2018

Oi 69’nrs como vai isso?!

Antes de tudo BOM ANO NOVO a todos espero que 2018 seja porreiro para todos vocês, muito amor, sexo, comida da boa, saúde e muita taradice também.

O ano de 2017 para mim foi um ano que vai ficar marcado para sempre na minha história de vida porque revirei o meu mundo do avesso mas ao fazer isso fiquei recetível ás coisa boas que a vida tem para me dar.

Uma coisa boa que me aconteceu foi aceitar melhor o que sou e o que o bdsm significa na minha vida a curto e longo prazo.

E que sim é possível conciliar trabalho, vida familiar e esta parte de mim.

Queria apenas passar uma mensagem de positivismo para quem se sente preso ou literalmente amarrado ás conformidades desta sociedade.

É triste demais ter de guardar, omitir, esconder e fingir ser o que não somos por medo de não se ser aceite, por medo de acabar com um casamento, medo de ser despedido se algum colega descobrir ou medo do que os nossos filhos e pais possam pensar de nós.

Não é para ninguém viver com medo.

Sempre ouvi dizer “a vida são dois dias e o carnaval são três.”
Porque não fazer da nossa vida um carnaval sempre que quisermos? Envergar uma mascara ou um fato não porque nos queremos fantasiar e fingir que durante três dias esta é uma realidade mas sim porque é assim que nos sentimos verdadeiros.

E fazer dos três dias, 365.

Um pouco mais de tolerância e amor ao próximo é o que vos peço.

Estou lamechas sim, assumo.

Mas bolas de vez em quando também posso ser fofinha e tal e coisa deve ser por estar a fazer aninhos e ir passar esse dia junto do meu submisso numa cidade onde fui muito feliz e por incrível que pareça foi lá que tive a minha primeira noção de que este estilo de vida até pode ser aceitável fora de quatro paredes.

Quando num fim de tarde de verão estava eu a caminho de casa com o meu irmão e vejo uma bela mulher de calções e top preto a passear uma rapariga com uns 18 ou 19 anos com uma coleira como se nada fosse e isso fosse tão banal como andar de mãos dadas.

Olhei pro meu irmão com cara de besta e comentei com ele ao qual ele diz algo como.

-Ahh habitua-te que aqui há muito “disto”.

Sorri para ele e pensei para mim mesma que queria isto para mim.

Por isso passado 13 anos volto lá para passear com quem me pertence sem medo do que os outros possam pensar tal como aquela mulher fez um dia.

E é assim meus doidos que acabo a nossa conversa esta semana.

Uma beijoca a todos e portem-se mal que eu vou fazer o mesmo.

©Misseskat #69letras

 

 

 

 

 

 

Deixar uma resposta