, e por fim, quero aquela réstia de prazer, aqueles segundos mundanos em que se tem o orgasmo, simples, banal…
A vida pode ser tão fácil de ser vivida… Excepto…
Quando não a vivemos…
©NMauFeitio #69Letras