Doçura e Travessura

a

Texto Erótico | M18

Somos um bando de meninas travessas e o carnaval a chegar só nos inspira mais traquinices. Combinamos jantar em modo cosplay para festejar o aniversário da nossa caçula ruiva.

Andamos todas numa de séries e filmes ligados à BD e fantasia e como boas geeks que somos acabamos por cair na gargalhada quando damos por nós entre super heroínas, anti-heróis e princesas elfo, guerreiras amazonas ou mães de dragões. Não somos muitas e muito menos as que resistem depois de uma noite longa bem comida e bem regada. O gangue foi-se dispersando e sobrámos as três do costume… Eu Vicky, que estava confortável envolta em cabedal de cauda puxada para o lado e as garras no copo que não larguei ou deixei vazio, a minha loira que fiel a si mesma se vestiu de Harley clássica, body preto e vermelho, meias de rede vermelha e o arabesco na cabeça a condizer com os stilleto pretos com detalhes cromados e a nossa aniversariante de Fénix toda ela a emanar fogo… A conversa estava óptima mas tínhamos de mudar a localização. Fomos para a casa da pequena de fogo, onde com certeza não faltaria a boa musica e inspiração liquida para continuar a noite.

Chegadas ao ninho, saltos altos saíram e como nos é tão característico, aconchegámo-nos na carpete fofa no centro da sala, sorvendo o néctar dos deuses. Estamos habituadas ao toque umas das outras, conhecemo-nos bem, mas naquela noite algo nos fez sentir toques de formas diferentes, algo acordou talvez mascarado sob a forma de espírito carnavalesco que nos percorreu as mãos e as bocas. Começámos por trocar carícias e brincadeiras sobre como os meus seios pareciam redondos e sempre tesos debaixo do cabedal, sobre como a fénix continuaria em fogo só de capa vestida ou a falta de roupa interior por baixo do body… testei-lhe a humidade… era certo, ela estava no mesmo espírito que eu. Beijei-lhe a boca e perdi-me, dando por mim já com a boca entre aquelas pernas quentes com aquele delicioso sabor agridoce a passear-me no palato… Tinha-lhe rasgado as meias, deixando-a exposta para mim e ela reluzia prazer na ponta da minha língua. A dona da casa estava já só de capa com uma penugem cor de fogo a luzir sob os poucos focos que iluminavam e aqueciam a sala, tocando-se, absorvendo o espectáculo e sorvendo o seu próprio suco que escorria daquela púbis suculenta.

Continuei a minha degustação, não ia parar até que ela se viesse na minha boca, até que ela explodisse naqueles gemidos de menina. Abri o meu fecho que ia do decote até me deixar o rabo empinado e bem à vista da minha espectadora e toquei-me enquanto chupava a delicia que tinha à frente… Eu própria escorria e queria gozar… O prazer dela aumentava e com o dela o meu, os gemidos da outra ecoavam nas minhas costas e veio o primeiro orgasmo… quente, abundante, uma iguaria… Saboreei a minha vitória e deixei que ela gozasse o resto por si. Virei-me e gatinhei até ao sofá onde ela já estava no limiar, de costas arqueadas e pernas bem abertas… percorri-a com a língua desde o rabo ate ao clitóris, ela gemeu alto e segurou-me a cabeça… Mergulhei de boca… Hummm… Era tão doce… Meti-lhe os dedos e estava hipnotizada com a dança daquelas ancas e deliciosamente sufocada com o apertar daquelas coxas… Estava a adorar senti-la quando uma língua começa a deslizar junto ao meu fecho de trás para a frente e sinto pequenas trincas no rabo… A loira colocou-se gulosa por baixo de mim e começou a retribuir o prazer que há pouco lhe dera… E ela era magnifica… Que bem usava a boca… E só piorou quando me meteu os dedos certeiros e me massajou por dentro…

Toda aquela excitação fez com que também a minha boca trabalhasse mais gulosa, os meus dedo mais enterrados naquela vulva doce e apertada… Os orgasmos vieram, violentos, em espasmos e detivémo-nos a saborear os líquidos que gotejavam das ratinhas satisfeitas… As três novamente no chão, entre beijos e mamilos suavemente lambidos, chupados, apertados…Uma cumplicidade feminina única, os sorrisos ternos e safados, cheios de malícia e talvez com gosto de quero mais…

Estávamos entre risadinhas quando a porta se abriu… Era o companheiro de casa que regressava de viagem mais cedo… Não era esperado… Mas os olhares que trocámos dizem-me que seria muito bem recebido…

VickyM #69letras

Autora da página Place Your Feelings

Deixar uma resposta