Arquivo de etiquetas: animar

“… estás-te a babar toda!”

Texto Erótico|M18

Há uns meses atrás combinei ir beber um copo com alguns amigos meus. Fomos até a um bar e dai para um salão de jogos. Chegando ao salão reparei num homem esbelto. A cara dele não me era estranha, mas não me conseguia lembrar de onde o conhecia.

Os meus amigos decidiram ir jogar snooker… Eu sentei-me perto da mesa e fiquei a escrever para vos. Estávamos todos animados. Os que não estavam a jogar foram jogar as setas. Eu continuava ali sentada quando olhei para a mesa dos meus amigos e vi-o. Ele estava com o olhar fixo em mim e a falar para um dos meus amigos. Fiquei completamente parada no tempo. Aquele olhar penetrava-me alma e deixou-me com as pernas a tremer. Fiquei a olhar para ele, enquanto ele se preparava para uma partida contra os meus.

Eu estava tão enfeitiçada que já não dava fé das outras pessoas. E foi ai que ele se virou para mim e me começou a provocar. Sentia as minhas cuecas a molharem-se. Ele chamou-me para ir jogar com ele, mas eu negava dizendo que não sabia jogar. Ele pegou na minha mão e levou-me até a mesa dizendo que me ia ensinar. Deu-me o taco para as mãos. O toque de seus dedos na minha pele me deixou arrepiada. Chegou-se por trás de mim e encostou-se para também poder posicionar as suas mãos no taco. Senti de imediato o seu pénis a roçar no meu rabo. As minha pernas tremiam e as minhas cuecas já estavam encharcadas…

Com um movimento rápido ele largou o taco e fez me larga-lo também para me virar de frente para ele. Estávamos agora cara a cara e eu sentia a minha respiração a acelerar. Depois de me penetrar com aquele olhar misterioso e sedutor agarra-me pelo pescoço e beija-me com intensidade. Sinto a sua mão percorrer o meu corpo… Parando nas ancas também a sua outra mão percorre o meu corpo. A minha camisola desliza para cima deixando os meus fartos seios envoltos de um sutiã vermelho de renda aparecer. Ele para de me beijar e aprecia o que agora esta a vista. Com um olhar maroto desliza o seu polegar direito para dentro da copa e começa a fazer círculos a volta de um dos meus bicos e este fica rijo com aquele toque suave o que me faz soltar um gemido. A sua mão esquerda desliza para as minhas costas. Enquanto isso ele se encosta mais contra mim e eu sito a sua tesão enorme a fazer pressão contra a minha vulva inchada… O sutiã cai.

“Peregrinus! Peregrinus!”… “Ah?” Oiço alguém a chamar por mim. Viro-me e dou de caras com uma das minhas amigas. “Peregrinus, estás-te a babar toda.” Literalmente! Que vergonha. Saio dali a correr…

Peregrinus #69Letras

 


Regista o  teu cartão de cliente e obtém 10% de desconto em todas as tuas encomendas!

www.aubaci.com/69letras

Ai se eu um dia te beijar, ahahah

10473194_1640640129515051_8037369471923363689_n.jpg
Ai se eu um dia te beijar, ahahah até me rio só de pensar, na cena das borboletas a pairar e outras cenas que conseguia fazer animar e não era borboletas não, escusas de te por a imaginar. Se um dia te beijar não é a lingua que te vai incomodar, porque mesmo suspendendo o teu respirar, vais sentir aquela falta de ar que ressoa na cabeça quando ouves o coração a bombear. E nesse beijo em que ficas a flutuar, vês cotovias no montado a pairar, chaminés de forno aceso e cheiro de pão quente no ar e manteiga derretida a acompanhar. E nesse dia em que te beijar, em que teu coração na minha morada pela porta entrar, ouvirás o som do piano velho da sala a tocar apenas para ti, para teu rosto encantar. No dia em que eu te beijar, despedes te de ti no cais de embarque em que te fizeste embarcar, segura no caule do girassol sorriso que te fizeste acompanhar na mais perfeita forma de juizo sem forma de te julgar. Nesse dia em que te beijar e em que te sentirás voltar a viver, a ocupar o teu lugar que te dá direito novamente a amar é nesse dia de encontrar que te vais perder, que serás tu mesma, uma conhecedora do teu ser, alma viva, livro aberto de pagina em branco a se escrever. Nesse dia com a mente em desalinho, sorrirás só para mim, sorriso unico do certo caminho, vida consentida e corpo dado numa cama enrolada em lençois de linho e no meio de tanta perfeição imaculada havemos de nos amar devagarinho, sem pressas de sair de tua morada. No dia em que te beijar todo o teu mundo vai mudar, mas queres mesmo saber ? Nao queres nem, te vais importar, renasces para ti, somente para ti sem nenhuma satisfação ou vontade de a dar, apenas sofrega de meus lábios procurar numa sede imensa essa vontade de á cama voltar.

O Inquilino