Todos os artigos de MissesKat

Respeito,Poder e Entrega .

Agora que já conhecem um pouco mais sobre o “Quem é quem?”  já posso falar sobre alguns tipos de relacionamentos que podem encontrar neste meio.

Tudo começa com o conceito de cedência de poder ou como alguns se referem “power exchange”, já tinha dito anteriormente qualquer relação independentemente que possa haver ou não envolvimento pessoal a palavra de ordem é “respeito”
Quando aceitamos ter o controle ,aceitamos a responsabilidade que isso acarreta ,temos de cuidar, aconselhar e proporcionar experiências sempre tendo em conta os desejos de quem a nós se submete.
Qualquer prática seja de humilhação, infligir dor enfim não interessa o que quer que façamos são ferramentas usadas para obter uma reacção no bottom.
Seja de forma de correcção ou apenas prazer,entendam que se um submisso for humilhado não é porque a parte Dominante tem desdém pela pessoa pelo contrario respeita-o.
Se um Top sádico inflige dor na sua submissa não signifique que não a ame.
Pode parecer confuso ,mas é assim mesmo.
Ao meu ver para que um relacionamento desde cariz funcione a parte dominante entende que o verdadeiro poder está sempre na mão do submisso/a.
Pois se formos a ver quem se entrega tem sempre a ultima palavra ao que acontece e é quem escolhe ceder o poder, pois ele não pode ser tirado e não se ganha , é sim como um presente que nos é dado.
Espero que entendam que não falo por todos os praticantes e esta é a minha percepção,a informação que transmito é apenas um mecanismo de aprendizagem para quem quer saber mais sobre este assunto ou está a iniciar.

Já agora alguns de vocês podem ter ouvido falar de BDSM de quarto e como muita gente anda a experimentar trazer o BD e SM para o leito conjugal e que bem que fazem afinal nada melhor que apimentar as coisas , certo?!
Á conversa com várias pessoas acabo sempre por explicar a diferença de ser passivo e activo e ser dominador/a ou submisso/a,aproveito já para pedir que não confundam isso,somos passivos ou ativos não faz de ninguém dominador ou submisso,pode ser?!É que ser dominador/a não é coisa assim que se aprenda em 5 minutos convém fazer TPC´S ehehe e uma mulher não é submissa só porque de longe em longe adora levar uns valentes estalos na cara que lhe puxem o cabelo e chamem de cadela,ok?! Ainda bem que essa parte ficou entendida.
Já para não falar que sexo não está sempre presente nas relações DS ,BDSM não é foda vai bem alem disso .
Desculpem se estraguei aí algumas fantasias lol,mas a verdade é que nem todos os praticantes o fazem isso vai depender de muita coisa.

A verdade é que não há BDSM certo ou errado tudo é válido seja Hard,Soft,Sensual Dominance ,Gore enfim cada um vive á sua maneira eu por exemplo gosto de relacionamentos DS 24/7 significa que mantenho contacto com quem me pertence e crio um relacionamento com a pessoa ou seja não se limita a sessões esporádicas ou praticas regulares, existe quase que um vinculo de amizade a diferença é na postura pois trata-me pelo meu titulo nunca me trata por tu e nunca deixamos o nosso alter ego ou seja assumo sempre postura de Domme e ele de submisso.
Mesmo que seja pra reclamar do tempo ou porque o Sporting perdeu de novo,ehehe.
Não quereria de outra forma,afinal o tipo de submisso que gosto são Pet´s e como qualquer bichinho de estimação cuido, dou atenção , treino e moldo aos meus gostos recebo em troca devoção completa e entrega total , para mim é mais que perfeito.

Por falar em Pet´s outro tipo de relacionamento semelhante a este é o que os Daddys Dom´s ou Mommys têm com os seus Littles também existe um cuidado e proximidade para não falar de intimidade para com este tipo de submissas/os pois neste tipo de relação há carinho não é só castigos e rabinhos vermelhos de levar com chibatas ou réguadas lol.
E os Daddys ou Mommys têm cuidados extras com estes tipos de submissos, dão atenção, cuidam, disciplinam mas ao mesmo tempo faz da dinâmica deste play .

Mas se formos falar de um escrava aí a coisa muda de figura pois as expectativas são completamente diferentes que as de uma baby girl ,uma escrava á partida sabe que o seu propósito de existência é para dar prazer ao seu Dono/Mestre e sem questionar servi-lo da melhor forma que pode, não contraria não há cá quereres ou birras é uma coisa completamente distinta outro tipo de ligação além que é raro um relacionamento genuíno de escrava/o e Mestre/a não se vê aí aos pontapés, pois o envolvimento passa para além de plays e mistura com a vida baunilha é comum ver casais neste tipo de relacionamentos em que vemos num contexto de dia a dia a submissa ou o submisso a usar um adereço que aos olhos alheios pode parecer um simples colar ou pulseira mas que o significado é que pertence a alguém e aquilo que usa simboliza essa união, tal qual uma aliança de casamento, ao meu ver são muito intensos este tipos de relacionamentos onde se pratica o TPE (Total Power Exchange)que resumido é uma entrega total  é de louvar quem tem este estilo de vida.

O escravo/a nunca deixa de o ser seja em contexto familiar,social enfim é escravo dentro e fora das sessões , limites há poucos.

Mas para já acho que já deu para perceber mais umas coisitas,bem Kinksters por esta semana é tudo ,espero por vocês na próxima quarta.
Um valente chupão nesses pescoços , #Misses Kat
#69letras

Dominadoras

Vamos falar de FEMDOM

(Female Domination)

Ora bem, cá está um tema que eu adorooooooooo!

Pois bem, neste vasto e maravilhoso mundo do BDSM existem vários tipos de Dominadores, Dominadoras e assim como tipos de submissos/as.

Para já explico vos resumidamente a nomenclatura associada a Dominadoras.

Lady – Por norma são dominadoras que costumam ter relacionamento e envolvimento pessoal com o seu submisso juntam o mundo baunilha ao bdsm, ou seja, além do relacionamento DS (Dominação-Submissão) são esposas, namoradas dos seus submissos/as.

Domme – SÁDICASSSSSSSS! (brincadeira).

Domme tanto pode ser usado como diminutivo de Dominadora ou como titulo de uma dominadora que goste de práticas mais sádicas, geralmente há sempre sofrimento físico e psicológico envolvido.

Deusa – O nome diz tudo, não?

Eu mesma me considero um pouco de deusa.

São Dominadoras que são o objeto de veneração por parte do submisso/a, seja física ou psicológica.

Idolatria acho que é a palavra que mais define um tipo de relação de um Sub para com a sua Deusa.

Dominatrix – É uma Dominadora profissional e tributada.

Ao meu ver são quem mais reúne conhecimentos sobre as praticas de BDSM afinal não estão ali para brincadeiras.

Já agora uma curiosidade, se virem que a palavra tem mais que um X no fim significa que essa ProDomme faz sexo com penetração nas suas sessões.

(a não ser que tenha colocado porque achou fixe e olha não sabia disto eheheh)

Mistress ou Mestra – Por norma o Mistress é titulo para uma dominadora com conhecimento teórico e aprofundado de BDSM, mesmo nas práticas que não são da sua preferência.

Atenção que Mestra já varia um pouco pois é como uma Mentora que além de partilhar o seu conhecimento geralmente encaminha e tem debaixo de sua alçada iniciantes.

Rainha – huuuuuuuuuu tb gosto desde título… Muito, Muito, Muito!!!

A Rainha é uma Dominadora com preferência para práticas que envolvem podolatria.

Para quem não sabe fetiche por pés ou parte deles, provavelmente este fetiche irá ter um destaquezinho numa futura conversa, pois tenho de vos dizer que tive a oportunidade de falar com alguns podolatras e tenho particular carinho por eles.

Para mim não há nada mais submisso que um homem de joelhos a acariciá-los como se fossem a coisa mais incrível do mundo.

Espero não me ter esquecido de nenhuma ?

Uma coisa posso dizer que todas temos em comum a personalidade forte, por norma são mulheres que sabem o que querem e quando querem.

Um toque, uma palavra um simples sinal ou olhar é o suficiente para fazer com que um sub entre num estado de submissão mesmo que ambos estejam em contexto público.

Certas coisas não se aprendem, nascem connosco e ser Domme é assim, faz parte de nós.

Para finalizar independentemente de ser Rainha, Mistress, Lady, Dominatrix, Domme ou Deusa, são mulheres que conquistam o respeito de quem as rodeia, não as confundam com mulheres que querem impor respeito, apenas porque usam um destes títulos num nickname.

Cuspidelas na cara, Misses Kat #69Letras

A,B,C do BDSM

Oi kinksters hoje resolvi escrever sobre a base e explicar um pouco o que realmente é o BDSM, contrariamente ao que muitos pensam não se resume a palmadões, algemas, velas, cordas e sexo violento.

Para conhecerem há que saber o que o acrónimo significa, por isso bora lá, isto não é ciência espacial.

Bondage e Disciplina (BD), Dominação e Submissão (DS), Sadismo e Masoquismo (SM).

Por isso quando me referir a um relacionamento DS, não estou a falar no amor que tenho à minha Nintendo e sim de um relacionamento de Dominação e Submissão ou de Dominador/a e Submisso/a.

E quando falar em BD, estou mesmo a falar de Banda desenhada, esta parte ficou percebida lol.

O que é o BDSM ???

Para mim é uma forma de expressão sexual, e atenção, que pode não ter qualquer ligação directa ao acto sexual em si, isso vai variar de pessoa para pessoa.

Mas o principal é a cedência de poder entre participantes, em que cada um vive o BDSM à sua maneira, mediante as suas próprias regras e conduta .

Não há manual do que é certo ou errado existe, sim preparação, estudo e acima de tudo conhecimento dos seus próprios limites, e desejos assim como das restantes pessoas envolvidas.

Por falar em limites devo referir o que quase todos os praticantes têm como mantra são siglas que representam o que à partida todos temos de ter em conta em actos e praticas.

SSC – São ,Seguro e Consensual.

As palavras dizem tudo, à que estar em estado de alerta por isso estar sobre influências que possa deturpar ou alterar o poder de decisão está fora de questão.

Seguro, falamos de coisas como preparação de material desde higienização, verificar se está apto e preparado, tomando as devidas precauções para evitar que haja ferimentos graves e não planeados.

A parte do seguro não se resume apenas a preparação do espaço ou do material a ser utilizado é mais que isso, no que toca ao papel de Dominante temos de ter algum conhecimento sobre o que fazer em situações que possam ocorrer durante as praticas como descargas adrenergicas, ataques de pânico… enfim, inúmeras coisas que podem surgir e para cada uma delas existe uma forma de minimizar o desconforto que a parte submissa esteja a passar e reconfortar quando é necessário.

Consensual, para que qualquer relação avance logo de  inicio tem de existir uma negociação prévia para que fique definido que qualquer pratica efectuada entre ambas as partes é consentida.

Agora, caso estejam vocês a pensar que isto é muito relativo e varia de pessoa para pessoa.

Sim, têm razão, existem práticas que faço que aos olhos de outros praticantes não é de todo seguro logo estaria a ir contra a ideologia do SSC, mas também temos o R.A.C.K (Risk Aware Consensual Kink) que ao meu ver e a melhor forma de explicar é ter noção dos riscos ou seja consentir e ter consciência que certas atividades poderão por em risco algum dos intervenientes.

Para dar uma ideia, álcool à partida o SSC dita que não devemos estar sobre influências que possam deturpar os nossos sentidos mas se ficar acordado entre ambos que isso poderá acontecer o Bottom está ciente logo consentiu e tem noção do risco, espero ter-me feito entender .

Mas voltando à pergunta inicial, devo dizer que é complicada e daria pano para mangas pois cada um tem a sua interpretação e que eu saiba ninguém me proclamou “Expert” além que existem várias opiniões contraditórias no que toca a assuntos referentes a BDSM no meio, tanto que existe um termo de praticantes de velha guarda e nova guarda .

Para vos dar um exemplo que vem sempre à baila nas conversas que “exemplifica” o conflito de ideias.
Praticantes da velha guarda acham que a nomenclatura do BDSM nada mais é que totalmente desnecessário e é tudo modernices a mais .

Temos TOP’s e Bottoms e basicamente é isso.

Enquanto a Nova Guarda é apologista de tudo tem um nome existem vários tipos de TOP´s e Bottoms

Eu entendo ambos os lados e identifico me com as duas formas de pensar, concordo com a teoria da velha guarda que tudo está a ser um pouco banalizado e comercial e cada vez há mais nichos e terminologias e muito blá blá e pouca acção .

Isto deu origem a termos como Dominadores da NET, Geração filhos de Grey, Pseudo Dominadores/as e Submissos/as, apelidos fofinhos para o BOOM de supostos praticantes que não saem por detrás dos Pc e telemóveis e vêm realmente experimentar o BDSM.

E também  concordo com a nova guarda que existem sim categorias e faz sentido pois nem todas as pessoas são iguais é normal que nem todos os Top´s ou Bottom´s assim o sejam .

 

O que é um TOP, Bottom ou Switch(er)

TOP – é quem assume a posição Dominante.

Bottom – quem assume posição submissa.

Switch(er) – alguém que assume tanto posição Dominante como Submissa, pode ser com outro Switcher ou com parceiros de posição diferente .

O que significa o termo Baunilha?

Fácil, tudo o que não tenha a ver com práticas BDSM, Fetichismo e afins…

É usada essa palavra para identificar tudo o que não pertence a este mundo como vida baunilha, relacionamento baunilha, sexo baunilha.

(e não tem nada a ver com gelado de baunilha lol um dia explico).

Depois existem várias subcategorias para os Bottom´s como Brat, Baby girl/Boy ou também chamados de Litlle´s, Pet, Slave, Sissy´s, SAM´s, Money Slave etc..

Estas subcategorias vão variar dos “Plays” que se faz seja por gosto do Top ou preferência do próprio Bottom.

Afinal cada um tem os seus gostos, eu pessoalmente gosto de Pet play faz todo o sentido que procure alguém que partilhe do mesmo gosto que eu não tinha lógica ter um Little por exemplo.

Numa próxima publicação vou explicar o significado de cada tipo de Bottoms e os plays associados .

Mas por hoje é tudo.

Cuspidelas onde preferirem,

#Misses Kat #69Letras

 


BDSM, Chonézice e Coisas Assim Assim…

Correndo já o risco de perder a credibilidade como alguém que supostamente é entendida na matéria, tenho de alertar de antemão que comigo tem de haver boa disposição, por isso palavras estranhas serão usadas com frequência.
Pretendo nesta primeira publicação fazer uma breve apresentação e explicação do que podem vir a encontrar nesta rubrica. E para que não se percam vamos por pontos.

BDSM – Todos sabem o que significa ou ouviram falar, e parece que a moda veio para ficar. Yeahhhhhhh!!
Para mim é algo que faz parte da minha vida, em que adoro, respeito e acima de tudo levo com seriedade quando a situação assim o requer.
Sou uma Domme e para quem não sabe Dominadora resume tudo (ou não, por isso mais para frente será explicado). Adoro o que faço e posso dizer sem falsa modéstia que tenho algum conhecimento prático e teórico sobre este maravilhoso mundo do qual vos vou mostrar.
Tenho intenções de fornecer informações, desmistificar certas práticas, dar dicas, esclarecer duvidas e relatar experiências vividas por mim ou por amigos praticantes.

Chonézice – Também faz parte de mim e de quem me rodeia, tenho um sentido de humor meio estranho e adoro estar rodeada de pessoas igualmente estranhas, pessoas essas que regularmente chamo de “ohhhhh meu granda choné!”

Coisas assim assim – Bem, essa parte é a tal dita apresentação em que para já não vou debitar Gigabytes de informação em cima de vocês, pois afinal não quero que adormeçam, por isso bora lá então.
Sou a Misses Kat, Misses como diminuitivo de Mistress e Kat porque a minha alcunha em miúda era Gata e foi ficando até aos dias de hoje para alguns.

Sou praticante de Bdsm além de Fetichista, adoro falar sobre este meu lado mais Kinky e espero conseguir trazer o vosso ao de cima

E é assim caríssimos, apresentações feitas e não percam os próximos episódios porque nós também não.

Lambidelas onde mais gostarem.

Misses Kat #69Letras

PS: Tinha que haver uma referência ao Dragon Ball, pois claro…