Arquivo de etiquetas: cair

Meu querido Inquilino

Hoje vou cair sobre ti!
Ando a precisar de exercitar a boca… visto logo estarmos sozinhos em casa, vou me apoderar de ti.
Já me andas a dar calores há imenso tempo…
Hoje chegou o dia de por em pratica todas as minhas fantasias.

Fogo já estou molhada…

Peregrinus #69Letras

Deixem-se cair

Para os que pensam que a vida perfeita existe, até quando vão viver nessa mentira? Ou têm mesmo a esperança que o mundo melhore?

Sejamos realistas

A vida não é feita de rosas, recheada de algodão doce ou colorida com um arco iris brilhante.

Há seres humanos a morrer por ignorância alheia, outros afogados na impotência perante uma doença ou por força das circunstancias.
E o que nós fazemos? Ou melhor, o que podemos fazer?

Um dia de cada vez! 

Viver um dia de cada vez e lidar com que esse dia nos traz.
Amanhã será outro dia e trará outras situações e personagens para a nossa vida, cuja a qual pode esperar por uma noite de descanso a fim de ganhar forças para enfrentar os novos dilemas que daí advêm.

Salvar um dia de cada vez. Uma vida de cada vez porque os super homens, só nos filmes mesmo.
Somos humanos. Frágeis. É favor lidar com cuidado.

Caiam das nuvens! Aí só vive quem se rege por ilusões.

©Miss Steel 69letras 2017 

Conto – Parte 1

Começou com uma mensagem provocadora, conversas banais. Estando ele tão longe dela eram as mensagens que lhe restavam. Ela bem tentava ignorar o “bip” do telemóvel quando entrava uma mensagem. Mas ela não resistia em ver se tinha sido ele ou não. Assim que via, ter sido dele ela lutava consigo mesma para não abrir e ler o que ele escreveu. Essa “luta” não demorava muito. Ganhava sempre a tentação. Era um vai e vêm de mensagens quentes. Arrepios e as cuecinhas molhadas era uma reação constante lendo as palavras escritas por ele – Aquele homem tão seguro de si mesmo, tão mais velho que ela. Tão bom que já a tinha na palma da mão. – Passavam os dias a conversar sobre tudo um pouco.

Um dia ela ouve o som do seu telemóvel à tocar, sem ver quem era ela atendeu. Uma voz masculina, bonita – que lhe causou um arrepio imediato entre as pernas – cumprimenta-à. Era ele. Ela nunca tinha ouvido aquela voz tão sensual. Sem saber o que dizer ou fazer ela simplesmente sorriu. Passados alguns segundos ele pergunta se ela esta lá. Apercebendo que ainda não tinha dito nada ela cumprimenta-o. “O que estas a fazer neste preciso momento” pergunta ele. A resposta dela é quase imediata: “A vestir-me.” Ela ouve um curto gemido. “Muito bem. Despacha-te e sai para fora. Hoje não vais dormir em casa.” O mundo a volta para. Será que ouvi bem? – pensa ela. Como se ele lhe tivesse ouvido os pensamentos ele responde: “Sim ouviste bem. Estou a tua porta. Despacha-te.” Ele desliga. Incrédula ela fica olhando para o seu telemóvel. Passados alguns minutos ela começa a vestir o resto da roupa e olha-se no espelho. Calças rasgadas e um T-Shirt de andar em casa. Eu não posso sair assim – pensa ela. Estando calor na rua ela despe a roupa novamente e veste um vestido lindo que nunca usou por vergonha. É um vestido que lhe destaca as curvas sensuais. É provocador e encantador. Ficando a ver o seu reflexo no espelho ela começa a pensar se ele realmente estará à espera ou não. Passa um batom vermelho nos seus lábios carnudos e cheios. Puxando o elástico que lhe prendia o cabelo começa a cair o seu cabelo ondulado sobre seu rosto e costas. Ajeita um bocado o cabelo para trás. E sai do quarto com a sua bolsa. Calça umas belas sandálias e sai porta fora. Lá esta ele. Aquele homem tão seguro de si mesmo, tão mais velho que ela. O homem mais bonito que ela alguma vez viu. Sentindo suas pernas a tremer e suas cuecas a molhar ela segue em frente e para quando estão cara à cara. Tocando no rosto dela e puxando-a contra si ele beija os lábios dela que a tanto desejava. Com uma mão na sinta dela ele puxa-a ainda mais contra ele. Ele quer que ela sinta à tesão dele. À tesão que ela lhe causou no momento em que a viu. “Foda-se és tão bela.” Diz ele enquanto a beija. “Quero-te possuir aqui mesmo.”

…. continua..

Peregrinus #69Letras

Despi-me para ti.

11202620_943920595662868_59036442099581415_n.jpg

Fotografia: Soft Focus Productions

Despi-me pela primeira vez.

Despi-me para ti.
Não falo de roupas e acessórios. Falo-te de muros armaduras cadeados e fechaduras!
É…. um dia tinha de ser.
Como me sinto?
Na corda bamba. Como uma folha desajeitada que balança ao sopro do vento prestes a cair.
Despi-me para ti. Pela primeira vez.
A ti me lanço sem saber se me segurarás.
A ti me abro e te deixo ler tudo o que dentro de mim escrito está.
Peguei em mim e a ti me dei como presente
E desse momento em diante
Nada me garante
Que a minha nudez para ti seja importante!

 

A Vizinha

Entende meu amor, é impossível suportar ser tua por inteira e ter-te aos bocejos.

image

De todos os sentimentos o que mais gostei de sentir foi aquele que me provocaste.
Tu chegaste mais longe que qual outro, aliás anulaste todas as memórias que tinha, e marcaste-me com as nossas.
Tu dominaste o meu corpo, a minha mente e a minha alma só te restou ficar para seres ‘o tal’.
Eu poderia suportar a tua ausência e a tua vida sombria cheia de perigos caso a minha respiração não dependesse de ti, ou o meu corpo não precisasse da tua presença para sobreviver.
Entende meu amor, é impossível suportar ser tua por inteira e ter-te aos bocejos.
O que despertaste em mim, trouxe-me vida desde o momento que me fizeste tua.
Amor sádico, tão intenso, tão animal, tão puro, tão bom!
Gosto de discutir contigo e sentir o sangue fermentar entre a pele, gosto da tesão com que ficas sempre que sou insolente, gosto quando me possuis e declamas que sou tua, gosto quando me fodes com vontade de rasgar a minha pele de modo a diminuir o espaço entre as nossas almas.
Vou ter saudades da beleza do meu nome na tua boca.
Vou ter saudades do teu olhar que me despiu tantas vezes e me fez cair a teus pés.

?A vizinha #69Letras