Arquivo de etiquetas: barba

Acordar contigo

Aquele suspiro preguiçoso de quem acorda feliz… É a primeira memória deste dia que amanenhece com o teu cheiro, que me faz sorrir enquanto me espreguiço de encontro ao teu corpo que repousa ao meu lado. Enrosco-me, sabe bem estar envolvida no teu abraço de urso, sabe a conforto, a segurança…
Alcanço a tua face e afago-te a barba. Despertas e sinto o teu sorriso na ponta dos dedos… Estás tão feliz como eu por partilhar este acordar… Beijas-me o pescoço como se não soubesses o efeito que isso me causa… Pestinha…
Bom dia… Trocamos algumas palavras enquanto os nossos corpos acordam e se cumprimentam no seu jeito tão especial…
Hoje vai ser um bom dia sim, pelo menos começa bem…

© Vicky M 🐼 13.08.2017

#69letras

O novo cantinho da VickyM: facebook.com/VickyMPlace/

Homens com ou sem barba?

Mas afinal, o que queremos nós mulheres?
Homens com ou sem barba?

Suponho que a nossa opinião vos interesse caros senhores! Afinal de contas são a nós que vocês se insinuam, salvo as excepções óbvias claro.
Compreendo o vosso ponto de vista! Sim dá-vos um ar selvagem que nos eleva a imaginação para outros campos bem mais sórdidos.
Tambem confesso que o ar latino descuidado nos excita, mexe com os nossos botões ou melhor faz-nos desabotoar os mesmos!
Mas será que é isso que queremos mesmo?
Será que preferimos a carinha limpinha tipo pele de bebé que de tão macia nem nos apetece desgrudar dela? Aquele ar clinico e higiénico que já sabemos de antemão que não nos irá provocar nenhuma alergia ou vermelhão na nossa pele.

Bom, uma coisa vos garanto! As MULHERES gostam de VARIEDADE meus amigos!
Arroz com massa todos os dias cansa!!!!
Portanto fica a dica da Miss Steel! Variem! Sejam selvagens hoje e bebés amanhã!

©Miss Steel 69letras 2017 

E a vontade de te ter dentro de mim começou a invandir-me..

– Hoje acordei com a chuva a bater na janela.
Aquele som maravilhoso, fez-me esboçar um sorriso e vontade de me aconchegar em ti!
Rapidamente o desejo apoderou-se de mim e fui tomar banho!
Ao sentir a água quente a cair sobre o meu corpo, fechei os olhos e imaginei as tuas mãos a percorrê-lo. Comecei a ferver por dentro..
E a vontade de te ter dentro de mim começou a invandir-me..
Quando já não conseguia imaginar mais nada no meio daquela loucura envolta da minha cabeça…
Tocam à campainha!
FODA-SE!

– Ai São Pedro! Chega de mau humor!!!
Queremos sol, cerveja na esplanada e bikinis nos corpos!!!
Todo molhado à porta do teu apartamento sinto o odor saboroso do teu gel de banho que me invade as narinas, e depressa fico-te imaginando nua, de pele húmida e brilhante, me pedindo para a hidratar com aquele creme maravilhoso de Amêndoas Doces… Sim, nada me dá mais prazer do que te ter nas minhas mãos, inteira á minha disposição.
“Olá! Posso entrar?”

– Fico petrificada na porta a olhar para ti, ainda meio húmida em todos os sentidos e com a toalha à volta do corpo..
Só me apetecia dizer-te “Por favor, termina o que a minha cabeça iniciou!”, mas da minha boca só saiu um simples:
“Podes”.
Olhaste-me nos olhos e não os desviaste enquanto entraste. Pegaste-me pelo queixo, roçaste a tua barba na minha pele macia e beijaste-me a testa. Senti o meu corpo a vibrar! Entraste na sala e começaste-te a despir..
“Apanhei muita chuva! Importas-te?”
Deixei cair a toalha e respondi: “Agora não.”

– Esse teu sorriso lascivo e olhar desejoso deixa-me louco!
Caminhas até mim vagarosamente, e a cada passo que dás meu coração acelera e minha libido aumenta…
“Aquece-me nos teus braços…” dizes.
Pego em ti e no meu colo te aconchego, na minha boca te tomo… deitamo-nos confortavelmente no sofá, e enquanto isso olhas-me nos olhos, mordes o lábio e por telepatia dizes “Estava mesmo a pensar em ti.. Como adivinhaste?”
Nada respondo.. Apenas sei que hoje nada nem ninguém nos tira daqui, deste ninho onde frio não entra e a chuva fica lá fora, a bater na janela…

Annastasia
&
O Vizinho #69Letras

Guloso.

075bed98ccf9391784e25cecbbbc24d4

Fotografia: Via Pinterest

Num sussurro revelas que me vais saborear muito devagar e que ao céu rapidamente iria chegar. Deves! Escarneci mentalmente. Nessa mesma tarde havia sofrido de um desejo subito e por três vezes, fui minha… Tão molhada e só minha… Há hora de jantar já estava nos braços dele, ou melhor na boca dele! Sem pressas, como se o tempo não existisse, vasculhou cada segredo meu, e na sua boca, senti-me como que a redescobrir-me. Sem relógios apressados, ele maravilhava-se entre as coxas,com o sabor adocicado do meu desejo, e a cada exclamação da sua degustação mais lhe dava a beber do meu suco… E sem avisar este meu corpo sucumbiu em espasmos de prazer, gemidos de fervor e mar de satisfação. Ele, ainda com a cabeça entre as minhas, deixou-se estar até deixar de sentir o meu coração a palpitar na suavidade dos seus lábios. Tentei puxá-lo até a minha boca para o beijar e lamber da barba o que restou de mim… Que estás a fazer? Pergunta ele – Ainda agora comecei. Guloso.

Hoje é dia do segundo encontro.

2c1baa3da378ba8e2c96d911ad09ea94

Encontro dividido por capítulos, cautelosamente adivinhado.
Ainda tenho o primeiro encontro a respirar na minha pele, naquela noite, só me dei conta da loucura que estava prestes a acontecer quando desliguei o carro. O corpo atraiçoou-me, as pernas tremiam, o coração estava louco, o meu estômago revolvia-se, a minha pele suava mas mesmo assim prossegui com o combinado.
A porta aberta tal como havíamos combinado, o quarto a meia luz, o meu corpo vestido de lingerie bordeaux a condizer com a venda estendida sobre a cama.
De frente para a porta de saída, com a gabardine já despida, surges atrás de mim vindo não sei de onde escondes o meu olhar o teu rosto como planeado.
Os teus passos espalharam-se pelo quarto e trouxeram melodia ao nosso cenário.
Sinto calor perto de mim, estás à minha frente, puxas-me para ti e danço com este desconhecido que ainda não tem rosto.
Proposta indecente, perigosa que me fez ser inconsequente e aceitar viver esta loucura.
Naquela dança, descobri que a tua barba estava por desfazer, o teu cheiro era lascivo, e o teu toque intenso.
Oiço-te a encher um copo de espumante, que só o adivinhei quando me ajudaste a saborear a bebida… circulas à minha volta e detens-te a cheirar os meus cabelos loiros enquanto dou golos de espumante na tentativa de minimizar o nervo, e a ansiedade do que se seguiria…
Na cama, após a tua ordem, as tuas mãos percorreram a minha pele como se eu fosse uma obra de arte. Sem pressa e com intensidade, viajaste pelos meus contornos e agitaste a maré sanguínea que se esconde debaixo da minha pele branca… a tua boca acordou cada poro da minha pele e as tuas mãos confundiam cada sensação que me despertavas.
Naquela altura lembro-me do calor que me saia entre as pernas, provavelmente as minhas fases já estariam rosadas de desejo… lembro-me de me teres dito ao ouvido o quanto me desejas, e depois seguiu-se aquele beijo que me trespassou o corpo como uma corrente eléctrica… no chão os teus passos afastam-se e fechas a porta.
Tiro a venda, e tal como combinado o primeiro encontro da-se por encerrado, e eu fiquei sozinha naquele quarto com o peito a expandir-se pele respiração acelerada.
Hoje, é o 2º capitulo, e mal posso esperar.

Deixas os meus olhos fazer amor com os teus?

image

Olhar.
Olhar para ti.
Se eu pudesse os meus olhos só te veriam a ti, hoje amanhã, depois de amanhã e todos dias que sucedem a estes.
Se eu pudesse nunca mais tiraria os meus olhos de ti.
Deixas?
Deixas-me perder? Perder no teu rosto, mas sem pressa?
Posso passear-me pela tua barba e entre labirintos cerrados quem sabe mergulhar nos teus lábios e deleitar-me com o abraço dos teus lábios por toda a eternidade?
Se não for eternamente pode ser um
Dois
Três dias, até te perderes na contagem? Deixas?
Deixas os meus olhos fazer amor com os teus?
Deixas que eles se reconheçam, se entendam e se percam a percorrer as nossas almas?
Permites-me sorrir, só porque te vejo sorrir?
Queres sorrir porque me ves sorris sob o teu sorriso até nos perdermos em sorrisos, apenas porque sim, apenas porque estamos ali… a olhar um para o outro?

© A vizinha 69 Letras 2015