Lágrimas salgadas

Quando acordei o sol fustigava-me a cara. O sal daquela maresia de final de tarde de outono na praia, cravava-se sem contemplações no meu rosto como punhais de Naruto. Eu estava febril, a minha pele[…]

Continue reading …

A matéria de que somos feitos não é só pó…

Gosto de lugares serenos, feitos de feno e girassois, de lugares amplos, tão amplos que transbordam liberdade e magia. Aprecio silêncios, quietos, lugares vazios, intemporais, comovo-me com os teus ais. Gosto do silencio do nosso olhar, é nele[…]

Continue reading …

Vem, deixa-me sonhar

Vem sem demoras, bem sei que tudo não passa de um sonho quando vejo os nossos corpos nus a dançarem livres pelas ruas nas noites chuvosas de Dezembro. Não hesites, não te retraias, deixa a minha imaginação[…]

Continue reading …

Agridoce

Sinto cravado nos meus lábios o sal e o doce dos teus beijos. Sinto-o, saboreio-o, derivo nesse sabor agridoce sempre que os meus olhos se cerram e abrem as janelas das minhas recordações. Fazes de mim[…]

Continue reading …

Dona das minhas vontades.

É no toque suave dos teus lábios que a minha loucura acorda, é neles que sinto a lamina de gelo que me trespassa a barriga e que se aloja no meu coração em chama, derretendo de[…]

Continue reading …

Quando os meus olhos se fecham….

Quando a noite cai e os meus olhos se fecham, vejo-te a correr livremente pelo meu pensamento, de cabelo solto ao vento, feliz como as chitas de Shamwari. Vagueias em mim de pés descalços, de[…]

Continue reading …

Eu, tu e uma dúzia de gaivotas…

Deslizo os meus dedos macios pela tua pele eriçada, como que numa dança de cereais maduros nos longos campos livres da Califórnia do Sul, à mercê do vento e com sabor a maresia. Aprecio o teu tremor.  Demoro-me. Dedilho calmamente o teu[…]

Continue reading …