Arquivo de etiquetas: agitada

Vou enlouquecer!

Conto erótico

Vou enlouquecer!

Estava eu tão sossegada que até parecia uma menina linda de tão bem comportada. Mas não! Tive de arranjar lenha para me queimar.
Andava eu tão tranquila no meu jejum e tinhas de vir com propostas decentes e asteriscos indecentes. Os meus olhinhos brilharam assim que compreendi as entrelinhas. ‘Finalmente’ – pensei eu – ‘vou ter aquele homem latino para mim’.
Estava eu tão sossegada e agora estou eu tão inquieta!
Adivinhei-te quente, envolvente e com um cheiro particularmente delicioso mesmo ao gosto do meu olfacto e acertei em cheio! Desde que te conheci que eu sabia… detectei-te no sorriso que falou com o meu corpo.
Que desassossego é este que mora em mim desde que te provei. Maldição! Parece que ainda te sinto entre as minhas pernas… Eu fervo, agito-me, passo o corpo por água gelada, mas parece impossível apagar-te da memoria desta pele, então eu escorro entre as pernas, transpiro, sofro e suspiro!
És terrível.
Quero-te de volta só apenas para que encerres este desejo que deixaste no meu corpo.

© 👠Cátia Teixeira, Vizinha 69 Letras 2015


Regista o  teu cartão de cliente e obtém 10% de desconto em todas as tuas encomendas!

www.aubaci.com/69letras

Copo meio cheio ou meio vazio.

01999932e1a3c2c62f083223fa18cbce

 

Acordei em sobressalto ansiosa e agitada quase que a sufocar. A minha primeira reação assim que acalmei a respiração, foi chorar, não desalmadamente, mas conformada.
Senti as lágrimas a nascer e a empurrarem-se umas às outras como que a libertarem-se… prisioneiras da minha dor.
Desceram lentamente pelo rosto, fazendo comichão na pele prestes a mergulhar na almofada.
Respirei fundo e encontrei-me dividida entre o copo meio cheio ou meio vazio. Copo meio cheio porque voltaste a casa e confortaste o meu coração. Fazia tempo que não sonhava contigo, e esta é a única forma de te trazer até mim, de te ver e reavivar nas memórias a tua imagem que com o passar do tempo tem vindo a perder cor, o que me deixa assustada. Tenho receio de um dia fechar os olhos e ao tentar procurar-te não te conseguir ver, e se para te ver e avivar nas memórias tenha de ser em forma de pesadelos, que seja, todos os dias, não quero saber, quero te ver! Tudo para te ver, uma vez mais.
Inevitavelmente senti o copo meio vazio, os sonhos ou os pesadelos são reais naquele espaço de tempo em que se processam, mas quando desperto, a realidade é crua e desfalcada. Não és palpável, és passado, memórias, lágrimas e sorrisos, a vida segue e eu sigo junto com ela, forçada, vazia, com meio coração a transbordar de saudade… a desejar voltar a dormir, e quem sabe ver-te mais um pouco… e quem sabe se esse sonho ou pesadelo dure o suficiente para me tirar esta sensação de viver em metades…

 

 

A Vizinha