🎄🎄🎄 Festa no condomínio 🎄🎄🎄

As festas do condomínio estavam meio paradas… Se em outros tempos tudo era motivo de comemoração (e belas comemorações sem motivo que fazíamos), a força da vida de cada um retraiu o convívio, os sorrisos trocados nos corredores, os gemidos que ecoavam pelos elevadores… Este ano não foi fácil para nenhum de nós e entre mudanças, saídas e entradas, carrinhas de mudança, planos adiados, conversas interrompidas e uma piscina que já só era visitada ocasionalmente para respirar depois de uma discussão, arrefecemos como o tempo. O bom das amizades que aqui se criam é que mesmo não sendo diária, a ligação não se perde…

Estava a decorar a casa para a quadra natalícia que avizinhava calma, quando a minha campainha soou. Eu conheço aquele toque.. é a Lola… Vou até à porta, ciente de que algo se passa, ela nunca vem sem avisar.

“Que se passa, mulher?”
“Miúda, conheces-me assim tão bem?”
“O suficiente, mamacita. Entra!”

 

Ela entra e assim que fecho a porta ela abraça-me forte… Ok, agora estou preocupada! Ela nem se senta e começa… “Sabes que andamos todos com os narizes enfiados nas nossas próprias vidas, sabes que nos faz falta uma agitação, não sabes? Sabes que nós precisamos disto não sabes?”; “Lola, precisamos do quê?”

E nisto ela mostra-me três fotos, todas elas da festa de Natal do ano passado… Nós de pais e mães Natal, duendes, renas e até um Grinch! Os sorrisos, as memórias que me assolaram fizeram-me soltar uma gargalhada! “Precisamos disto sim Lola! E para estares aqui é porque tens um plano!”

Nisto a minha campainha toca outra vez, desta vez mais forte, com mais ansiedade… olho para a Lola cujos olhos já brilham, meio com entusiasmo infantil, meio com malícia… Ai, no que me fui meter. Era a Kat e o 100Modos, isto promete! Ela já tinha planeado juntar-nos, sabendo que só nós conseguiríamos juntar toda a gente para a última celebração do ano, como que atraindo bons presságios para 2018.

Assim o fizemos. Vestidos de duendes distribuímos convites em mão, garantindo que ninguém teria a desculpa do não vi a caixa do correio… Seria simples, sem disfarces, sem tretas… Só nós, uma mesa, bons vinhos e música na cobertura do condominio.

“Dia 22, oito horas, obrigatório usar um sorriso, sim?” Disse, quando deixei o convite nas mãos da Vizinha e do Anónimo que me piscou o olho. Desconfio que ele já fazia uma ideia de que isto ia acontecer.

Uma trabalheira danada dar de comer a esta gente toda e escolher vinhos para harmonizar com os pratos e acepipes… E a lembrança para todos, já que não impusemos a troca de prendas. Um quadro com uma citação que nos lembra bem quem somos…

 

“Não sou 8 nem 80, sou 69!

Recebe o que dás”

 

Tal como esperávamos, todos vieram. Os recém chegados meio desconfiados (a fama das nossas festas era qualquer coisa), todos os outros descontraídos e de coração quente por estarmos todos juntos, talvez pela última vez este ano… A refeição correu amena, as conversas fluíram, os sorrisos alargaram, a deliciosa gargalhada do Vizinho ecoou pela sala e o olhar do Sasseti ganhou aquele brilho tão especial. A MySighs suspirava ocasionalmente e dava um ara de sua graça à medida que o tinto lhe soltava as amarras da timidez. Nós os quatro da conspiração entreolhámo-nos cúmplices e gozámos a noite.

Já ela ia longa quando o Ricardo se chegou à música e colocou uns ritmos mais dançáveis e perdeu o Santo quando segurou na Marie e a arrastou para a pista improvisada. Acabámos por afastar a mesa e as cadeiras e entregámo-nos à música e por momentos éramos nós outra vez… As gargalhadas, a temperatura a subir… Bem ao estilo 69…

Velhas chamas se acenderam por ali e fomos nos dispersando, levando a lúxuria para dentro de portas. A magia ficou no ar…

Cheira-me que esta história vai continuar com um sabor diferente em 2018…

Venha ele!

#VickyM #69Letras

 

Autora da página Place Your Feelings

Deixar uma resposta