Vamos aproveitar… abraça-me forte!

Fotografia: Jürgen Vollmer – Paris, 1960   Aproveita esta noite e ouve o quão alto fala o meu coração, mas não uses os ouvidos não, porque ser-te-á tudo revelado num beijo. Vamos sentar-nos frente a frente,[…]

Continue reading …

Não sou o teu brinquedo

  Não é a minha ‘cena’. Amar uma pessoa e exibi-la como se fosse um brinquedo novo pode não ser um ato de amor que a faça sentir bem a menos claro que ela se[…]

Continue reading …

Não sei o que quero de ti.

Não sei o que quero de ti. Talvez queira o mesmo que tu, mas afinal o que queres tu de mim? Provavelmente queremos tudo e com um pouco de sorte venhamos a ter nada. Apenas[…]

Continue reading …

como se fosse a primeira vez!

Para ficar, basta que faças tudo como se da primeira vez se tratasse. Olha-me como se fosse a primeira vez que vês, Abraça-me como se fosse a primeira vez que me sentes a favor do[…]

Continue reading …

Beija-me além do que se vê.

Beija-me. Beija-me os lábios, mas não te esqueças do cérebro. Beija-me: o olhar, a boca, os cabelos, as mãos, o ventre, o interior das coxas, os pés, as faces, o sorriso, o pescoço, as feridas,[…]

Continue reading …

Quem é este estranho que nada sei mas quero de volta?

Esperei uma eternidade por aquele estranho como quem espera pelo fim de semana e quando finalmente chegou os relógios acordaram para o levarem junto com o tempo. Já que te foste podias ter levado as[…]

Continue reading …

Quero um abraço que me deixe libertar

Sei do que estou a precisar. Sei o que me está a fazer falta, mas desconfio que se o fizer irei desfazer-me em lágrimas e receio, sozinha não ser capaz de suportar. Pudesse eu, largar[…]

Continue reading …