Arquivo de etiquetas: casa

Meu doce sonhar

Cheguei a casa e lá estavas tu, vestindo o avental que me faz rir, a tocar a música que me faz relaxar, refrescando o vinho perfeito para casar com o cheiro que me invadia os sentidos e que sabia ser do meu prato favorito… Inevitavelmente sorri ainda que cansada, ganhei energia para me atirar ao teu abraço como um errante no deserto que encontra o seu oásis transbordando de água fresca…

Senti a tua pele, enchi-me de cor e calor, estava em casa, sentia-me em casa, era tempo de ser eu, era tempo de sermos nós…

Continuar a lerMeu doce sonhar

Deselegante

Enfiei-me na banheira, água quente, alguns perfumes e a clássica espuma… meia dúzia de velas eram suficientes porque ia fechar os olhos e apreciar um pouco de música…

Estava já longe do mundo quando chegaste de mansinho e começaste por uma massagem muito leve nos pés que espreitavam por entre as bolhas… um ligeiro tremor percorreu-me o corpo mas rapidamente me acalmei… Continuar a lerDeselegante

Sê nua ao olhos de quem não é cego

Humanidade pobre, tanto tempo à procura da felicidade em futilidades,
Quando tens um corpo quente e uma alma carinhosa em casa.
Casa?
É onde deixaste um sonho, um desabafo, um choro.
Onde todos os dias depositas um pouco de ti.
A entrega dura e crua numa realidade simplista, vivida da melhor forma.
Não precisas de aceitação de alheios,
Procura o amor…
Dispensa sacos cheios
Sê nua ao olhos de quem não é cego,
Ilumina o caminho de quem na realidade vê,
Esse animal selvagem que vive em ti.
Entrega-te como és, sem medos de represálias de uma sociedade que vive de falsas aparências.
© Krishna 2017 #69Letras

Meu querido Inquilino

Hoje vou cair sobre ti!
Ando a precisar de exercitar a boca… visto logo estarmos sozinhos em casa, vou me apoderar de ti.
Já me andas a dar calores há imenso tempo…
Hoje chegou o dia de por em pratica todas as minhas fantasias.

Fogo já estou molhada…

Peregrinus #69Letras

Meu amor, Não me entendas mal

 

Meu amor, Amo-te e amo tudo o que construímos juntos: a nossa casa a nossa rotina, ser tua mulher amiga e amante, chegar ao final do dia e encontrar-te em casa, acordar ao teu lado e seres a primeira coisa que os meus olhos vêem, as minhas mãos tocam e o meu nariz cheira.

Meu amor,

Não me entendas mal, mas com o passar do tempo a minha mente tem novas exigências e o meu corpo outros quereres onde outrora nunca havia sentido ou pensado.

Meu amor, eu tento que entendas estes meus novos desejos de querer ir à descoberta do corpo feminino, a luxúria de sentir outro toque na minha pele… A vida some e segue, e nós embarcamos com ela e também nos transformamos por isso não acredito que o mesmo não se passe contigo! Senta-te aqui ao meu lado, vamos degustar o nosso vinho juntos, relaxa, liberta-te e vamos divagar na ideia de quem sabe virmos a explorar outros odores. Imagina, eu tu, soltos para saciar estes desejos e juntos voltarmos para a nossa cama para nos amarmos com a magia com que fazemos amor.

Meu amor, Olha para este corpo cheio de vida e para estes olhos cheios de curiosidade, lança-te comigo à descoberta! Estes desejos consomem-me e vou acabar por os realizar com ou sem ti, mas meu amor, não sejamos mais um casal que se engana, esconde e trai! Bebe mais um golo deste nosso vinho, livra-te de preconceitos e deixa-me voar. Eu retornarei para o teu leito e para a nossa vida que construímos com tanto amor!

A Vizinha (texto inspirado nos desejos de uma leitora)!

Sensorial…

Leio-te…
As tuas letras são música numa pauta de maestro onde apenas quem sente a tua melodia saberá o que significam…

Vejo-te…
És uma bela e hipnotizante pintura, de pinceladas e contornos magníficos onde apenas quem tu permites ver conseguirá decifrar esse teu olhar e brilho…

Ouço-te…
A tua voz é um deleite para meus ouvidos! Apenas consigo te equivaler aos sons primaveris dos passarinhos, ou mesmo às mais belas sinfonias de Bach ou Mozart…

Cheiro-te…
Teu perfume inebria-me os sentidos! Inspiro e fecho os olhos, e ali permaneço uns segundos a contemplar a beleza do teu aroma…

Provo-te…
Teu sabor é único e inigualável! És doce, quente e saborosa… (até salivo!)

Toco-te…
És suave e delicada como uma bela pétala de rosa… teu toque é viciante e de um requinte sem igual…

Sinto-te…
Sim, sinto por ti o que nunca senti por ninguém! Sinto que me tiras a paz, a calmaria e sossego. Sinto um aperto de êxtase quando sei que vou estar contigo, sinto as borboletas no estômago que me inquietam e me deixam cheio de medo.

Medo… Sim, sinto medo por não saber se estarei à altura nas tuas “exigências” e vontades…
Estarão os meus sentidos a trair-me, ou estarei mesmo a sentir estas coisas todas por ti?

 

O Vizinho #69Letras

Só mais uma vez…

received_1039189282839395

Texto Erótico|M18

Chega o final de tarde de mais um dia cheio de calor. Lá estava eu a relaxar na cama de rede presa às árvores, exausta de um dia de praia, a ouvir o som da natureza.
“- Queres café?” – Aquela voz não me era estranha mas eu nem cheguei lá só queria estar ali a relaxar.
Insiste mais uma vez… Sabia bem que o café era algo que eu nunca recusava. Abri os olhos, tirei os óculos de sol e levantei a cabeça para ver quem me incomodava do meu sagrado descanso de beleza…
“- Tu aqui?!” – Foda-se, nem no meio do mato me livro das minhas tentações, do meu pecado mais profundo, do meu fruto proibido mas tão apetecido. Era ele aquele que me faz delirar, aquele que me faz vibrar com um simples olhar. Eu conhecia aquela voz.
O meu corpo bloqueou, a minha mente só pensava nas maravilhas que fazíamos, naquele corpo colado ao meu….
“- Então? Queres café ou não?” – Adoro quando ele é firme nas palavras! A minha boca só queria abrir para lhe dizer que esquecesse do café, era o seu corpo que eu desejava neste momento!
“- Sim claro que quero um café.” – Foda-se Little, acalma-te! Ele agora é comprometido e tens de respeitar isso…
Lá foi ele buscar o café enquanto isso aproveitar para me arranjar, peguei na minha malinha tirei o espelho e coloquei o bâton rosa que ele tanto adorava, carrego um pouco mais no risco dos olhos para realçar bem a minha cor, componho o biquíni e ato o lenço a cintura só para o estilo.
“- Tens tabaco?! A minha namorada foi comprar mas ainda não apareceu!” – Epá, este gajo tem cá uma lata… Aproveito a deixa e cobro lhe uma saída logo.
À noite… Fica pensativa pois para onde quer que vá leva a namoradinha. Insisto com ele pois seria a minha última noite ali. Com algum receio aceita.
“- Ás 22h no Bar ali ao fundo, é o único que existe aqui neste paraíso.
– Até logo então.”
Minto tão mal pois ele sabia que para além desse existiam mais uns três ou quatro. Chega a hora e lá estou eu à espera dele, sentada na esplanada do bar. Vesti o vestido rosa bebé aquele que ele dizia que adorava pois mostrava bem as minhas curvas, sapato alto preto para ficar quase do seu tamanho, e por baixo do vestido a lingerie rosa e preta, o quanto ele delirava com esta lingerie. Passado algum tempo continuava eu a sua espera, pensando que se tinha arrependido. Dirigi-me ao balcão, paguei a minha conta, já estava tão quente pois bebi tanto, e saí em direcção ao mato que havia por trás do bar.
“- Hey ….Onde pensas que vais?” – Olha, ele afinal veio…
Vem até a mim, agarra-me e dá-me um abraço apertado.
“- Pensava que não vinhas…
– Achas mesmo que ia perder a oportunidade de acabar a minha despedida de solteiro em grande?!” -Fiquei ali a olhar para ele com vontade de o espancar mas quando aquelas mãos me agarram e me pegam ao colo com uma tesão enorme e uma vontade ainda maior esqueci-me de tudo.
Se é para ser que seja em grande. Sai do colo dele, desapertei-lhe o botão das calças, baixei lhe os boxers e chupei cada centímetro do seu caralho… Que tesão de homem, foda-se! Lambi cada pedaço do seu membro, mordisquei aquela cabecinha malandra que quando em mim entrava me fazia gritar de tanto prazer. Estava quase a chegar ao seu ponto de ebulição. Tirei-o da minha boca, meti-me de quatro, naquele mato cheio de árvores e ervinhas entre mais uma data de plantas que não sei o que eram, enfiei-o dentro de mim…. enquanto me fodia ia-me explorando mais uma vez. Os seus dedos faziam círculos na minha vulva, aquelas entradas e saídas rápidas faziam-me chegar ao êxtase total! Levanta-me e de costas para ele encosta o meu delicado e tesudo peito ao pedregulho que ali se encontrava, vai enfiado o seu pénis no meu rabo enquanto faz os seus dedos entrarem na minha cona húmida. Acelera o ritmo e vai apertando o meu peito, com uma mão puxa os meus longos cabelos e juntos chegamos ao momento alto da noite. Vira-me de repente e à pressa e vêm-se no meu peito.
Recompomo-nos e chama-me de louca, diz-me que seria a sua eterna amante. Com um beijo na testa despede-se de mim dizendo que seria a nossa última vez .
Ri-me e disse ok.
Última vez… ahahahh tadito piorou….Hum última vez…. nem no seu maior e pior pesadelo…

Little Patrice