Arquivo da Categoria: Biblioteca

Respeite a Você Mais do que aos Outros

Não pense que a pessoa tem tanta força assim a ponto de levar qualquer espécie de vida e continuar a mesma. (…) Nem sei como lhe explicar minha alma. Mas o que eu queria dizer é que a gente é muito preciosa, e que é somente até um certo ponto que a gente pode desistir de si própria e se dar aos outros e às circunstâncias. (…) Continuar a lerRespeite a Você Mais do que aos Outros

Alimentar o Amor | Por: Miguel Esteves Cardoso | Biblioteca Online

Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Chega-se sempre à primeira frase, ao primeiro número da revista, ao primeiro mês de amor. Cada começo é uma mudança e o coração humano vicia-se em mudar. Vicia-se na novidade do arranque, do início, da inauguração, da primeira linha na página branca, da luz e do barulho das portas a abrir.
Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Por isso respeito cada vez menos estas actividades. Aprendi que o mais natural é criar e o mais difícil de tudo é continuar. A actividade que eu mais amo e respeito é a actividade de manter.
Em Portugal quase tudo se resume a começos e a encerramentos. Arranca-se com qualquer coisa, de qualquer maneira, com todo o aparato. À mínima comichão aparece uma «iniciativa», que depois não tem prosseguimento ou perseverança e cai no esquecimento. Nem damos pela morte.
É por isso que eu hoje respeito mais os continuadores que os criadores. Criadores não nos faltam. Chefes não nos faltam. Faltam-nos continuadores. Faltam-nos tenentes. Heróis não nos faltam. Faltam-nos guardiões.

É como no amor. A manutenção do amor exige um cuidado maior. Qualquer palerma se apaixona, mas é preciso paciência para fazer perdurar uma paixão. O esforço de fazer continuar no tempo coisas que se julgam boas — sejam amores ou tradições, monumentos ou amizades — é o que distingue os seres humanos. O nascimento e a morte não têm valor — são os fados da animalidade. Procriar é bestial. O que é lindo é educar.
Estou um pouco farto de revolucionários. Sei do que falo porque eu próprio sou revolucionário. Como toda a gente. Mudo quando posso e, apesar dos meus princípios, não suporto a autoridade.

É tão fácil ser rebelde. Pica tão bem ser irreverente. Criar é tão giro. As pessoas adoram um gozão, um malcriado, um aventureiro. É o que eu sou. Estas crónicas provam-no. Mas queria que mostrassem também que não é isso que eu prezo e que não é só isso que eu sou.
Se eu fosse forte, seria um verdadeiro conservador. Mudar é um instinto animal. Conservar, porque vai contra a natureza, é que é humano. Gosto mais de quem desenterra do que de quem planta. Gosto mais do arqueólogo do que do arquitecto. Gosto de académicos, de coleccionadores, de bibliotecários, de antologistas, de jardineiros.

Percebo hoje a razão por que Auden disse que qualquer casamento duradoiro é mais apaixonante do que a mais acesa das paixões. Guardar é um trabalho custoso. As coisas têm uma tendência horrível para morrer. Salvá-las desse destino é a coisa mais bonita que se pode fazer. Haverá verbo mais bonito do que «salvaguardar»? É fácil uma pessoa bater com a porta, zangar-se e ir embora. O que é difícil é ficar. Isto ensinou-me o amor da minha vida, rapariga de esquerda, a mim, rapaz conservador. É por esta e por outras que eu lhe dedico este livro, que escrevi à sombra dela.
Preservar é defender a alma do ataque da matéria e da animalidade. Deixadas sozinhas, as coisas amarelecem, apodrecem e morrem. Não há nada mais fácil do que esquecer o que já não existe. Começar do zero, ao contrário do que sempre pretenderam todos os revolucionários do mundo, é gratuito. Faz com que não seja preciso estudar, aprender, respeitar, absorver, continuar. Criar é fácil. As obras de arte criam-se como as galinhas. O difícil é continuar.

Miguel Esteves Cardoso, in ‘As Minhas Aventuras na República Portuguesa’

Só um Mundo de Amor pode Durar a Vida Inteira | Biblioteca: Miguel Esteves Cardoso |

Só um Mundo de Amor pode Durar a Vida Inteira

Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro. Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo.

O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixonade verdade. Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria.

Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em “diálogo”. O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios.Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem. A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam “praticamente” apaixonadas.

Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há,estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço.
Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do “tá bem, tudo bem”, tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?

O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida,o nosso “dá lá um jeitinho sentimental”. Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade. Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar.

O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor. A “vidinha” é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende.

O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser. O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha – é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado,viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra. A vida dura a Vida inteira, o amor não.
Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.

Miguel Esteves Cardoso, in ‘Jornal Expresso’

Amo-te como amigo e como amante | Biblioteca Online | Vinicius Moraes

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

 

 Vinicius Moraes – Soneto do Amor Total – Poema 

Tenho fases, como a lua | Biblioteca Online | Cecilia Meireles

Tenho fases, como a lua
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua…
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua…)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua…
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu…

Cecilia Meireles – Lua adversa – Poema

Todo o filho é pai da morte de seu pai

“Há uma quebra na história familiar onde as idades se acumulam e se sobrepõem e a ordem natural não tem sentido: é quando o filho se torna pai de seu pai.
É quando o pai envelhece e começa a trotear como se estivesse dentro de uma névoa. Lento, devagar, impreciso.
É quando aquele pai que segurava com força nossa mão já não tem como se levantar sozinho. É quando aquele pai, outrora firme e intransponível, enfraquece de vez e demora o dobro da respiração para sair de seu lugar.
É quando aquele pai, que antigamente mandava e ordenava, hoje só suspira, só geme, só procura onde é a porta e onde é a janela – tudo é corredor, tudo é longe.
É quando aquele pai, antes disposto e trabalhador, fracassa ao tirar sua própria roupa e não lembrará de seus remédios.
E nós, como filhos, não faremos outra coisa senão trocar de papel e aceitar que somos responsáveis por aquela vida. Aquela vida que nos gerou depende de nossa vida para morrer em paz.

“Todo filho é pai da morte de seu pai.”

Ou, quem sabe, a velhice do pai e da mãe seja curiosamente nossa última gravidez. Nosso último ensinamento. Fase para devolver os cuidados que nos foram confiados ao longo de décadas, de retribuir o amor com a amizade da escolta.
E assim como mudamos a casa para atender nossos bebes, tapando tomadas e colocando cercadinhos, vamos alterar a rotina dos móveis para criar os nossos pais.
Uma das primeiras transformações acontece no banheiro.
Seremos pais de nossos pais na hora de pôr uma barra no box do chuveiro.
A barra é emblemática. A barra é simbólica. A barra é inaugurar um cotovelo das águas.
Porque o chuveiro, simples e refrescante, agora é um temporal para os pés idosos de nossos protectores. Não podemos abandoná-los em nenhum momento, inventaremos nossos braços nas paredes.
A casa de quem cuida dos pais tem braços dos filhos pelas paredes. Nossos braços estarão espalhados, sob a forma de corrimões.
Pois envelhecer é andar de mãos dadas com os objectos, envelhecer é subir escada mesmo sem degraus.
Seremos estranhos em nossa residência. Observaremos cada detalhe com pavor e desconhecimento, com dúvida e preocupação. Seremos arquitectos, decoradores, engenheiros frustrados. Como não previmos que os pais adoecem e precisariam da gente?
Nos arrependeremos dos sofás, das estátuas e do acesso caracol, nos arrependeremos de cada obstáculo e tapete.
E feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece somente no enterro e não se despede um pouco por dia.

Meu amigo José Klein acompanhou o pai até seus derradeiros minutos.
No hospital, a enfermeira fazia a manobra da cama para a maca, buscando repor os lençóis, quando Zé gritou de sua cadeira:
— Deixa que eu ajudo.

“Reuniu suas forças e pegou pela primeira vez seu pai no colo.
Colocou o rosto de seu pai contra seu peito.”

Ajeitou em seus ombros o pai consumido pelo câncer: pequeno, enrugado, frágil, tremendo.
Ficou segurando um bom tempo, um tempo equivalente à sua infância, um tempo equivalente à sua adolescência, um bom tempo, um tempo interminável.
Embalou o pai de um lado para o outro.
Aninhou o pai.
Acalmou o pai.
E apenas dizia, sussurrado:
— Estou aqui, estou aqui, pai!
O que um pai quer apenas ouvir no fim de sua vida é que seu filho está ali.”

Fabrício Carpinejar

The Lingerie Restaurant | Uma experiência a não perder!

Ganhar o voucher para ir jantar ao The Lingerie Restaurant foi a desculpa perfeita para sair da rotina.
Confesso que apesar de já ter visitado o site e ter visto imagens e de as reviews serem bastante positivas, havia algum receio de que toda a experiência fosse um mau cliché.

Fomos os primeiros clientes da noite a chegar e as dúvidas que pudessem haver foram dissipadas logo à entrada. A recepção foi feita com extrema simpatia e profissionalismo. Foram-nos apresentadas as opções disponíveis no nosso Menu, bem como os outros menus disponíveis. De seguida, encaminharam-nos para a mesa, privilegiada, diga-se de passagem, com vista para o palco.

Tempo para apreciar o espaço. Simples, em tons de preto e vermelho, com fotografias de muito bom gosto a cobrirem as paredes e um bar bem apetrechado. Qualquer um dos empregados de mesa era apetecível, de trato afável. Elas de body, eles de boxers. Definitivamente e confirmou-se durante todo o jantar, primam por um serviço de excelência.

Escolhemos um vinho a condizer com o mood da noite (Pouca Roupa) e não desiludiu. As entradas são simples mas bastante apetitosas e quando somos brindados com os pratos principais, já está instalada uma excelente atmosfera, acompanhado pela boa escolha de música ambiente.

Os pratos não desiludiram. Fomos presenteados com um Bacanal na praia e com um Minete à antiga que só pela vista alimentava-nos o olhar.
Muito bem apresentados, não só pela disposição do prato mas também por quem os acompanhava.
Uma pequena amostra de como fomos servidos:

Minete à antiga Bacanal na praia
Lombinhos de porco com molho de mostarda à antiga servido com batata assada e legumes. Folhado de Bacalhau com molho de marisco servido com legumes da época.

Até estávamos com pena de desfazer o maravilhoso prato. Enquanto dávamos espaço aos orgasmos na boca íamos apreciando o “desfile” dos empregados e empregadas, sempre sorridentes e atenciosos. A meio do prato anunciaram o inicio do espectáculo. O mais aguardado por todos os que ali se deliciavam com a refeição.
Achámos bastante interessante que na mesa existia um suporte de plástico que continha três cartões de diferentes cores e que até então não tínhamos prestado a devida atenção. Cada cartão tinha a sua cor, verde, laranja e vermelho. Assim que foi descrito o que cada cartão significava fez-se notar um sorriso em sintonia na sala. Curiosos? Nada como visitar o espaço.

Fomos previamente alertados para ter um certo cuidado com as fotografias captadas, tentar ao máximo não apanhar pessoas de outras mesas pois poderiam não querer aparecer na foto e em caso de partilha (redes sociais) poderia causar algum desconforto aos mesmos. Questões de privacidade.

Deu-se aso ao espectáculo, à vez, mulheres e homens iam fazendo o seu número. Temos que admitir que após quatro representações conseguíamos perceber que as dançarinas eram muito mas muito mais entregues ao espectáculo. Eles não ficavam muito atrás mas notava-se que elas viviam muito mais o espírito que por ali pairava. Havia mesas para todos os gostos, casais mais reservados, grupos mais tímidos outros o oposto e apelavam à aproximação dos dançarinos, e outros casais que eram esporadicamente surpreendidos pelas investidas dos representantes. Além de muita apreciação visual houveram muitos risos naquele jantar. Todos os dançarinos eram dotados no que faziam, embora muita gente, ao inicio, ficasse tímida e receosa de uma aproximação eles sabiam perfeitamente como investir. Tudo dependia da disposições dos cartões.

Depois da quarta actuação pedimos a sobremesa que foi trazida quase instantaneamente e igualmente bem apresentada, desta vez tratava-se de um Ménage à trois (Bolo de chocolate com coulis de frutos silvestres e torrão) super saborosa tentação de comer e chorar por mais. Recomendamos vivamente.

Infelizmente tínhamos o tempo contado e antes que o show terminasse tivemos que pedir a conta, fomos convidados para acompanhar uma das beldades que por ali desfilavam até à recepção onde podemos participar num passatempo com a possibilidade de ganhar uma viagem a um local paradisíaco. Nem pensámos duas vezes. Em simultâneo demos o nosso feedback à responsável do espaço que agradeceu a nossa presença e nós pelo excelente atendimento e acompanhamento, em altura alguma nos sentimos esquecidos ou mal servidos. Fizemos questão de deixar bem claro que regressaríamos num futuro próximo pois é uma experiência fabulosa e queremos testar os diferentes menus.

Saímos do espaço realizados, contentes, surpreendidos pela positiva. Algo que parte de nós nunca pensou assistir sem ficar envergonhado ou com vontade de se esconder. Posso admitir que em nenhuma altura tive receio ou vergonha, pelo contrário.  

A não perder. Visitem o The Lingerie Restaurant!