DÓI TANTO!

Dói tanto, mas tanto… Conduzir em direcção diferente… E no banco do pendura… Ter-te de mim tão ausente… Dói tanto, mas tanto… Não poder inverter a marcha… Que vontade de te esperar… À porta de tua casa… Dói tanto, mas tanto… Conduzir em sentido oposto… E não poder controlar… As lágrimas no meu rosto… Dói…

Andemos devagar, com poucas pressas, porque amar é ser paciente, é ter calma quando agreste está o sentimento, é saber esperar sem ser ausente…

Minha alma já detens, dela faz bom uso, sem recuso de parte certa que aquilo que me vais trazer nunca venha desaparecer. E na dúvida e na incerteza que nos assolará de certeza, que teu pensamento vagueie, e na imagem recolhida se passeie sem que medos ou incertezas nele caibam. A ti me entrego de…