Arquivo de etiquetas: 7thSin

Somos loucos! E esta loucura faz-nos viver!..

Texto Erótico | M18

Estás na varanda…
O vento teima em passear pelo teu cabelo…
O teu pescoço fica a descoberto numa dessas brisas…
Sentes-me chegar por trás de ti…
As minhas mãos abraçam ao de leve os teus ombros…
Os meus lábios aproximam-se da pele do teu pescoço…
Sentes o meu hálito quente que anseia por ti…
Sentes a ponta húmida da minha língua a delinear a tua pele…

Deixo-me ficar sossegada, tão inocente quanto me conheces… Por dentro já palpito… Malditas palpitações que não me deixam respirar…
Encosto-me mais a ti, na esperança, em vão, de me tranquilizar…
Não, não vou activar o meu modo atrevida já. Vou desfrutar desse calor vindo de trás…

Encosto-me a ti na esperança que sintas o quanto te desejo…
O quanto anseio por este momento (como tantas outras tuas idas à varanda…) que te vejo assim ali…
Debruçada na varanda…
Com esse teu pijama de cetim branco que invoca a pureza, adornando esse teu corpo ardente em desejo, que invoca o desejo lascivo de seres possuída…
Ali! Assim!
Sem pudores!
Despojada de vaidades!

Eu sinto-o! Mal tu sabias que todas as minhas idas foram na esperança de te ver, sentir. Fascina-me o que o teu olhar me diz, o que o teu corpo inconscientemente me pede.
É hoje? Penso em ter-te cá dentro… Na faísca dos nossos corpos… Nos devaneios das nossas mentes conspurcadas de desejos negros…
Quero que me possuas aqui mesmo.
Onde tantas outras vezes fui possuída em pensamento.

Sinto o teu corpo reagir aos meus impulsos…
A forma como o teu pijama evidencia os teus mamilos erectos, carregados de tesão e desejosos de atenção…
As minhas mãos descem dos teus ombros em direcção ao teu peito…
É vez dos teus mamilos serem então alvo da atenção desejada…
Polegar e indicador de ambas as mãos, em cada um deles!
Aperto…inicialmente de uma forma subtil…
Sorris com um ar malandro…
Aperto de novo…
Desta feita, com muito mais intensidade…
Gemes e mordes o teu lábio enquanto as tuas mãos agarram firmemente o corrimão da varanda e entreabres as pernas…
Sinto que estás molhada…ardente de desejos…sedenta de seres penetrada pelo meu sexo…que anseia pelo teu…

Sentir o meu peito quase que todo dentro da tua boca faz-me ficar ainda mais excitada… Aos poucos e poucos vou-me preparando para te receber…
Já mal sinto os dedos da força que faço no corrimão da varanda… Ah se eu soubesse… Entreabro mais as pernas, quero que me toques.
Preciso sentir os teus dedos dentro de mim…
É demais o que me provocas…
É então q te apresento o meu sexo…sedento de ti…
Toca-me!
É a minha ordem do momento…
Sinto a tua mão gelada, fazer curto-circuito com ele…
Dá-me vontade de continuar a abrir ainda mais as pernas…
Deixar que esses dedos viciosos entreabram os meus lábios…
Sente-me molhada….. Sente as minhas pernas já bambas…
Assim que introduzes o teu primeiro dedo já suspiro…
Quero mais…
Outra ordem!

Acato as tuas ordens como um cavalheiro deve fazer!
Sinto a tua respiração ficar cada vez mais ofegante à medida que os meus dedos dentro de ti “bailam” num frenesim desmedido, e o teu corpo inicia uma contagem decrescente para o limiar do prazer…
Estás tão molhada…
Tão ofegante…
Entre gemidos, suspiros e murmúrios “desordenados” vindos de ti, os teus lábios conseguem articular aquilo que mais prazer me deu ouvir naquele momento:
– Penetra-me Sin! Aqui! Agora! Não aguento mais! O meu corpo vai explodir, mas quero sentir-te dentro de mim enquanto isso acontece! – disseste em tom de loucura para quem quis ouvir, bem do alto daquela varanda!
Sem mais demora, fi-lo!
Baixei-te de uma só vez as calças do teu pijama de cetim…
Com os meus pés, afasto-te ainda mais as pernas!
Coloco as tuas mãos no parapeito da varanda e com as minhas por cima, deixo-te numa posição submissa! Quase presa! À minha mercê!
De um movimento só, sentes o meu sexo duro dentro de ti!
Gritas! De dor e acima de tudo de prazer!
Faço-o de novo!
E de novo…
E de novo…tantas e tantas vezes num vaivém de desejo e prazer mútuo!
Estamos completamente fora de nós!
Desligados da realidade!
Sentes uma das minhas mãos subir em direcção ao teu pescoço…
Aperto-o! Não muito!
O suficiente para perceberes que és minha posse! Ali e agora!
E ao mesmo tempo que o faço, penetro-te mais forte!
Mais fundo!

Enquanto te sinto tão cá dentro que parece que fui feita para ti, digo-te pela primeira vez…
-Sou tua! Estou nas tuas mãos! Faz o que quiseres comigo!
E venho-me numa só investida tua, tão bravia quanto este nosso fogo…
A noite é nossa!..

Sophia
7thSin✟ 69 Letras® 27.02.2017