Não te prives e por favor sê feliz!

Pediste tempo, Tempo te dei, não te cobrei. Todo o amor perdido. Todos os segundos dados de boa fé, De coração cheio. Cheio de afecto. Esse que te falta, como o tempo que me pedes. Tens todo ele. Não te prives e por favor sê feliz! Com o teu tempo, junta-lhe espaço e afasta-te. Não…

Até breve…

Purpura princesa que a olhos vagueia, entre lobos acantonados nas cercanias, acorda de teu pesadelo que o corpo te medeia, não existem medos, nem urzes queimadas em serras vadias. Purpura princesa, de caminhos trilhados, vontades despertas em acampamentos de corpos lavrados, por essa vontade incerta de mexer em amor deitados, no suor agreste da mente…