Todos os artigos de utilizador69

E agora, quem sou eu?

Já não sei escrever.
As palavras ferem o meu silêncio.
E é uma luta dentro de mim.

As palavras que se embrulham na minha garganta.
O silêncio que se mata para ser mais forte.

E com isto, quem sou eu?
Não me reconheço.
Não sei quem sou.

Continuar a lerE agora, quem sou eu?

Quem sou eu?

Às vezes gostava de não ser eu.

Gostava de ser outra pessoa.

Gostava de ser uma desconhecida.

E, na verdade, às vezes sinto-me como uma desconhecida.

Não para os outros mas sim para mim.

Sinto que me conheço sem me conhecer.

Por vezes uma mudança é uma tentativa de ser outro alguém.

Uma simples maquilhagem, uma cor de cabelo diferente, um modo de vestir alterado.

Resulta, num espaço de tempo mínimo.

Queria que me olhassem e se perguntassem: de onde vem, que histórias traz, o que pensa, o que faz, porquê. Quem é ela?

Mas quem lhes poderia responder se nem eu própria sei quem sou?

Julgo que me conheço mas será que conheço mesmo?

Daí vem a necessidade de ser outra pessoa, de criar outra identidade.

Descobrir quem sou escondendo o meu verdadeiro eu.

Mas uma mudança não oculta o passado, não muda quem realmente somos e o que passámos.

Depois apercebo-me de que todos os dias sou uma desconhecida.

Todos os dias tenho uma nova identidade.

Rio e sorrio como se fosse a pessoa mais feliz à face da Terra mas o meu coração pode estar a sofrer.

Alego estar cansada quando o que quero mesmo é correr para longe de tudo e todos.

Um simples “está tudo bem” tem oculto um complicado “abraça-me e salva-me”.

Uma frase banal carrega o mais profundo silêncio.

O silêncio esconde as mais sinceras palavras.

Isto poderia fazer de mim uma pessoa falsa. Uma mentirosa.

Mas não faz.

Apenas faz de mim humana.

E por ser humana todos julgam conhecer-me.

Mas não me conhecem.

Como podem conhecer-me sem nem eu me conheço?

Afinal…quem sou eu?

 

© Fox 2017 #69Letras

Beija-me

Beija-me

Como se o amanhã

Não fosse chegar

E hoje fosse o derradeiro dia

Para me amar.

Continuar a lerBeija-me

Tive um sonho

Tive um sonho… E nele tu eras meu!
Tive um sonho e nele o mundo resumia-se a nós, às curvas da nossa paixão a envolver os nossos corpos…
Tive um sonho e nele encontrámos a formula da loucura tão ao nosso alcance que os meus pensamentos eram todos teus. A tua boca na minha. As tuas mãos a apertarem-me os mamilos. O teu corpo a aprisionar o meu. A tua habilidade para me dar prazer. É uma avalanche de sensações sem fim que só os arrepios na minha pele comprovam o que as palavras não conseguem exprimir.
Tive um sonho e nele contrariámos a matemática, porque somos 1 ao juntar 1+1. Contrariámos a vida até que sempre quis que fossemos 1-1. E quando somos 1+1=1… Somos o infinito. A eternidade. A invencibilidade.
Tive um sonho…

©Raio de Sol 2017 #69Letras

Não somos super heróis!

Nem sempre o dia começa ou acaba como imaginamos. Marca-se um jantar, uma ida ao cinema, um jogo de futebol ou uma noite de filmes no sofá com direito a pipocas, mas o telefone toca… E se não tocar, ao longe ouve-se o som da sirene que provoca sempre aquele arrepio.
O dever chama e fica tudo para trás, o jantar , o futebol, o cinema, os amigos, a familia, o sossego de um dia ou noite que tinha tudo para ser normal.
No caminho até ao quartel a adrenalina começa a correr nas veias. E depois não há tempo para pensar em muito. No quartel já se ouvem os carros a trabalhar, à nossa espera. Já se vê os colegas a correr num ritmo frenético para nada ser esquecido. Outros a correr para trocar de roupa, calçar as botas e pegar no material de proteção que é necessário.
Até que corremos para o carro que nos levará ao inferno. É uma palavra forte, bem sei, mas acreditem que o é.
Temos um equipamento especial para combate a incêndios que não é um fato de super herói. O calor é de tal forma infernal que sentimos a pele quase a queimar por baixo da roupa. Passamos horas a fio num combate sem tréguas, tantas vezes mal ou pouco alimentados e hidratados. É um esforço desumano passar 12, 20, 30 horas nesta luta desigual. São noites sem dormir, descanso pouco ou nenhum, o calor, o desgaste…
É devastador não conseguir vencer as chamas e vê-las levar o que as pessoas demoraram uma vida a construir. Arriscamos tanto para salvar o que não é nosso, mas lutamos como se fosse! Às vezes corre bem, outras vezes nem por isso e aí temos que correr atrás do prejuízo. Nesse momento nem se pensa… Quando temos que fugir por baixo de um mar das chamas, quando temos que tomar uma decisão de “vida ou morte”, quando o fumo já não nos deixa ver nada e respirar já se torna dificil, quando olhamos para trás e até as mangueiras já arderam.
Não procuramos agradecimento pelo que fazemos, eu pelo menos vejo as coisas assim. O que me custa mesmo é quando nos criticam, sem pensarem que por baixo da farda vermelha e azul existe uma pessoa.
Uma pessoa! Que tem a família preocupada em casa à espera do regresso. Que deixou tudo para ajudar sem olhar a quem. Que está ali a dar o seu tempo em troca de nada. Que por vezes já está num nível extremo de cansaço e nem assim baixa os braços.
Continuamos sempre, apesar de tudo.
Não somos super heróis, mas temos que agir como se fossemos.

 

Muita força para todas as famílias que perderam os seus entes queridos.

©Raio de Sol 2017 #69Letras

Escolhi o amor

Sou pelo amor.

Escolhi o amor.

Escolhi o amor apesar de tantas vezes me fazer sofrer. Apesar das noites em que a minha solidão é invadida pelo silêncio, pelas lágrimas que me beijam a pele.

Apesar dos bons momentos durarem menos do que um segundo. Apesar de me perder todos os dias na vontade de um beijo que teima em não chegar.

Escolhi o amor apesar da esperança, a força e o acreditar, serem palavras vãs na minha cabeça. Apesar do sofrimento ser o suportável do insuportável.

Ainda assim, sou pelo amor. O caos dos meus pensamentos anseia pelo sossego de um abraço, pela serenidade de uma noite de verão em que possa adormecer nos teus braços.

Cabeça tonta a minha que quer tanto um amor.

Um amor puro.Verdadeiro. Doce. Infinito.

 

©Raio de Sol 2017 #69Letras

Como nunca

Mostra-me o que nunca vi.

Olha-me como nunca me olhaste.

Escreve-me a carta que nunca li.

Beija-me como nunca me beijaste.

Sorri como eu sorrio para ti.

Toca-me como nunca me tocaste.

Sente-me como nunca te senti.

Sonha comigo como nunca sonhaste.

Faz-me viver como nunca vivi.

Ama-me como nunca me amaste.

© Fox 2017 #69Letras